segunda-feira, outubro 19, 2009

Para Rayana


Oi, Rayana, desculpe a demora enooooorme pra te responder. Tenho mil desculpas, mas não vou ficar aqui "desfiando o rosário" como dizia a minha avó. Vamos lá. Direto ao assunto.

Hoje vc me diz pra deixar pra lá, que o que tiver que ser será etc e tal. Vou comentar sobre isso depois. Primeiro, vamos ao que vc me disse antes....

Você tinha me dito que:

O Silvia... quero uma "luz".. Meu namoro acabou pq eu era muito chata com ele (não sei pq, ele era um amor comigo).. Ai, na maioria das vezes que a gente se fala ele fica lembrando das coisas chatas que eu fazia e isso acaba me machucando pq eu meio que "me torturo" pq eu era chata e tudo mais.. Eu já tentei voltar,mas ele não quer.. O que eu faço?? Deixo pra lá? Corro atrás? Deixo o tempo passar?? Quando ele falar comigo, o que eu faço?? (tô parecendo uma garota desesperada) kkkkk .. mas acho que é assim que meu coração tá.. Ele não acredita que eu o amo, fica ironizando toda vez que falo isso =/ Mas eu fui chata né?! Tenho que "pagar" pelo que fiz... " E agora José?" kkkk.. O que faço??

Um dos motivos pelos quais demorei tanto a responder, é que fiquei pensando bem nas opções de respostas para esse seu "drama".... Sim, considero isso um drama verdadeiro, sem ironia.

Você afirma que seu namoro acabou porque enquanto ele era um amor com você, você era chata com ele. Do jeito que você fala, parece que você foi levada a acreditar que era chata. Mas em quais circunstâncias? Você acha que dessa vez seria diferente por que? Olha, eu acho que se você foi chata, você agiu conforme as circunstâncias a levaram a agir. Na minha opinião, ninguém muda porque decide agir de forma diferente, porque dentro das mesmas circunstâncias você acabará agindo da mesma forma. Não sei... fiquei pensando que você precisa se relacionar com uma pessoa que compreenda melhor os seus momentos de chatice. Todo mundo tem os seus momentos de chatice nesse mundo.

E o amor é uma coisa muito maior, muito mais forte do que a chatice.

Eu também sou chata às vezes, principalmente na TPM. Nossos parceiros precisam suportar umas chatices de vez em quando. Faz parte. Se não suportam e se ainda ficam jogando isso na nossa cara, não são tão doces assim, você não acha??

Você, Rayana, não precisa de um namorado que fique o tempo todo te lembrando como você foi chata nessa ou naquela ocasião. Pensa bem. Você não quer um namorado que te faça sentir-se mal, ao contrário, quer um que te faça sentir-se bem.

Se esse namoro acabou, acho que deve ter sido pro seu bem, se você quer saber. E olha que na maioria das vezes sempre sou a favor da reconciliação. Mas nesse seu caso.... não sei não.

Você não parecia estar feliz ao lado de uma pessoa que fica a todo momento te achando chata...

Depois você me conta o que achou disso que eu falei.

Agora, vamos à segunda parte.

POR OUTRO LADO.... hoje você falou assim:

Sabe Silvia.. Deixei pra lá.. Se for para a
gente ficar junto vai.. se não, paciência =D

Obrigada de qualquer jeito. Beijos =D

Aí, eu também acho que não é bem assim.
Ainda que vocês não fiquem mais juntos, isso não cabe ao Destino decidir. Na-na-ni-na-não.
Cabe a você tomar essa decisão, ainda que ela seja dolorosa.
Não acho que nós mulheres devamos nos sujeitar às decisões dos homens. Essa coisa de amor e de relacionamento, de sedução, etc... tem a ver com o que a gente acredita ser melhor para a gente.

Tenho amigas que ainda ficam de braços cruzados esperando o tal do Príncipe Encantado, essa figura mitológica inexistente na vida real.

