quarta-feira, dezembro 26, 2007

Ivone


Engraçado! Embora eu tenha dito que o Natal seria de muitas risadas, na verdade, aqui em casa, foi de muitas lágrimas. Muitas mesmo. Mas lágrimas de emoção, de felicidade. É que estou lendo um livro chamado "Aprendi com minha mãe", da Cristina Ramalho, da editora Versar, que a minha amiga Eli me emprestou. E resolvi escrever uma cartinha para a minha mãe, como se fosse um capítulo desse livro. Aliás, a idéia é da própria editora. Se você quiser fazer o mesmo, ainda que não conheça o livro, pode clicar aqui e escrever a sua.


Como este foi o primeiro Natal da Helena e o primeiro Natal que a Rafaela (mãe da Helena) passa longe da mãe dela, a choradeira foi geral.


Por isso, eu acho que a gente tem que aproveitar a oportunidade (quem ainda tem a mãe viva) para dizer tudo aquilo que mora dentro da gente, mas que fica sufocado pelo dia a dia, pela pressa em fazer tudo cada vez mais rápido. Depois que a nossa mãe parte, ainda dá para dizer as coisas, mas ao vivo e em cores é bem melhor. Até parece Dia das Mães!! Mas esse foi o clima do meu Natal.


Quer ver como ficou a minha cartinha? Então senta, que lá vem história. (Desculpe meus errinhos estilísticos, mas é tudo culpa da emoção...)


Querida mamãe

Estamos abraçadas, sentadas no degrau do abrigo do carro, na frente da minha casa. Sorrimos, as duas. Afinal, acabamos de fazer as pazes. Minha mãe, quando sorri, mostra uma linda covinha na bochecha, o que dá um charme adicional a essa jovem vaidosa e delicada. Eu, ali grudada no pescoço dela, me sinto segura, reconfortada, feliz. Inocente, não tenho a mínima idéia de como vai ser a minha vida. Mas, naquele instante, tudo o que preciso saber é que, por mais que eu tenha mania de ficar emburrada, assim como o meu pai, minha mãe sempre estará ali, ao meu lado, pronta para me abraçar, me perdoar, por mais que eu tenha magoado o seu coração com minhas atitudes infantis.

Minha mãe. Doce, calma, tranqüila, aquela que termina de almoçar por último, porque come devagar, mastigando tudo muito bem mastigadinho. Minha mãe, moça vaidosa, que não sai de casa de chinelo e nem sem o seu batonzinho, nem que seja para ir só até a padaria na esquina. Minha doce mãe, que me ama incondicionalmente, ainda que fique meio chateada se eu deixo de telefonar algum dia para ela. Minha mãezinha que pensa que é uma pessoa frágil, mas que sempre me deu o exemplo do trabalho, dentro e fora de casa, sempre me deu o exemplo da dedicação, da boa vontade, da simpatia, da amizade e da força. Mocinha nova, que deixou de trabalhar fora quando se casou, pois o marido pediu e naqueles idos tempos dos anos 50, não era muito comum mulheres trabalharem fora.

Minha mãe, que se esforçava em fazer tudo direitinho, ainda que para minha avó paterna nada estivesse tão bom. Minha avó Flora, muito dominadora e exigente, assustava a menina que acabara de se casar e que nunca conseguia fazer as coisas do jeito “certo”, como faziam as mulheres da família, aquelas sim, sabiam fazer isso ou aquilo, uma ou outra comida, muito melhor do que aquela mocinha bonitinha, mas bobinha. Nem assim, minha mãe nunca discutia com ela. Minha mãe sempre me ensinou a respeitar os mais velhos. E não me ensinou só com palavras, mas principalmente com o seu exemplo.

Mais tarde, começou a trabalhar como “sacoleira”. Íamos as duas ao Bom Retiro, onde, com seu jeitinho cativante, minha mãe fazia amizade com as vendedoras (algumas duram até hoje) e comprava roupas em consignação para vender às amigas. E eu sempre ia com ela. Mas para mim, ela não comprava as roupas ali. Eu só queria roupas do Shopping Iguatemi, e lá ia ela, com o dinheirinho ganho a duras penas, comprar o que eu queria nas lojas mais bacanas do shopping. Ainda assim, ela sempre me dava conselhos sobre economizar, sobre gastar o dinheiro com parcimônia, pensar no futuro.

Minha mãe deixava todas as tardes o chinelo do meu pai perto da porta e levava a toalha para ele no banho. Aqueles gestos simples marcaram a minha infância. Ela fez tudo o que estava ao alcance dela para termos uma família, feliz, harmoniosa, equilibrada, feliz. Tudo. Mas as coisas nem sempre são do jeito que a gente gostaria que fossem e um belo dia meu pai anuncia a separação. Foi um choque.

Minha mãe, a mocinha frágil e delicada, ao invés de se deprimir com a situação, como poderia ter acontecido, ao contrário, começa a lutar, de todas as maneiras que ela conhece, para que aquela separação não aconteça. Vou com ela a tudo quanto é seita, religião, adivinhos, cartomantes, “mesa branca”, tudo quanto é religião. Compramos um guarda-roupa grande para o apartamento novo, com um espaço reservado para as roupas do meu pai, caso ele resolva voltar. Mas foi tudo inútil, em vão. Nem assim minha mãe se deixa abater. Volta a estudar, faz o supletivo do segundo grau, encontra novas amizades, começa a namorar.

Minha querida mãe é meu modelo de força, de coragem, de levantar a poeira, dar a volta por cima. Não me lembro de tê-la visto chorando. Começa o curso de estética no Senac e se encontra na profissão. Dedicada, aplicada, adora fazer limpeza de pele. Mas não é só isso. Quer ajudar os outros. Se a pessoa tem algum problema, logo se abre com ela, que dá conselhos, faz massagens, faz de tudo para que a pessoa saia do tratamento de pele sentindo-se bem, não só na aparência, mas também na alma.

Mamãe, que eu chamo de senhora (hábito que vem do interior, influência da minha avó), sempre esteve comigo em todos os momentos. As coisas mudaram um pouco depois que se fortaleceu o relacionamento dela com o segundo marido, o Nelson. Uma viagem “inadiável” a tirou de perto de mim quando meu filho nasceu. Para mim, foi muito duro não poder contar com ela naquele momento da minha vida. E ainda assim, eu a chamava, quando vinham as dores do parto. Ela chegou no dia seguinte, mas eu estava ferida no meu orgulho, no meu amor próprio e levei vários anos para perdoá-la por essa ausência. Hoje, porém, enxergo tudo com muito mais clareza. Vejo que ela mesma nunca se perdoou por não ter estado comigo naquele instante. Eu, que sempre fui muito dependente dela, precisei me virar, e até a sua ausência fez bem para mim, por mais estranho que pareça e por mais difícil e demorado que tenha sido compreender isso.

Mamãe, eu quero dizer que te amo, profunda e reconhecidamente, e que agradeço por todos os momentos que pudemos permanecer unidas, coladas, agarradinhas, assim como naquela foto. Quero dizer que te agradeço pelos seus exemplos de vida, durante toda a sua vida. Quero te dizer que espero ser perdoada pelas minhas criancices, pelo meu egoísmo de filha única, mimada. Quero te dizer que estou muito feliz por tê-la a meu lado hoje e que agradeço a Deus nas minhas orações pelo seu exemplo de fé, de coragem, de renúncia, de dedicação, de trabalho, de caráter, de respeito, de atitude, de amor.

Se eu pudesse fazer um pedido ao Universo, eu queria que fosse aprender a retribuir o que a minha mãe tem feito por mim durante esses anos todos (quase 50). Hoje também sou mãe, sou avó, mas nunca fui uma aluna muito aplicada, com relação às lições que minha mãe me ensinou. Ainda bem que ela ainda está ao meu lado e, quem sabe, eu ainda tenha mais uma chance. Sei que, se depender dela, eu terei todas as chances do mundo.

Mamãe, querida, amada, adorada, muito obrigada por tudo, por me dar a VIDA, por estar ao meu lado sempre que eu preciso. Por me dar seu colo, seu carinho, seu abraço, sua atenção. Obrigada por existir, por me dar sempre mais uma chance de acertar. Obrigada pelo seu amor incondicional, por me perdoar sete vezes setecentas vezes. Obrigada por tudo.


sexta-feira, dezembro 21, 2007

Feliz Natal!!!

Let´s dance!

Sei que já tá meio batido o elfo dançando.
Mas é engraçado.
E a idéia é dar risada nesse Natal.
E que o bom humor continue em 2008.
Quer ver a minha família dançando??
Tá aqui, ó:
http://www.elfyourself.com/?id=1647680071

Enjoy!!

Até 2008!

sábado, dezembro 15, 2007

Festa sem aniversariante? Como assim?


Eu fiz sim as flores de papel crepom gigantes. E o pessoal do crepe veio sim e estava tudo uma delícia, sim.

Fui trabalhar na sexta na maior ansiedade. Até então, eu tinha certeza absoluta de que tudo daria certo. Massss..... a vida é uma caixinha de surpresas, né?

Minha aniversariante amanheceu na sexta com dor de garganta e queixosa.

- É ansiedade, por causa da festa. Espirra aquele spray de própolis com gengibre que é tiro-e-queda. Hoje à noite vc fica boa.

Ledo engano!

Ela não só não ficou boa como piorou, piorou, PIOROU!! As amigas chegando e ela prostrada no sofá, até que começou a tremer o queixo, de tanta febre. Eu fiquei mesmo muito, MUITO chateada com a situação. Acho que não me lembro de ter chorado tanto como nessas últimas 24 horas. O pai a levou pro hospital e ela precisou ficar umas duas horas tomando soro, coisa que nunca tinha acontecido antes. Enquanto isso, a festa das meninas rolava solta.

