quarta-feira, maio 25, 2005

Mãe-coruja
Pára tudo! O Tom (e o grupo dele da fakul) vai participar da Bienal de Arquitetura.
Eles foram escolhidos entre outros grupos e vão apresentar um trabalho de urbanização da Vila Olímpia. Se eu tô orgulhosa?? Magina, quase nada...
E vou demorar muito pra sair de casa hoje por causa da chuva e do caos urbano que virou essa cidade. Home office.

segunda-feira, maio 23, 2005

Da série "lá em casa"

Todas as manhãs eu abro a porta do "terracinho de ver o pôr-do-sol" (que eu nunca vejo) e tenho essa imagem:

Image Hosted by ImageShack.us

Sábado com os amigos:

Image Hosted by ImageShack.us
Foto: Biba

quinta-feira, maio 19, 2005

Antigamente...
Quando a gente começa a falar de antigamente é porque tá mesmo ficando velha, fazer o quê? Mas tá me dando uma nostalgia (já expliquei que etmologicamente é dor do passado, né?), mas é que antigamente, quando eu morava na Vila Brasília e a vida era não-digital, as pessoas simplesmente iam lá em casa. Não tinha isso de ligar antes, as pessoas passavam por lá e entravam ou a gente ficava por ali mesmo, pelo pátio da vila coberto de paralelepípedos, onde um dia torci o tornozelo... as crianças brincavam, a gente ficava jogando conversa fora, planejávamos e fazíamos festas juninas, e em todos os outros meses do ano.
Como era bom! e a gente sabia.
Por isso, quando digo que quero receber visitas é sério! Ninguém precisa ligar antes. Eu acho superlegal ouvir a campainha tocar e daí ter uma pessoa amiga que quer entrar lá em casa. Assim, de improviso. Fico muito chateada ao ver que isso não existe mais.
Geralmente, quando a campainha toca de improviso, nunca é alguém que vai fazer a gente ficar feliz, assim de repente. Adoro surpresas.
Mas como eu ia dizendo, tudo na vida passa, tanto pro bem quanto pro mal.
Depois que vc descobre isso, consegue viver mais leve. Vc sabe que aquilo vai passar. Vc faz de um tudo pra aproveitar bem o momento bom, porque ele vai passar. E releva as coisas chatas, porque elas também vão passar. Ver a vida em perspectiva, é isso. Essa é a minha mensagem de hoje.

quarta-feira, maio 18, 2005

Ivis, venha mesmo.

E traga o Chaps (claro!). Este é o quarto de hóspedes:

Image Hosted by ImageShack.us

Dígito, Zana, Adriana M., Nana, Ingrid, André, Maith, Maitê, Sandra, Stela, Carol, Elis, Lila, Renata, Rosana, Mauro, estão todos convidados.

Sem falar no pessoal de Sampa. É só aparecer.

sábado, maio 14, 2005

Mais uma obra

Esse porta-retrato foi encomenda da Roberta:
Image Hosted by ImageShack.us

Quanto ao Gerald Thomas, não gostei. No programa ele repete a palavra "macabro" 4 vezes. Quem me lê aqui sabe que não gosto desse tipo de coisas. Mas até que o Nanini salva um pouco a peça, que não é tão horrível assim. O legal mesmo foi o Tom ter ido com a gente. Foi a parte de que eu mais gostei.

Minhas encomendas de mosaico acabaram... justo agora que tenho um ateliê. Vou tirar uma foto do ateliê e pôr aqui um dia desses.

E a Zana?!?!?!?! Onde seria esse encontro, HOJE?? Well, acho que vai ficar pra próxima, Zana... Nem sei quem é a sua amiga Márcia.

Bom domingo for all.

sexta-feira, maio 13, 2005

Circo de Rins e Fígados

A gente foi ver. Antes de começar, tudo cheio de fumaça.
E eu, desinformada, não sabia que era do Gerald Thomas.
E nem sabia que era estréia.
Cheio de modernetes no local.
O Tom foi com a gente!
Coisa inédita.

Image Hosted by ImageShack.us

Bom finde!

quinta-feira, maio 12, 2005

Bodas de Prata no Magenta, na Vila Madalena

Image Hosted by ImageShack.us


Mas eu tô no inferno astral.
Falta menos de um mês pra eu ficar mais velha.
Já expliquei aqui antes, mas acho que posso me repetir: inferno astral, astrologicamente falando, não é um período necessariamente ruím. Apenas as "questões" da sua vida costumam vir à tona, para que você as resolva antes do próximo niver. É isso.

Tenho uma questão pendente, aliás, como sempre, aliás, como todo mundo, sempre tem, que espero se resolva em breve.

Ponho outra foto amanhã, se tudo der certo.

O blog ficou abandonado por excesso de trabalho e também uma mudança de rumo. A partir de hoje está decretado que não quero mais ser conselheira sentimental de mais ninguém.

Ainda vou decidir o que fazer com esse espaço. Mas como AMO escrever, resolvi continuar com ele.