Mas tenho amigas que vão à luta e encontram um par nas condições mais adversas. E isso não tem nada a ver com beleza física, nada disso. Tem a ver com atitude. Se você tem uma atitude receptiva, se está bem com você mesma, seguramente vai aparecer alguém na sua vida que vai notar aquele brilho especial nos seus olhos e você vai perceber que essa pessoa acaba se tornando especial por alguma razão para você também. Isso absolutamente não é difícil de acontecer. Daí, vem a parte de ir à luta e se você acha que vai ser legal ficar com aquela pessoa, é preciso investir certa energia nesse relacionamento.

Bom, é isso que eu acho. E acabei escrevendo demais de novo, pra variar.

Mas acho que tem bastante material aqui pra você pensar, refletir e tomar as suas Decisões.

Espero ter ajudado.

Me conte o que você resolveu, boa semana, boa sorte e obrigada pela audiência!!

bjs

Silvia

sexta-feira, outubro 09, 2009

+ 1 consulta sentimental


Recebi um comentário que é uma consulta sentimental.
Como os assuntos do coração normalmente não podem esperar muito, vamos lá....

Ela disse assim:

Ah, Silvia...
Adorei seu site, realmente vc ajuda a quem está com problemas que nem eu e minhas amigas...
Gostaria que vc me ajudasse porque eu não aguento mais a situação a que estou me submetendo...

Veja...
Tudo começou há uns 4 ou 5 anos atrás...
Eu estudava com "João", e uma amiga minha acabou gostando dele... Decidi ajudá-la, porém João acabou por confundir as coisas e acabou gostando de mim... Porém, eu prometi à minha amiga que não iria fazer nada enquanto ela gostasse dele... Com isso o tempo passou... Ele começou a namorar, minha amiga, eu também... Enfim... Porém, esse ano, eu sofri MUITO por uma pessoa que acho que seria um capítulo a parte nessa história... Enfim... Fui humilhada e tudo mais... E "João" voltou na minha vida... Porém dessa vez, acho que eu que acabei confundindo as coisas e agora eu estou sofrendo... Pq afinal, eu não sei o que ele quer ao certo comigo, se ele quer alguma coisa de verdade, ou talvez ele esteja querendo se vingar, quem sabe? Ou só está me enrolando, ou coisa do tipo... Por favor, me ajude!!! Me diga, o que eu posso fazer???

Beeeijos

obrigada

Bom, eu não entendi direito algumas partes.
Você não gostava do João, lá no comecinho da história, não?? Abriu mão de ficar com ele só por causa da promessa que fez à amiga?
E ele, sabe da armação de vocês??
(desculpe falar assim, mas parece que vocês fizeram uma armação p/ ele gostar da sua amiga, foi isso mesmo?)
E então, agora, você gosta dele, ou acha que gosta, porque teve uma desilusão com outra pessoa?
Se for isso mesmo, o que você precisa fazer primeiro de tudo é olhar pra dentro de você e identificar se é amor isso que você sente (ou atração, ou vontade de ficar junto, ou carência afetiva, ou, ou.... )
Quando você tiver certeza que é amor, aí sim, é hora de procurar ficar perto do seu amor, de ser sincera, de contar tudo o que aconteceu, de conquistá-lo. Se ele gostou de você da primeira vez, pode ser que você consiga conquistá-lo de novo. Você tem boas chances! Não vou ficar aqui te dando fórmulas de conquista, porque não acredito nisso, acredito no amor verdadeiro. Esse sim tem tudo pra dar certo.
Talvez o próprio João não saiba mesmo o que ele quer com você.
Mas você tem que saber o que quer com ele.
Você não pode ser uma "mulher-objeto" e ficar à espera do que ele quer fazer com você ou deixar de fazer, não é mesmo?
Quando você tiver clareza do que deseja, você saberá como agir.
Não sei se ajudei muito, porque achei que todo mundo está confundindo muito as coisas nessas histórias entrelaçadas.
Maria que amava João, que amava Verônica, que amava Jorge e por aí vai.... parece aquela música, né? do Chico Buarque (gênio).
Se quiser, me escreva de novo pra gente continuar essa conversa.
Bjs
Silvia

quinta-feira, outubro 08, 2009

Do limão à caipiríssima




Oi, leitor/leitora,

Desculpe o sumiço, mas estou trabalhando aqui, então, minha energia internética fica toda concentrada lá.