Fiz discurso: avisei que ela ia demorar pra chegar, mas como era uma "festa do pijama" as meninas estariam aqui quando ela voltasse. Daí cantáríamos parabéns, ela sopraria a velinha e faria o seu pedido, etc. Ainda estava eu a traçar os acontecimentos, de acordo com a MINHA vontade. Mas ela voltou, e não conseguiu ficar mais do que dois minutos ali com as amigas, que a liberaram p/ ir dormir.

Ela deitou na cama. Mal sabia eu que ia demorar um tempo muito maior do que eu gostaria antes que ela se levantasse de novo...

Parênteses: o Hospital

O Guilherme contou que gostou muito do médico que a atendeu no Pronto Socorro São Luiz do Morumbi. Um senhor muito simpático, que logo ficou sabendo que ela não morre de amores pelo seu atual pediatra... Ele prescreveu o soro, e receitou outro antibiótico que não o Amoxil. Afinal, há um mês ela tomou o Amoxil, pelo mesmo motivo: garganta.

Ficaram sabendo que era dia do aniversário dela e que ela pretende fazer Medicina. Pronto! Foi o que bastou para que todos viessem falar com ela, paparicá-la, enquanto ela ficava ali, tomando o tal do soro.

Fecha parênteses.

As meninas passaram a noite acordadas, dando risada, vendo filme de terror, gritando, fazendo algazarra, tocando flauta, felizes, uma verdadeira festa! Mas a dona da festa não estava lá. Ela nem comeu os deliciosos crepes de sete sabores diferentes, acompanhados de saladas de dois tipos diferentes e nenhum dos 5 sabores de crepes doces, acompanhados de sorvete de creme e/ou calda de chocolate. O pessoal do crepe ficou penalizado e fizeram uns dez crepes doces p/ eu guardar p/ ela comer depois.

O dia amanheceu e eu montei um caprichado café da manhã pra galera: geléias, pão francês fresquinho, leite integral e desnatado, panetone, achocolatado, café, mel, manteiga, margarina, aquela xicronas, colherinhas, acho que não esqueci nenhum detalhe. Elas vinham em levas e voltavam lá pra baixo.

E a Marjorie continuava na cama, totalmente febril, sem querer levantar pra nada.

As amigas começaram a ir embora, sozinhas ou em duplas.

Tinha amiga da escola atual, da escola antiga, do clube, amiga de amiga. Um verdadeiro "Clube da Luluzinha". Algumas perguntavam como ela estava. Outras estavam tão à vontade que mal se lembravam da amiga doente (pensei eu, no meu papel de mãe sensível).

Para todo pai/mãe que chegava eu contava a mesma história, sem esquecer de dizer que esperava que a doença ficasse em 2007. Que este ano enterrasse com ele toda e qualquer doença. E lembrei ainda de um outro aniversário dela que teve que ser cancelado, porque a aniversariante pegou catapora!!

Falei pra ela que gostaria que existisse a possibilidade de ficar doente no lugar dela, para que ela pudesse ter aproveitado a sua festa de 15 anos. Acho que toda mãe que tivesse essa possibilidade faria isso por um filho/a. Chorei mais uma vez.

As últimas quatro amigas foram embora, não sem antes comerem macarrão de vários tipos que servi de almoço umas 16hs da tarde... Chegaram o Tom e a Rafa. A Helena e a Fabi (babá) já tinham chegado antes, com o Guilherme, que tinha ido devolver a Montana que pegou emprestado dos dois, para ir buscar as mesas e cadeiras do trabalho dele, pois todos os lugares que alugam mesas e cadeiras estavam sem nada para este fim de semana.

O Tom, depois de dar para a irmã um lindo ramalhete de flores perfumadas, leu em voz alta a cartinha que escreveu para ela. Choramos, todos. Depois foi a vez da Rafa. Ela fez um quadro com fotos delas duas, scrapbooking sabe?, emoldurado, com uma flor vermelha no meio. Choramos tudo de novo. E depois fui ler a minha. Mas não deu... A Rafa fez isso por mim e chorei mais uma vez. Foi a maior choradeira da paróquia. Espero que as lágrimas também fiquem aqui em 2007.

Mas agora no fim do dia ela deu uma melhoradinha, começou a conseguir engolir goles maiores de Gatorade. O médico recomendou que ela tomasse qualquer líquido, de 10 em 10 minutos, sem qualquer tipo de negociação.

Resumo: eu estou podre de cansada. Ela dorme ao lado do pai, que estendeu um colchão do lado da cama dela. E sabe quem tá aqui? A Helena e a Fabi (babá). Porque amanhã (16) é aniversário de casamento dos seus pais (o Tom e a Rafa) e eles saíram pra comemorar.

Essa é a minha família, nossos altos e baixos, nossos momentos felizes e muito tristes.

Esse foi, sem dúvida nenhuma, um dos mais inusitados aniversários de 15 anos de todos os tempos. Ou não foi??

Já decidi: festas pra minha filhinha, daqui pra frente, só as de desaniversário!


terça-feira, dezembro 11, 2007

Fotolog, etc. etc. etc.

Já viu meu fotolog?

Tá certo que uma pessoa com dois blogs, um fotolog, um emprego full time (e um "bico" por fora), dois filhos, uma neta e uma nora, um marido pouco familiarizado com a tecnologia, uma mãe que fica "magoada" se eu não ligo todos os dias, uma casa de quatro andares, uma empregada não muito lá essas coisas, além de um trabalho voluntário todas as manhãs de sábado, tem pouco tempo pra cuidar de tudo direito.

Mas, como boa geminiana, tento manter tudo funcionando, ainda que não seja assim uma Brastemp.

Por isso, preciso ser muito seletiva com o meu tempo. Mas como escrever está no sangue, na alma, na ponta dos dedos, no estômago e no coração, não tem jeito. Volta e meia dou um jeitinho de passar por aqui ou pelo Efeito Pimenta, dependendo do assunto. Mas o fotolog fica lá meio esquecidinho. Pra quem não sabe, Schibik é meu sobrenome de "casada". Brinco que somos a família "xilique", na verdade.

Ah!! A festa da Biba vai ser muito legal. Hoje preciso providenciar flores gigantes de papel crepom. Será que consigo?? Agora pergunta se já montei a árvore de Natal... Ainda não!! Presentes de Natal, então, só comprei o da minha mãe. E vamo que vamo.

quinta-feira, dezembro 06, 2007

Pelo celular


A Biba me passou o ringtone por bluetooth e no meu celular toca essa música Put Your Records On, tão lindinha. Da fofa Corinne Bailey Rae.


Three little birds, sat on my window.
And they told me I don't need to worry.
Summer came like cinnamon
So sweet,
Little girls double-dutch on the concrete.
Maybe sometimes, we've got it wrong, but it's alright
The more things seem to change, the more they stay the same
Oh, don't you hesitate.
Girl, put your records on, tell me your favourite song
You go ahead, let your hair down
Sapphire and faded jeans,
I hope you get your dreams,
Just go ahead, let your hair down.
You're gonna find yourself somewhere, somehow.
Blue as the sky, sunburnt and lonely,
Sipping tea in the bar by the roadside,
(just relax, just relax)
Don't you let those other boys fool you,
Got to love that afro hair do.
Maybe sometimes, we feel afraid, but it's alright
The more you stay the same, the more they seem to change.
Don't you think it's strange?
Girl, put your records on, tell me your favourite song
You go ahead, let your hair down
Sapphire and faded jeans,
I hope you get your dreams,
Just go ahead, let your hair down.
You're gonna find yourself somewhere, somehow.
'Twas more than I could take, pity for pity's sake
Some nights kept me awake,
I thought that I was stronger
When you gonna realise, that you don't even have to try any longer?
Do what you want to.
Girl, put your records on, tell me your favourite song
You go ahead, let your hair down
Sapphire and faded jeans, I hope you get your dreams,
Just go ahead, let your hair down.
Girl, put your records on, tell me your favourite song
You go ahead, let your hair down
Sapphire and faded jeans,
I hope you get your dreams,
Just go ahead, let your hair down.
Oh, you're gonna find yourself somewhere, somehow


Adolescentes adoram fotos. Minha filha é uma delas, ela tira zilhões de fotos dela mesma. Acho que a tecnologia contribui para que a garotada de hoje pratique aquela máxima "Conheça-te a ti mesmo". A adolescência é uma fase de mudanças rápidas no corpo, no comportamento, nos valores. Os jovens ficam meio perdidos em meio a tantas mudanças, a conquista gradativa da liberdade de ir e vir, de decidir o que vão ser quando crescerem.

É uma fase linda!! Pena que existam tantos preconceitos e mitos em torno dessa fase, em que eles ficam mais agressivos, mais inconstantes, mais sensíveis, é uma fase de extremos.

Os pais precisam ser muito mais compreensivos e carinhosos do que o "normal" para que eles se sintam amados, incondicionalmente, indenpendente das atitudes destemperadas que eles possam vir a ter.

Bom, é isso que eu acho.

E falo tudo isso por causa da minha linda e fofa filhinha adorada do meu coração, que vai fazer 15 anos no dia 15. (Vai ter festa do pijama só de meninas, não é o máximo??)

Ela está passando por tudo isso. E eu estou do lado dela pra o que der o vier. E ainda bem que a gente tem mais uma pessoa bem disponível para ouvi-la nessa fase, que é a Rafa!

terça-feira, dezembro 04, 2007

Lista de Modificadores de Humor

Uma coisa que não dá certo é ficar triste ou de mau humor durante muito tempo. Durante um tempo curtinho acho impossível – humanamente falando – a gente não se deixar abater. Mas tem uns segredinhos, umas dicas muito boas, práticas e fáceis de usar, que podem ajudar a mudar isso. A partir do momento em que a gente sabe que semelhante atrai semelhante, e que a coisa toda envolve não apenas “pensamento” mas também “sentimento” - o sentimento funciona como um detector de como a gente tá pensando naquele momento -, a gente tem obrigação de estar bem. Se todos fizessem disso uma prática cotidiana, acredito que o mundo seria um lugar melhor de se viver. E como tem a Helena e eu quero que ela viva em um mundo mais justo e mais feliz, resolvi fazer este post, como minha modesta colaboração.

Bom, a lista varia, obviamente, de pessoa para pessoa.

Quer ver a minha?

1) Escrever uma poesia e depositar ali aquela emoção negativa, e, assim, livrar-se dela (tem a ver com “alquimia”). Aplica-se a outras obras de arte, também.
2) Fechar os olhos, concentrar-se em sentimentos bons e sorrir por um minuto (ainda que no começo seja um riso forçado)
3) Ouvir música e, de preferência, também dançar.
4) Cantar bem alto, a plenos pulmões (sem pensar nos vizinhos...)
5) Pensar em um bebê, ou observar, se tiver oportunidade. (animal de estimação também vale)
6) Se você está triste por causa de um acontecimento infeliz envolvendo outras pessoas, lembrar de um momento feliz, com as mesmas pessoas, para anular aquela energia.
7) Se o seu dia não foi dos melhores – e sabemos que os há – refaça mentalmente os acontecimentos chatos, do jeito que você gostaria que tivessem sido.
8) Pensar em um acontecimento futuro feliz.
9) Lembrar de um momento divertido, com todos os detalhes.
10) Abrir um desses livros ao acaso e ler o que diz lá: Minutos de Sabedoria, O Evangelho Segundo o Espiritismo, a Bíblia ou O Segredo.
11) Rezar, com fé, para um santo da sua devoção, ou diretamente para a “diretoria” do nosso planeta.

Sei, por experiência própria, que uma ou mais dessas atitudes são poderosas e podem mudar o seu ânimo rapidamente. Experimenta e me conta, tá??

quarta-feira, novembro 28, 2007

Drogas - capítulo 2

A Jacque é enfermeira, e fala com conhecimento de causa. Ela fez um comentário que merece um novo post. Porque eu só comecei a falar nesse assunto. Espero, de verdade, contribuir para que os pais conversem mais com os filhos sobre o assunto (ou vice-versa).
Por que não??

Este aqui é o capítulo 2:

O uso de drogas virou uma pandemia. Não há como negar que ele ultrapassou a barreira do social e do econômico para atingir o da Saúde Pública. Cada vez mais jovens entram nessa fria, morrem em decorrência do uso de drogas e álcool - seja de overdose, seja baleado por não pagar a dívida com o traficante, seja baleado por invadir o ponto de venda de droga do outro, seja por acidente de carro ou moto por imprudência (com as drogas todos são invencíveis, inatingíveis e poderosos) seja por infarto (já que dependendo da droga ela acelera e muito os batimentos cardíacos - e quem tem arritmias ou outro problema e não sabe... bau, bau). O que mais me impressiona é a maneira como os pais lidam com isso: ou não se fazem presentes no dia-a-dia dos filhos, tratando-os como se ainda tivessem 7 anos de idade (são bonzinhos, freqüentam a escola diariamente, fazem o dever de casa, recebem a mesada para só comprar merenda e chicletes; ou então tentam suprir toda a sua ausência dando carros, motos, computador, aparelhos de som, celular de última geração, roupas de marcas, viagens e etc - e numa dessas, o filhinho ou filhinha partiu dessa pra melhor ou foi preso por tráfico!

Minha irmã estava conversando com um amigo no clube e ele disse que comprou um Audi pro filho de 19 anos! Ela disse a ele: "mas quem merecia ter um Audi é vc, que trabalhou duro pra ter o dinheiro que tem; seu filho tem só 19 anos - ele vai acabar com o carro, vai bater pega e etc. Primeiro carro pro filho de 19 anos tem que ser um Uno Mille OU um Pálio, e olhe lá! Melhor mesmo seria ele trabalhar e vc ajudá-lo a comprar um carro - ele tem que fazer uma parte para dar valor ao que conseguiu". Sabe o que o cara respondeu? "Eu sei, e vc tem razão, mas fico com dó dele! Não quero que ele rale o que eu ralei pra conseguir ter as coisas. Quero dar a ele tudo o que eu queria ter na idade dele e não pude!" - É MOLE, SILVIA? Por isso que os jovens das classe mais favorecidas não têm limites! Eles têm absolutamente tudo - não precisam lutar pra ter nada. Por isso se envolvem com o tráfico - no tráfico eles têm que lutar contra a polícia e contra os outros traficantes!

Nooooossa! Escrevi uma tese! rsrsrsrsrs!

Espero que alguns pais leiam seu post!

Beijos.

Jacque

terça-feira, novembro 27, 2007

Os jovens e as drogas

Algo me diz que preciso colocar aqui no blog umas informações sobre drogas.
A questão é que as drogas TÊM sim um lado positivo.
E não tem como combater a influência negativa delas, ignorando esse fato.
Bom, pra começar, vou colar um texto aqui sobre o assunto, que eu peguei no site da Seara Bendita.

Neste link aqui tem muito mais informação, se for o caso.

As Drogas
As drogas estão mais próximas e acessíveis, mas os jovens se mostram mais esclarecidos quanto aos efeitos negativos do uso de tóxicos, classificando o usuário como alguém preguiçoso, chato e sem futuro. Essas são algumas das revelações da recente pesquisa encomendada ao Ibope pela Associação Parceria Contra Drogas, em comemoração do primeiro ano de campanha na mídia.

Nesta segunda rodada da pesquisa - a primeira aconteceu em abril de 96, antes do início da campanha "Drogas nem morto", foram ouvidas 700 pessoas, entre 9 e 21 anos, residentes em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Salvador e Campo Grande. O objetivo do estudo é orientar as próximas ações da APCD e avaliar o que foi feito até agora. De acordo com os dados coletados, tudo indica que a Parceria está no caminho certo. As campanhas tiveram alto índice de aceitação: dos 84% de entrevistados que declararam ter visto alguma propaganda de prevenção ao uso de drogas, 44% lembram-se de mensagens da Parceria.

A pesquisa indicou um aumento significativo no grau de exposição às drogas na faixa dos 9 aos 12 anos, com um aumento de 6 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior. E a ausência do assunto "drogas" na família também apareceu na pesquisa. 29% dos jovens declararam que ainda não mantêm diálogo sobre drogas com os pais. A expectativa do presidente da APCD, Paulo Heise, é de que esse número caia: "Os comerciais da campanha podem servir também como pretexto para a conversa entre pais e filhos que estão na mesma sala assistindo à televisão; um comentário sobre o filme pode quebrar a barreira e indicar o início de um papo informal, mas que ainda é tabu nas famílias brasileiras."

sexta-feira, novembro 23, 2007

Um desejo no lugar errado


Olha só que erro: botei na minha lista dos desejos que quero escrever um livro por ano, mas na parte da velhice.... Não!! Isso tem que ser agora!! Antes que eu fique velhinha....

E antes que alguém fale qualquer coisa, vou fazer 50 anos no ano que vem, mas estou loooonge de me considerar "velha", no mau sentido da palavra. Sou antes uma criança (na alma), ainda que tenha algumas rugas e alguns (vamos ver quantos) fios de cabelo branco. Todo dia aprendendo coisas novas, de preferência.

(a imagem é daqui)

quinta-feira, novembro 22, 2007

Agradecimentos

Oi, Universo,

Não é justo eu chegar aqui e ficar pedindo, pedindo, só.
Na verdade, de acordo com O Segredo, fiz as coisas na ordem inversa. Primeiro, eu deveria ter agradecido. Aprendi já a agradecer todos os dias, todas as coisas maravilhosas que acontecem na minha vida. (Na sua também acontecem, viu?) Quer ver?

Eu tenho que agradecer hoje, por exemplo, pelo lindo céu azul que vi da janela da cozinha enquanto tomava o café da manhã.
Tenho que agradecer até pelo meu travesseiro (adoro meu travesseiro!!) e pelos meus sonhos.
Pelos meus filhos e neta, pelo maridão que me liga "n" vezes por dia (esses telefonemas até chegaram a gerar comentários maldosos, num emprego anterior, sabia?)
Pelo meu pai, minha mãe e seus respectivos pares.
Pelo meu emprego, meus colegas e pelas risadas que damos lá todos os dias.
Pelas viagens que já fiz, pelos sonhos que já realizei (Paris, Londres, Buenos Aires, reveillon no Rio de Janeiro, Nordeste e tantas outras)
A gente tem que agradecer até mesmo pelos nossos "inimigos" que nos desafiam a rever as nossas posições pra ver se as críticas que nos fazem têm fundamento (ou não).
Contei que logo depois que vi O Segredo pela primeira vez achei uma pedra na mala?
Meu pai que fez questão que a gente assistisse ao DVD, quando a gente levou a Helena p/ Caraguá, para ele conhecer a bisnetinha. Eu gostei daquela parte do filme da pedra. E decidi que encontraria uma pedra para simbolizar tudo aquilo que tenho que agradecer que existe de bom na minha vida. Daí sabe o que aconteceu? Quando fui arrumar minha mala e guardar minhas roupas, lá estava ela, a pedra. Ficou no meu criado-mudo, lá bonitinha. Olho para ela todas as manhãs e todas as noites e agradeço.
Não dá pra pôr aqui a lista completa de tudo o que eu tenho pra agradecer... sorry!!