Minha filha tá bem, tem consulta no otorrino na sexta para eventualmente marcar a retirada das maledetas das amígdalas. Agradeço a todos os comentários carinhosos.

Mas hoje vim aqui falar de um assunto muito sério, que aconteceu com uma amiga minha muito querida.

Mas quem vai contar, é ela mesma. Que sirva como um alerta para todas nós, mulheres.

Do limão à caipiríssima

Solange Calvo

Amanhã, não. Na semana que vem. Melhor no próximo mês. E o tempo voa, quando o assunto é exame médico. Especialmente quando se trata de mamografia. Afinal, quem está disposta a transformar a mama em uma panqueca? É exatamente isso o que acontece quando realizamos essa prova de fogo.

Até que num desses desafios descobriram um nódulo em minha mama direita. Assim que ouvi a palavra “nódulo” deslizando da boca do médico, a foice da morte se instaurou em meu pescoço, involuntariamente. Do laboratório até em casa, questionamentos me torturavam. Será que terei de tirar a mama? Toda? Aproveito para reduzi-las, pois sempre quis. Mas terei de fazer quimioterapia? E se tiver, ficarei careca? Pode ser uma oportunidade de colocar uma peruca loira, ter cabelos longos...

Depois de idas e vindas ao centro médico para complementar exames, o dito estava mesmo lá, e indicaram punção. A internet me fez viajar nas mais medonhas e assustadoras definições e depoimentos sobre punção, mastectomia etc (não recomendo essa viagem). Evoluí então para a pesquisa das mais modernas técnicas de reconstrução e reparação de mamas (já pensei no pior) até me entregar à avaliação da principal entidade, o mastologista. Entidade sim, porque nessa altura você quer q ele realize um milagre. “Não tem nada aqui, pode ir pra casa e relaxe”

Descobri então que podemos vencer o câncer de mama. É muito simples, caso você o identifique logo no início. Foi o meu caso. Isso porque sempre fiz das minhas mamas panquecas uma vez ao ano! E esse “nódulo impertinente” era recente, com menos de um centímetro (características fundamentais). Em meio à tremedeira das pernas, o médico anunciou o próximo passo: mamotomia!

Não foi agradável. Mas eliminou a internação. Anestesia local (próxima às costelas, com a agulha inclinada para a mama). Depois disso, entra em cena um aparelho para perfurar a mama, cortar fragmentos do dito e sugá-los para a biópsia (outra palavra assustadora – Hitler deve tê-la usado bastante em campos de concentração). Dói sim, mesmo com anestesia, mas é rápido.

Mamas enfaixadas com muito gelo e no dia seguinte tudo OK. O dito era tão pequeno que saiu todinho. Foi preciso colocar um clip de metal (titânio) para marcar o ponto exato onde ele morava. Por que isso? Se o resultado acusar ser maligno, como o médico encontraria o local para limpar tudo e tirar um naco da minha mama?

Foram cinco dias de orações intensas de amigos e familiares, promessas mil para que o resultado fosse favorável. E foi! Ausência total de malignidade! Renasci! Mas teria o mesmo desfecho caso fosse maligno. Porque bastaria tirá-lo, cortar uma fatia da mama, sem mutilações, ao contrário, ela ficaria até mesmo mais empinada!

O pulo do gato é o diagnóstico precoce. TUDO pode ser resolvido quando fazemos autoexame no banho e realizamos frequentemente a mamografia. Nenhuma mulher irá morrer de câncer de mama se for disciplinada. O medo de encontrar algo ruim inibe a realização do autoexame e da mamografia. Mas temos de torcer para encontrar logo porque poderemos vencê-lo!

E o clip de metal? Ele ficará aqui na minha mama, sem problema algum para meu organismo. Como vale US$ 600, agora ela está valorizada para sempre e sinalizará o dia em que dei a volta por cima e segui em frente.