PS.: Faz tempo que ninguém pede uma consultinha sentimental, pra variar... Vou botar o email aqui de novo: sangerami@gmail.com.

terça-feira, novembro 20, 2007

Desejos

A raça humana é assim: por mais feliz que esteja a vida da gente, a gente sempre tem desejos.
Uns secretos, outros que dá pra contar aqui no blog. Se bem que eu acho que não tenho desejos secretos, não....
Bom, mas a verdade é que no dia 2 de março de 2006 eu fiz um post aqui revelando os meus desejos e organizando por área.

Hoje, ponho a lista aqui de novo, com muitos desejos já realizados, de outros eu já desisti, não eram prioridade. E tem desejos novos, é claro.

Com essa história de anteciparem o Natal, eu tb resolvi antecipar os meus desejos.

Além disso, todo dia é dia de formularmos os nossos desejos. E o Universo responde: Your wish is my comand! (pelo menos foi isso que eu aprendi com O Segredo).
Bom, chega de bá-bla-blá.

Lista de desejos
(de 2 de março de 2006, atualizada em 20 de novembro de 2007)
(depois faço a lista dos desejos que sobraram mais os desejos novos.... )

Desejos de aperfeiçoamento profissional
1) Realização profissional
2) Escrever e lançar meu livro (lançamento: dia 18/12, do primeiro de uma série)
3) Conseguir trabalhar em casa e ganhar bem
4) Aprender a lidar com números (tô aprendendo, até comprei uma calculadora)

Desejos materiais
5) Notebook. Pode ser este aqui. (o meu é ainda mais bacana)
6) Ter dinheiro aplicado
7) Nunca mais entrar no cheque especial (meu limite tá bem baixinho)
8) Pagar as contas todas em dia (coloquei tudo em débito automático)
9) Ter um Honda Fit
10) Ir ao cinema uma vez por semana

Desejos estéticos/físicos
11) Ser um pouco mais magra e não engordar nunca mais
12) Usar perfume bom todos os dias (adotei o Humor, da Natura, que ganhei de presente da Carol. Olha a descrição: Borbulhante pela rica explosão de frutas cítricas, com pitadas de gengibre e flor de laranjeira. Fragrância floral fresco para ser usada por homens e mulheres. Uma combinação de óleos essênciais exclusivos da Natura - é mto bom!! =)
13) Ser estilosa p/ me vestir (vou trabalhar de Crocs e levo meus sapatos corporativos, para uma emergência qualquer)
14) Deixar de gostar de doces
15) Andar todas as manhãs

Desejos domésticos
16) Projeto de decoração em casa
17) Varanda no quintal
18) Viver em harmonia em casa (tem sido bom morar na minha casa, preciso agradecer por isso, todos os dias)
19) Ter uma empregada que cozinhe bem e que cuide da gente
20) Ver minha família feliz (também preciso agradecer por isso todos os dias)
21) Ver minha família saudável (idem)
22) Fazer o Guilherme conseguir ajustar o rádio-relógio
23) Receber muitos amigos em casa, sempre
24) Fazer com que o Tom não esqueça as coisas
25) Contribuir, dar força p/ o Tom ser um excelente arquiteto
26) Fazer com que a Biba seja mais cuidadosa (ela tá muito mais cuidadosa e até estudiosa, preciso agradecer por isso tb)
27) Ajudar a Biba a se realizar profissionalmente na carreira que ela escolher
28) Estar presente quando a Biba for ter os filhos dela
29) Ser mais prendada na cozinha

Desejos de ajudar os outros
30) Ajudar pessoas a crescerem profissionalmente (arrumei um emprego p/ uma amiga, e terminou em namoro, acho que fiz uma coisa boa este ano)
31) Trabalhar na Seara ou em outro centro espírita por vários anos seguidos (tô firme lá!!)

Desejos de aperfeiçoamento moral
32) Ser uma sogra legal (acho que a Rafa gosta de mim!! =)
33) Ser uma sogra querida (acho que sim)
34) Parar de ficar nervosa
35) Parar de gritar (quando fico nervosa) - nossa, melhorei bastante!!
36) Parar de roer unhas
37) Parar de implicar com os outros no trânsito - melhorei bastante também!!
38) Deixar de ser indecisa
39) Ser mais paciente em todas as circunstâncias
40) Ter mais humildade
41) Não alimentar ódio nem ressentimento de quem quer que seja (já superei isso)
42) Aprender a perdoar mesmo quando a pessoa não pede perdão
43) Ser mais tolerante
44) Ser mais atenciosa com a minha mãe (lembro de ligar quase todos os dias!!)

Desejos sociais
45) Ser mais simpática ao receber as pessoas aqui em casa
46) Estar sempre disponível para ajudar os amigos
47) Marcar encontros sempre com as minhas amigas

Desejos de viagens
48) Viajar todo ano durante 30 dias
49) Viver alguns anos fora do Brasil
50) Ver neve
51) Conhecer a Toscana
52) Voltar a Seattle, com a família
53) Voltar a Paris, com a família
54) Conhecer Nova Iorque

Desejos para a velhice
55) Ser uma velhinha simpática
56) Ser uma velhinha saudável
57) Curtir todos os meus netinhos (já comecei!! comecei bem, com a Helena!!)
58) Ter uma chácara
59) Escrever um livro por ano
60) Assumir os cabelos brancos e cortá-los curtos (tinta? adeus!! e vamos ver no que vai dar isso)

Outros desejos
61) Ver algumas estrelas cadentes capazes de realizar metade dos meus 61 desejos

segunda-feira, novembro 19, 2007

Prête-moi ta main


Vimos um filme tão bom, mas tão bom nesse feriado, que não quis mais ver nenhum outro, porque certamente não seria tão bom quanto o primeiro. Sabe aquele tipo de filme que faz você rir muito e depois chorar? Eu adoro esse tipo de filme. Em português, ficou "A Noiva Perfeita".

Algumas piadas são até meio bobocas, mas no filme ficam legais. Um filme francês. Só a sonoridade da língua já vale a pena. A gente sai do cinema querendo falar francês fluentemente. L'amour, toujours l'amour... Esse tema é universal e acho que por mais que falemos dele, nunca é suficiente, sempre tem alguma coisa a acrescentar. Afinal, é disso que a humanidade mais precisa, ainda. O filme tem caras desconhecidas, o que também acho fantástico. Pode ser que sejam atores conhecidos na França, mas eu pelo menos não conhecia nenhum deles. O que é outro ponto positivo, na minha avaliação.

Outra coisa bem legal foi ir ao Belas Artes. A gente fica tão acomodado aqui em Sampa a ir sempre nos mesmos lugares (leia-se Shopping Villa Lobos), que é superbom quando a gente consegue quebrar a rotina e ir a um lugar diferente. De quebra, o Belas Artes nos lembra a época em que começamos a namorar. Nossa, quanto tempo, isso...

Eu adoro finais felizes. Adoro. Já que a gente tá ali pra se divertir, que seja possível sair com a alma leve. Deixa a "realidade" aqui pra fora! Se bem que há vários tipos de realidades. E quem poderá dizer que aquela não é também uma realidade? Então...

Esse filme faz parte de um festival de filmes franceses. No link tem trailers desse e dos outros filmes do festival.

quarta-feira, novembro 14, 2007

Mais uma coisinha da Helena

Não sei se já postei isso aqui (como toda vovó, ando meio gagá) mas é tão engraçado quando saímos com a Helena sem o Tom e a Rafa!!
Porque eu sou velha demais pra ser mãe e a Biba é nova demais.
Então, as pessoas ficam intrigadas quando vêem a gente empurrando o carrinho, e a gente vê isso na cara delas.
Nesse fim de semana passado, então, que tava junto com a gente a Fabi (a babá) ficou mais engraçada ainda a situação.
Eu queria ter uma camiseta assim: "Sou a vovó" e a Biba outra "Sou a tia". Aí ninguém ia ficar pensando coisas.
Hahaha!!
Bom feriado!!

segunda-feira, novembro 12, 2007

Carta para Helena 3


Minha querida e fofa Helena,

Este fim de semana seus pais trabalharam que nem uns doidos no Boteco Bohemia. E você ficou aqui em casa com a Fabi (a sua babá). Você completou seis meses no dia 7, na semana passada.

Você está a coisa mais linda, fofa, esperta, já se vira pra lá e pra cá e pelo jeito daqui a pouco tá gatinhando. Sua vovó Nádia foi viajar e ela deve morrer de saudades de você, lá tão longe.

Seu quarto, aqui em casa está bagunçado porque o marceneiro ainda não veio montar o armário embutido. Esse armário já esteve no quarto do seu pai, no apê onde a gente morava. Depois veio aqui pro seu quarto, quando ele ainda era o quarto da sua tia e este ano foi pra casinha da vila onde você e seus pais moravam. Agora que eles mudaram de casa, ele voltou pra cá, mas ainda tá desmontado empilhado lá no quarto.

Eles mudaram porque sua outra vovó decidiu ir pros EUA. E ela foi... E deixou de "presente" pra você e seus pais o apê da França Pinto, onde vocês estão muito bem instalados. E como seus pais trabalham em horários bem malucos, lá no Portella, eles precisaram contratar a Fabi, sua babá.

Eu sei dizer, Helena, que você fez uma verdadeira revolução na vida dos seus pais, que estão lutando bastante pra te dar uma vida boa. Até o petisco que concorreu ao Boteco Bohemia foi inspirado no seu nome: Delícia de Lelê. Mas infelizmente eles não ganharam... Agora, quem quiser experimentar, o famoso quitute continua no cardápio do Portella. É um bolinho de carne de siri com queijo coalho... hummm, uma delícia.

Tá vendo como um bebê é uma das coisas mais poderosas do mundo, na sua aparente fragilidade? Você já come papinha, frutas e sucos. Mas gosta mesmo é de uma boa mamadeira.

Ah, deixa eu te contar uma coisa, pra você dar risada: na hora do seu banho, eu enchi a banheirinha e a Fabi foi ver se a temperatura da água tava boa. Nisso, sabe o que você aprontou? Fez um xixizão em cima de nós 3: Fabi, sua tia Biba e eu! Que danadinha!!

E preciso te confessar uma coisa de vó. Sabe, a gente tem uma tendência a achar que sabemos as coisas mais do que os seus pais (e de fato sabemos, fazer o que?). Parece que tem a ver com o "arquétipo" do papel de vó, que se repete, repete, repete... Só que nós, vovós, precisamos nos controlar, porque agora é a vez dos seus pais cuidarem de você. Eles sabem o que é melhor pra vc e, ainda que cometam alguns errinhos, do nosso ponto de vista, tudo acaba bem no final.

Você veio e criou uma família maravilhosa. Seu pai é desligadão, mas ele te adora. Sua mãe carrega um bonde por você. E eu... bom, eu nem se fala, né? Você chega e arrebata o meu fim de semana e eu só agradeço por isso.

Eu só quero que você seja sempre, sempre, muito, muito feliz, minha querida.

Mil beijinhos da sua

vovó

quinta-feira, novembro 08, 2007

quarta-feira, novembro 07, 2007

Going gray

Preciso voltar ao tema, sorry pelo repeteco.
Mas é que a minha amiga Pri me perguntou pelo msn se eu tenho muito cabelo branco. Eu não sei! Agora que vamos ver, né??
Os primeiros fiozinhos, tímidos, eu arrancava. Preciso confessar isso. Mas eu ai começar a ficar careca. Então parei.
Morro de medo de pintar o cabelo e de ficar ridícula. Sabe essas velhinhas sem noção? Você olha de costas, pensa que é uma adolescente. Quando ela vira... ui!! que susto. Deus-me-livre-e-guarde de ser assim...
Eu sei que eu atormentava o cabeleireiro do Soho Butantã que pintava os meus cabelinhos... Ele tem uma agenda eletrônica onde anota a coloração das clientes. Eu, na minha santa ingenuidade, achava que a minha "fórmula" não podia mudar nem um centímetro do que tinha dado "certo". Doce ilusão. Acho que ainda tenho vários fios de cabelo escuro.
Prometo ir fazendo meu diário visual aqui. Vamos ver no que vai dar. É como a Paty falou: também, qualquer coisa, se eu estiver me sentindo assim muito velha, o jeito vai ser voltar a apelar para a agendinha do Marcelo, né? Fazer o quê? Mas espero não precisar mais disso.
Obrigada pelos palpites das minhas queridas amigas virtuais Sol (excelente fotógrafa!!!!), Mirella (o blog dela é uma "viagem"!!! eu adoro!!!), Naninha (que abandonou o blog dela, mas não me abandonou, yessss!!!!) e Sandra (que anda sumida pra caramba daqui, snif, snif...). Valeu, mezzzzzmo.

terça-feira, novembro 06, 2007

Vou assumir meus cabelos brancos!!


Gente, eu precisava anunciar minha decisão ao mundo, então vai por aqui mesmo: vou assumir meus cabelos brancos. Isso tá na moda!! Que ótimo. Estou tão aliviada!!

Tem uma escritora linda e verdadeira chamada Anne Kreamer (foto) que escreveu um livro bacanérrimo sobre esse tema, que sempre deixou meus cabelos mais brancos ainda (ainda não li o ivro, mas pretendo ler). Eu sempre fui contra isso de a pessoa querer parecer o que ela de fato não é. Mas sabe como é, toda aquela pressão social... E fui cedendo a ela. Já passei tonalizante várias e várias vezes. Muitas a mais do que eu gostaria. Todo mundo diz que ficou ótimo e tal.

Mas aquela Silvia de cabelos castanhos escuros nunca mais vai voltar a existir, não adianta disfarçar ou tentar fazer o relógio do tempo brecar. O fato é que completarei 50 anos no dia 6 de junho de 2008. Uma pessoa de 50 anos costuma ter cabelos brancos, misturados aos escuros. E a sua cabeça vai gradativamente sendo iluminada... Pra quê lutar contra a Natureza? Já está mais do que provado que não dá certo lutar contra a Natureza. Se a gente acha bonito um homem de cabelo grisalho, charmoso, etc. por que tenho que aceitar a ditadura da tintura??

Olha quanta gente também assumiu, aqui neste link.

Tô nessa. Até já avisei aqui no escritório e todo mundo me achou corajosa. E você, o que acha da minha decisão??

segunda-feira, novembro 05, 2007

Lusco-fusco

foto: Marjorie

Sabe aquele momento do dia em que todas as nuvens no céu ficam coloridas, quando o dia ainda não foi embora e a noite também não chegou?

A gente tentou captar o fim de tarde ontem em SP. Obviamente que a foto não chega nem aos pés da beleza da natureza em 360 graus. Mas dá uma idéia.

Esses momentos sempre são emocionantes pra mim. Sempre penso em tudo de bom que tem na minha vida e em tudo de bom que ainda virá. É um ponto de conexão da criatura com o Criador, um momento mágico e místico.

Que esse fim de tarde seja inspirador durante toda essa semana para mim e para você também.

Boa semana!!

terça-feira, outubro 30, 2007

O que é normose?

Outro dia falei em permacultura. Hoje em normose. O Consulta também é cultura!!

O texto, eu recebi da minha colega de trabalho, a Irene, (que também recebeu por e-mail - não sabemos a autoria, sorry!!). Ela ficou tão impressionada que até mudou o nick dela no MSN!! E achei que esse texto tem muito a ver com o Consulta. Só não posso assinar embaixo da frase que deixei em itálico. Mas não sou fanática....

NORMOSE
Lendo uma entrevista do professor Hermógenes, 86 anos, considerado o fundador da ioga no Brasil, ouvi uma palavra inventada por ele que me pareceu muito procedente: ele disse que o ser humano está sofrendo de normose, a doença de ser normal. Todo mundo quer se encaixar num padrão. Só que o padrão propagado não é exatamente fácil de alcançar. O sujeito "normal" é magro, alegre, belo, sociável, e bem-sucedido. Quem não se "normaliza" acaba adoecendo. A angústia de não ser o que os outros esperam de nós gera bulimias, depressões, síndromes do pânico e outras manifestações de não-enquadramento.

A pergunta a ser feita é: quem espera o que de nós? Quem são esses ditadores de comportamento a quem estamos outorgando tanto poder sobre nossas vidas? Eles não existem. Nenhum João, Zé ou Ana bate à sua porta exigindo que você seja assim ou assado. Quem nos exige é uma coletividade abstrata que ganha "presença" por intermédio de modelos de comportamento amplamente divulgados. Só que não existe lei que obrigue você a ser do mesmo jeito que todos, sejam lá quem forem todos.

Melhor se preocupar em ser você mesmo. A normose não é brincadeira. Ela estimula a inveja, a auto-depreciação e a ânsia de querer o que não se precisa. Você precisa de quantos pares de sapato? Comparecer a quantas festas por mês? Pesar quantos quilos até o verão chegar? Não é necessário fazer curso de nada para aprender a se desapegar de exigências fictícias. Um pouco de auto-estima basta.

Pense nas pessoas que você mais admira: não são as que seguem todas as regras bovinamente, e sim aquelas que desenvolveram personalidade própria e arcaram com os riscos de viver uma vida a seu modo. Criaram o seu "normal" e jogaram fora a fórmula, não patentearam, não passaram adiante. O normal de cada um tem que ser original.

Não adianta querer tomar para si as ilusões e desejos dos outros. É fraude. E uma vida fraudulenta faz sofrer demais. Eu não sou filiada, seguidora, fiel, ou discípula de nenhuma religião ou crença, mas simpatizo cada vez mais com quem nos ajuda a remover obstáculos mentais e emocionais, e a viver de forma mais íntegra, simples e sincera. Por isso divulgo o alerta: a normose está doutrinando erradamente muitos homens e mulheres que poderiam se quisessem ser bem mais autênticos e felizes.

E VOCÊ, O QUE ACHA DA NORMOSE??

domingo, outubro 28, 2007

Geni

Quem já ouviu falar nela?? (não sei se o link vai funcionar, pq recebi um convite, é aquela coisa...
Bom, mas sei que eu e minha mãe nos divertimos hj durante pelo menos umas duas horas navegando pelas pessoas da nossa família. Continua a ego trip, aquela coisa de flash back, de lembrar das coisas do passado. Acho que isso se chama crise dos 50.

Well, eu sei que poucas pessoas que me lêem estão nessa faixa etária, mas fazer o quê? Blog é assim mesmo. É o meu espaço e eu preciso escrever aqui só o que me toca o coração. Peço paciência aos mais novos.

Ou, quem sabe, quando estiverem nessa idade se lembrem de mim:

-Ah, bem que a Silvia falava dessa fase naquele blog dela, como chamava mesmo??...

Só sei dizer que a idade é algo implacável. Ou melhor, ´como diz aquela música do paralamas: "O trem da juventude é veloz, quando foi olhar já passou..."

sexta-feira, outubro 26, 2007

Permacultura

Já ouviu falar? A Suzana está nessa. Ela foi minha vizinha nos anos 80. E agora tá lá. Ainda preciso aprender melhor sobre como funciona. Mas é tão bom saber que algumas pessoas conseguem se libertar dos condicionamentos urbanos e conseguem encontrar outras formas de viver a vida! Mais saudáveis, mais em contato com a natureza... que delícia!! Quem me dera.

quinta-feira, outubro 25, 2007

Meu bisavô

Consegui!!
Olha só que bonitão e elegante era o meu bisavô Leonardo.
E vc viu o colar todo fashion da minha bisavó?
Já pensou como eles foram corajosos?
Abandonar a Itália e vir para o Brasil tentar a sorte, em uma época em que a viagem de navio levava meses, em que nem telefone havia para se comunicar com os parentes que ficavam... E eles já tinham uma filhinha, a Hipólita, depois ponho a foto dela aqui.
Foi muita coragem e eu me sinto muito orgulhosa por ter tido parentes assim tão corajosos.

E a história se repete. Imagine que sábado agora a outra avó da Helena viaja de mudança pros EUA. Detalhe: sem falar inglês.
Mas quem disse que meus bisavós falavam português quando aportaram por aqui?
Que todos sejam felizes com as suas escolhas e com os caminhos que a vida nos leva a tomar!!

Ingrid, eu preciso pesquisar mais sobre a história deles. Estou planejando uma viagem a Mococa com o meu pai, um verdadeiro túnel do tempo. Meu pai mora em Caraguá. Não será tão simples...

Nana, que bom, que ótimo que tá tudo bem com vc, querida. Mas quero mais informações. Te mandei email. Bjs!

Flash back


Sabe quando tem flash back nos filmes? Minha vida hj tá parecendo um desses flash backs.
Sonhei com a escola de freiras onde estudei durante 11 anos (dos 6 aos 17 anos) e recebi do meu pai as fotos dos meus bisavós, que vieram da Itália pra cá, pra "fazer América". São eles: Leonardo Angerami e Teresa Rinaldi Angerami. Não são fofos?? É muita emoção.
Merece um post.
UPDATE:
Só que não consegui subir a foto do meu bisavô.
Isso nunca tinha acontecido antes....
Deu um erro:
Não foi possível concluir sua solicitação.
Ao relatar esse erro ao Suporte do Blogger ou ao Grupo de Ajuda do Blogger:
Descreva o que você estava fazendo quando recebeu este erro.
Forneça o código de erro e as informações adicionais a seguir.
bX-i54acw
Informações adicionais
blogID: 6009741host: www.blogger.comuri: /upload-image.g
Estas informações vão nos ajudar a rastrear seu problema específico e a corrigi-lo. Pedimos desculpas pelo transtorno.
UPDATE 2
E quem diz que acho o email do Suporte do Blogger para relatar o ocorrido??
Humpft...

quarta-feira, outubro 24, 2007

Da série "Curiosidades Inúteis"

Fiquei curiosa pra saber como se escreve meu nome em chinês e no Google descobri este site:

... e em japonês também, no dialeto katakana (será verdade? com esse nome??):

segunda-feira, outubro 15, 2007

Polêmica: terapia x ajuda espiritual

Hoje, quando tava tomando banho, surgiu a idéia desse post. A água faz fluirem os pensamentos. Sempre tenho idéias quando tô tomando banho ou lavando a louça. Engraçado, mas isso é assunto pra outro post. O que quero falar aqui é sobre terapia x ajuda espiritual. Não sei se vc sabe, mas fiz dois anos e meio de Psicologia na PUC. Mas interrompi o curso, porque achei que era muita responsabilidade mexer com a "cabeça" das pessoas. Eu também comecei a achar que psicoterapia parecia ser algo meio frágil, apoiado em teorias cristalizadas, e fiquei em dúvida se a Psicologia seria capaz de fato de ajudar as pessoas.
O tempo foi passando, fiz Jornalismo com a ilusão de ajudar mais pessoas, etc.
Hoje, várias amigas e pessoas que conheço fazem terapia, e também ainda tenho certa amizade com algumas pessoas do tempo da PsicoPuc. Mas continuo duvidando um pouco do poder da Psicologia. Sei que parece uma heresia e é um assunto polêmico, por isso o título do post.
O fato é que o tempo foi passando e eu fui me aproximando do Espiritismo Kardecista Cristão. Eu, que tinha estudado onze anos em colégio de freiras, e que tinha várias dúvidas não-respondidas pela Igreja Católica, encontrei TODAS as respostas, racionalmente falando, nos livros de Allan Kardec e de André Luiz. Essas respostas me ajudam a entender muito melhor os meus próprios "problemas" e tornam absolutamente dispensável, no meu caso em particular, qualquer tpo de "terapia".
Fico pensando nos motivos que levam as pessoas a fazerem terapia, e acho que é para entender racionalmente o que acontece na vida delas. Mas acontece que nem tudo nessa vida encontra uma explicação racional. E essa é uma das explicações racionais do Espiritismo. Acho que o meu texto está bastante confuso. Mas são essas idéias que ficaram rondando minha cabeça no dia de hoje.
Também existem psicólogos que usam as terapias de vidas passadas, coisa que pode ser um tanto quanto perigosa, eu acho. Porque se a gente recebeu a bênção do esquecimento das vidas anteriores, talvez seja para o nosso bem. Se bem que é claro que temos curiosidade e que talvez em alguns casos possa ajudar algumas pessoas.
Minhas idéias são assim mesmo: contraditórias. Vejo os lados positivos e negativos das coisas.
Mas só queria mesmo registrar o meu depoimento: no meu caso, em particular, uma terapia seria algo desnescessário, porque eu tenho a compreensão - que em inglês fica melhor: the big picture. The Creator has a Master Plan. Isso não significa que devemos viver a nossa vida passivamente, ao sabor das ondas e dos acontecimentos. Mas que essa certeza dá uma baita paz de espírito, isso dá.
A plantação é optativa, a colheita é obrigatória. Deus não abandona nenhum de seus filhos. Temos o nosso livre arbítrio, podemos escolher o caminho que desejarmos seguir e viver de acordo com as escolhas que fizermos. Essas são algumas das certezas que iluminam a minha vida e o meu cotidiano. Muito simplificadamente. Mas viver não é algo tão complicado. Nós é que nos complicamos, quando nos afastamos da nossa fé. Por isso, acredito que a religião - qualquer que seja ela - serve para a mesma coisa que a terapia: fazer a conexão entre os nossos "eus" - o exterior e o interior. E na medida em que essa conexão se estabelece, temos a felicidade, aqui mesmo e agora.
Espero que o texto tenha sido mais claro, para quem teve a paciência de ler até o final.
Também sei que a Internet não comporta textos muitos longos, mas às vezes é preciso escrever um pouco mais, sorry... Boa semana a você!

quinta-feira, outubro 11, 2007

Domingo

Dica da minha amiga que é mãe de um bebê muito fofo, chamado Henrique:

Para quem estiver em SP neste domingo, uma boa dica para as crianças é a apresentação musical às 11h no Museu da Casa Brasileira, um lugar tranquilo e com um baita jardim!

MPBaby

Com músicas do mundo infantil, como "Cai Cai Balão", "Sapo-Cururu", "A Canoa Virou", e dezenas de outras, os instrumentistas André Mehmari, Toninho Ferragutti e Reginaldo Frazatto Jr. realizam uma apresentação especial em homenagem ao Dia das Crianças.

Dividido em três blocos, de vinte minutos cada, o espetáculo se inicia com o acordeonista Toninho Ferragutti, que interpreta composições do álbum MPBaby Forró, como "Asa Branca" (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira), "Lamento Sertanejo" (Gilberto Gil e Dominguinhos), "Sebastiana" (Rosil Cavalcanti), "Farinhada" (Zé Dantas), e temas populares como "Cai Cai Balão", "A Canoa Virou", "Sapo-Cururu" e "Mulher Rendeira".

Em seguida, o violonista Reginaldo Frazatto Jr. apresenta trilhas que fizeram história na sétima arte, presentes no CD MPBaby Trilhas de Cinema, como "When you wish upon a star", do filme Pinóquio, "Do-Ré-Mi", de "A Noviça Rebelde", "Singing in the rain", de Cantando na Chuva, e "What a wonderful world", que chegou às novas gerações graças às animações Shrek e Madagascar.

O pianista André Mehmari conduz o terceiro bloco com clássicos do quarteto de Liverpool, registrados no álbum MPBaby Beatles. Destacam-se "Penny Lane", transformada em um choro/maxixe; "Norwegian wood", que contou com a presença de "A Tristeza do Jeca" (Angelino de Oliveira) em seu arranjo, "Eleanor Rigby", "Here comes the sun" e "Ob-la-di Ob-la-da".

Data: 14/10/07
Duração: 60 min
Capacidade: 230 lugares
Entrada franca
Vagas limitadas, por ordem de chegada
Museu da Casa Brasileira: Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2705


quinta-feira, setembro 20, 2007

Para minha amiga irredutível

Lista Básica de 12 vantagens de se ter um bebê em casa

Querida amiga,
Preparei só para você esta lista básica de vantagens de se ter um bebê em casa.
Pode ser seu ou até mesmo adotado (tem tantas crianças sem lar por aí, sem carinho, sem abrigo...)

1) A casa fica alegre com bebês.
2) Cheirinho de bebê é uma delícia.
3) Quando ele começa a sorrir, você se derrete.
4) Hoje em dia nem dá trabalho, é só mamar, tomar banho e dormir (quanto é da gente mesmo dar o peito é ainda mais prático do que dar mamadeira, não precisa nem ferver nada).
5) Chorar eles choram, mas não é nada do outro mundo.
6) As coisas ganham novos significados, e o trabalho perde totalmente a importância, a gente deixa de se chatear com coisas pequenas.
7) Você recebe um monte de visitas de gente que vem ver o bebê e traz presentes (não dá tanta despesa assim).
8) Você passa a conhecer uma espécie de amor indescritível, que não conhecia até então.
9) Você supera o egoísmo de querer tudo pra você. Passa a ser tudo pro bebê.
10) Você descobre um novo papel na sua vida: o de mãe, e é o máximo perceber que existe alguém que depende de você, você passa a se sentir importante.
11) Você descobre que pode contar com ajudas inesperadas, e pode descobrir em seu marido um pai que tem a maior boa vontade com mamadeiras e fraldas.
12) Você sempre quer voltar mais cedo e tem um excelente motivo para isso.

Quem quer colaborar pra fazer a lista crescer??

UPDATE!!

13) Cheiro de sopa de mandioquinha pela casa (Milton Toshiba).
14) Ser chamada de mamãe (Fran).
15) Você tem uma bela desculpa pra assistir aqueles filmes livres que dá vergonha ir sem criança.
16) Você sente que está contribuindo para povoar o mundo.
17) Você se livra daquele tédio de fim de semana.
18) Você redescobre seu talento como fotógrafa.
19) Você tem assunto pra comentar com outras mães.
20) Você passa a achar o gugu-dadá o som mais lindo de todo o Universo.
21) Você descobre a real utilidade dos seus peitos.
22) Você entende seu papel no Universo (o papel de toda mulher)
23) Você dá uma alegria incomparável para o seu marido: a de ser pai!!
24) Se você já tem um filho, você proporciona para ele a felicidade de ganhar um irmãozinho/a.
25) ...
Gente, minha amiga leu um livro com 40 desvantagens de ser mãe!!!
Vamos me ajudar a chegar às 50 razões, please...
UPDATE 2
A amiga Maith, mãe de 6 filhos, contribuiu com 6 razões (Obrigadaaa!!!:
25) Você tem boa desculpa para não ir a festas que não deseja.
26) Se ainda está apaixonada pelo seu marido vê um pouco dele em cada pedacinho de seu filho e o acaricia-o de uma maneira mais que especial.
27) Se o seu casamento não está lá essas coisas, você descobre que alguém que fez uma coisa tão linda como seu filho tem que ser alguém muito...muito... e seu casamento volta a ser "essas coisas".
28) Você acorda várias vezes durante a noite e pode verificar se está chovendo, se todas as luzes da casa estão apagadas, vai ao banheiro, toma água, pensa na vida, enfim, faz uma porção de coisas que não faria se ele não a tivesse acordado.
29) Ele dorme o dia todo para compensar a manha da noite e vc acha que ele parece um anjunho dormindo.
30) Você descobre que ter um filho é a melhor coisa do mundo mas os anticoncepcionais também foram descobertas maravilhosas.
31) Você contribui para não tornar o mundo um lugar cheio de velhos rabujentos e chatos (contribuição do Zeca).
32) ...
Vamos lá!!! Falta pouco....
MAIS UM UPDATE, DIRETAMENTE DE LAS VEGAS...
Dessa vez colaborou a Jacque.
32) Vc realmente sabe o que significam as palavras AMOR E DOAÇÃO.
OUTRO UPDATE!!
A Sol disse que:
"Ainda nao enchi a casa de bebês, e jamais leria o livro das 50 razões, mas colaborando com este post:
33) Você passa boa parte dos fins de semana passendo com os filhos em parques ou no meio da natureza, e pára de ficar em casa pendurado na internet ou na frente da televisao.
34) Você comeca a ter um equilíbrio financeiro melhor, sem gastos desnecessários e poupa mais
35) Você passa a ter mais cuidado com a alimentação, comendo os mais saudáveis
36) Você entende o que significa a energia de uma criança, como esta energia é diferente da dos adultos e como ela nos faz bem
37) Depois do nascimento de 1 filho, insônia é algo que voce nunca mais vai saber o que é
38) Você sabe que ao menos 1 pessoa nesta terra vai te dar muitos beijinhos e abracos todos os dias
39) Você toma mais cuidado em não poluir a natureza, já que seus filhos habitarão por muito tempo aqui neste planeta
40) Você canta mais
41) Você lê mais historinhas
42) Você dá muito mais sorrisos e risadas por dia
43) Você se une mais com sua mãe/sogra, passa a tirar dúvidas com elas e a trocar experiências
Mil beijos"
(Obrigada, Sol!!)
44) Você pode brincar de boneca de verdade, tal como imaginou na infância! (contribuição da Evellyn, em sua primeira visita ao Consulta!! Obrigada, Evellyn!!!)
45) A Medicina evoluiu muito, e aquelas "dores do parto" são coisas do passado
46) As maternidades mais parecem hotéis, com todo aquele conforto e cuidado tanto com o bebê quanto com a mãe
47) Estamos na era das fraldas descartáveis, em que tudo é muito prático e fácil.
48) Você começa a colecionar novos amigos: os pais dos bebês amiguinhos do seu, afinal têm muitas experiências semelhantes para trocar.
49) Você descobre que consegue amar aquela criaturinha de uma forma tão profunda, sincera e incondicional, mesmo depois de uma noite mal dormida, ou de uma sessão de choro inexplicável.
50) Você cria a possibilidade de um dia vir a se tornar avó, que é quando as coisas de fato começam a ganhar um sabor todo especial!! Quando tudo pode, quando a liberdade é maior, de amar, de sentir, se ser coruja, sem aquele "peso" da responsabilidade que cabe só aos pais....
;-)
Pronto!! Acabei a lista. Espero que minha amiga se comova, de alguma forma, espero ter reunido argumentos capazes de convencer alguém.
No próximo post, prometo mudar de assunto!! Obrigada pela paciência.
Hoje é o batizado da Helena.
OPA!
Motivo 51) Sua vida fica muito mais cheia de festas!!!!

segunda-feira, setembro 17, 2007

All You Need Is Love - The Beatles

Demorou, mas como essa música é o tema do meu blog, tava na hora de postar o primeiro vídeo do Consulta.
(Repare que o Mick Jagger aparece na platéia, no finalzinho) - que tempo bom, aquele...

domingo, setembro 16, 2007

Aqui em casa





O quarto da Helena tá ficando assim: tem uma pintura diferente na parede, que tiramos de um livro chamado "Living in Mexico".
Tem um criado mudo novo da Tok Stok que é uma minipenteadeira também.
Tem o bercinho dela, uma escrivaninha que vira trocador e uma cadeira espreguiçadeira de balanço.
Gostou?
(falta comprar um edredon lilás ou roxo, mas ainda não achei)
Este também é o quarto de hóspedes, que nesta semana está recebendo a Barbara (ou Bábi), do Chile. É um intercâmbio da escola da Biba (notou a coincidência dos apelidos - ou melhor - "sobrenomes", em castellano?)
Você sabia que os chilenos dizem que a língua que eles falam é "chileno"? Porque eles usam muitas palavras bem diferentes do castellano.

terça-feira, setembro 11, 2007

Helena



Na véspera de completar quatro meses.

Ela tem um quartinho aqui em casa, que tô decorando em tons de lilás e roxo. Tá ficando bem legal e eu espero que ela sempre goste muito de vir visitar a vovó!

Morro de saudades dela durante a semana, mas nos fins de semana eu me esbaldo com ela. Não tem nada que eu não faça por essa menininha linda. Vou treinar pra ver se ainda sei dar cambalhotas pra poder brincar com ela.

quarta-feira, setembro 05, 2007

Moleskine e amizades virtuais/reais

Ontem, a Renata me falou na existência desse "objeto do desejo". E ontem mesmo me deparei com um post do Osrevni, do Para ler sem olhar, falando dele: isso, no masculino. Moleskine. Pronto. Bastou. Preciso de um. Urgente.

Assunto número 2: este blog existe desde 2003. Então, às vezes dá uma baita saudades dos amigos/as virtuais que sumiram. Mas, por outro lado, tem gente nova aparecendo sempre. E assim é a vida real também. As pessoas entram e saem da vida da gente. Às vezes dá aquela nostalgia, a gente quer agarrar o tempo pelos cabelos e não deixar ele fugir. mas não. Não adianta. As pessoas chegam e partem. É assim que funciona.

Mas que dá uma alegria danada saber que alguns desses amigos mais queridos permanecem por perto, isso dá. E também, de repente, aqueles amigos que você considerava "novos" de repente ficam antigos também. E o carinho por eles fica grande, sincero e real, ainda que você nunca tenha cruzado de verdade com algumas dessas pessoas.

Sei que tô falando a coisa mais óbvia do mundo, mas é verdade, ainda que pareça blá-blá-blá. Fazer o quê? Ando meio sentimentalóide, mesmo. Senão esse blog até podia mudar de nome, né? Mas não, não é o caso.

Ueba!!! O Portella tá dentro!!

Obrigada a todos que votaram. Volto logo mais com mais novidades.

terça-feira, setembro 04, 2007

segunda-feira, setembro 03, 2007

Fatos casuais... Coisas banais do cotidiano...

A Cris, minha querida amiga virtual do Ego Confession, me convidou e eu fiquei pensando no assunto um tempão. O Tom me disse que a votação do Boteco Bohemia terminaria ontem e eu queria deixar a chamada aqui no blog, mas pelo jeito ainda não terminou. Só que a vida continua e preciso atualizar meu blog, senão perco meus poucos leitores/leitoras, né?
Quem ainda não votou, please, vai lá!
Quem já votou, obrigada!! valeu mezzzz.

Bom, vamos lá.

Seguem minhas coisas banais:
1) Horário: por que ninguém nunca chega no horário? Essa é uma dúvida atroz e eu tenho que me esforçar pra me atrasar de vez em quando e ser assim uma pessoa “normal”.
2) Trânsito: por que tem que ter tanto trânsito em SP? Por que um trajeto que leva 15 minutos no sábado pode chegar a mais de uma hora durante a semana? Por que não existe mais hora do rush? O trânsito é um karma coletivo. Um dia eu me livro dele...
3) Embalagens: por que as embalagens nacionais são umas porcarias, que tiram a paciência de qualquer um, enquanto as embalagens internacionais são tão eficientes e fáceis de abrir?
4) Maquiagem: por que nem todas as mulheres nascem sabendo se maquiar? Por que quando eu resolvo me maquiar fico me achando com cara de mulher de vida fácil, sendo que minha vida é tão difícil?
5) Rugas: por que elas têm que existir? Por que a pele da gente não fica lisinha forever and ever? E como eu não curto os cremes, a natureza parece ainda mais implacável. Mas... já comprei meu creme exterminador de rugas e como a ciência evolui, acho que vou conseguir eliminar algumas delas, mas sem esquecer que cada uma tem a sua história e a sua razão de ser.
6) Gorduras localizadas: por que elas existem e atacam tão impiedosamente as mulheres dessa maneira? Por que as roupas claras têm que marcar tanto?
7) Roupas: por que é tão difícil encontrar o equilíbrio entre ser uma mulher “madura” de 49 anos, sem ser nem careta nem ridícula?

A conclusão é que um homem, possivelmente, não teria tantos problemas banais assim. Isso reforça minha tese que eu acho que fui mais homem do que mulher nas minhas sucessivas encarnações, quem sabe...

Eu acho que tinha que indicar algumas pessoas pra tentar continuar a brincadeira, mas prefieo deixar a idéia no ar e quem estiver a fim, faça a sua lista também.

Como eu adoro listas (e também a Cris, minha artista plástica preferida), acabei topando o convite!!

E o post vai a seco, mesmo, sem foto dessa vez.

Inté!

quinta-feira, agosto 23, 2007

Votos para o Portella Bar!!! - urgente

Pessoal,

Meu filho casou e mudou, como vocês sabem. E agora, ele e a Rafa estão assumindo o Portella. Tudo pela Helena (que faz 4 meses no dia 7 de setembro)!!!

E o Portella é um boteco muito legal, que fica no Bexiga e serve comida baiana. Todos os dias, a "dupla dinâmica" está lá, das 16hs até a 1h.
Mais aqui: http://www.portellabar.com.br/

Além do convite pra conhecer o bar, a gente precisa de votos, para que o Portella seja escolhido novamente para participar do Boteco Bohemia

Basta entrar no site www.botecobohemia.com.br e votar no PORTELLA BAR.

Não leva mais do que alguns segundos preencher o nome, email e CPF.

Se puderem espalhar o link pela web, agradeço.

Conto com vocês!!!

Beijos

domingo, agosto 19, 2007

Quartzo rosa - cases de sucesso



Você pode ou não acreditar no poder dos cristais. Mas que o quartzo rosa funciona, isso funciona.

Já tenho dois excelentes cases de sucesso que comprovam isso. Dei com muita fé e as pedras foram recebidas da mesma forma. O resultado? Uma das minhas amigas já tem casa, família, cachorros, filha, e está planejando o segundo filho. A outra amiga casou-se, como era seu sonho, em uma cerimônia tocante, e está grávida!


O ser humano, eu acredito, nasceu para ser feliz aos pares. A vida é complicada, então é sempre bom ter alguém com quem dividir tudo: as alegrias, as dúvidas, os problemas, a felicidade. Quando o que dividimos são as coisas ruins, elas deixam de ter tanto peso e a gente consegue continuar vivendo a vida mais leve. Porém, algo estranho acontece quando dividimos as coisas boas: elas, na verdade, se multiplicam. E o sabor das conquistas, os momentos felizes e as grandes alegrias se amplificam na nossa vida. É uma coisa estranha e maravilhosa.


Agora, já tenho uma próxima "vítima" para minhas próximas pedras de quartzo rosa. E assim que eu conseguir duas belas pedras, que combinem, vou dar de presente para ela.


Boa semana!

(PS.: ah! correu tudo muito bem com a operação do Gui e ele vai tirar os pontos na próxima quinta)

quinta-feira, agosto 09, 2007

Gui

Então começou a aparecer um cisto na palma da mão do Guilherme.
Um belo dia, ele tinha reunião no IOT (a empresa onde ele trabalha tem uns convênios com o IOT). No elevador do estacionamento, entra um médico. E ele:
- Doutor, tenho isso aqui na mão e eu queria saber se devo consultar um dermatologista ou um ortopedista...
- Procure um médico de tumor.
Essa foi a resposta que deixou meu marido gaguejante ao telefone, quando foi me contar o ocorrido.
Fomos no consultório de um professor da USP, todo decorado em tons de lilás, bem em frente do hospital Sírio Libanês. Particular.
Isso depois do médico ter desmarcado a primeira consulta, pois precisou operar uma criança que havia chegado do Maranhão.
Frio na espinha?
Sim, nós também sentimos...

Resumindo: fez um exame de ultra-som e é apenas um cisto.
Que vai sair dali hoje mesmo.
Estamos indo agora para o IOT.
Pensamentos positivos são bem-vindos!
Valeu!

sexta-feira, agosto 03, 2007

O que é mais importante?


Ser ou parecer?

"Parecer" é a palavra de ordem dessa década. São casas que se reformam "sozinhas" nos programas de TV, pessoas que mudam seu jeito de vestir, ou seu peso, ou sua aparência, e tudo isso é mostrado pelas câmeras de TV de forma invasiva, até.

Eu até gosto desse tipo de programa. Mas enquanto isso, o "ser" permanece esquecido.

O que vale a pena?

Quais são as bandeiras que a gente deveria levantar e não estamos levantando?

Pra mim, o mundo precisa mesmo é de mais (muito mais) amor. De todas as qualidades de amor - e há tantas!!

Eu, por exemplo, acabo de descobrir mais uma: amor de vó.

Gente, que delícia que é ser vovó!!

Claro que ser mãe é algo insuperável e coisa e tal.

Mas ser vovó é ficar só com a parte boa, sabe?

Então, eu tinha prometido pra Ceila que escreveria sobre essas noas emoções. E escrevi. O que saiu foi uma poesia. Quer conferir? Vai lá no Desabafo de mãe.

Na foto: Mariana (minha afilhada), eu, Vilma (minha comadre do coração e também madrinha da Marjorie, minha filha querida, a última à direita). Somos comadres duplas. A foto foi tirada no dia da festa junina do clube. Tendência: cada vez mais as festas juninas são julinas, já reparou??

sexta-feira, julho 20, 2007

Manifesto antifeminista


Recebi por email e confesso que muitas vezes é assim que eu penso, ultimamente...
Adorei especialmente a parte que fala que a gente passa o dia no telefone, resolvendo problemas que não são nossos.... A autora é desconhecida. Se alguém souber a autoria, por favor me avisa, tá?

Desabafo de uma mulher moderna

São 6:30 da manhã.. O despertador canta de galo e eu não tenho forças nem para atirá-lo contra a parede... Estou tão cansada... não queria ter que trabalhar hoje... Queria ficar em casa, cozinhando, ouvindo música, cantarolando, até....
Se tivesse filhos, gastaria a manhã brincando com eles, se tivesse cachorro, passeando pelas redondezas... Aquário? Olhando os peixinhos nadarem... Se eu tivesse tempo... gostaria de fazer alongamento...Brigadeiro...

Tudo menos sair da cama e ter que engatar uma primeira e colocar o cérebro pra funcionar. Gostaria de saber quem foi a mentecapta, a infeliz matriz das feministas que teve a estúpida idéia de reivindicar direitos de mulher... queria saber PORQUE ela fez isso conosco, que nascemos depois dela...

Estava tudo tão bom no tempo das nossas avós... elas passavam o dia a bordar, trocar receitas com as amigas, ensinando-se mutuamente segredos de molhos e temperos, de remédios caseiros, lendo bons livros das bibliotecas
dos maridos, decorando a casa, podando árvores, plantando flores, colhendo legumes das hortas, educando as crianças, freqüentando saraus, ENFIM, a vida era um grande curso de artesanato, medicina alternativa e culinária.

Aí vem uma fulaninha qualquer que não gostava de sutiã nem tão pouco de espartilho, e contamina várias outras rebeldes inconseqüentes com idéias mirabolantes sobre "vamos conquistar o nosso espaço"!!! Que espaço, minha filha??? Você já tinha a casa inteira, o bairro todo, o mundo aos seus pés. Detinha o domínio completo sobre os homens, eles dependiam de você para comer, vestir, pra tudo!!! Que raio de direitos requerer ?

Agora eles estão aí, são homens todos confusos, que não sabem mais que papéis desempenhar na sociedade, fugindo de nós como o diabo foge da cruz... Essa brincadeira de vocês acabou nos enchendo de deveres, isso sim. E
nos lançando no calabouço da solteirice aguda. Antigamente, os casamentos duravam para sempre, tripla jornada era coisa do Bernard do vôlei - e olhe lá, porque naquela época não existia Bernard do vôlei.

POR QUE ???..me digam POR QUE um sexo que tinha tudo do bom e do melhor, que só precisava ser frágil, foi se meter a competir com o macharedo? Olha o tamanho dos bíceps deles, e olha o tamanho dos nossos. Tava na cara
que isso não ia dar certo!!!

Não agüento mais ser obrigada ao ritual diário de fazer escova, maquiar, passar hidratantes, escolher que roupa vestir, e que sapatos combinar, que acessórios usar... tão cansada de ter que disfarçar meu humor , que sair
sempre correndo, ficar engarrafada, correr risco de ser assaltada, de morrer atropelada, passar o dia ereta na frente do computador, com o telefone no ouvido, resolvendo problemas que nem são meus!!!

E como se não bastasse, ser fiscalizada e cobrada (até por mim mesma) de estar sempre em forma, sem estrias, depilada, sorridente, cheirosa, com as unhas feitas, sem falar no currículo impecável, recheado de mestrados,
doutorados, e especializações (ufffffffffffffffffff!!!!!!!). Viramos supermulheres e continuamos a ganhar menos do que eles... Não era muito melhor ter ficado fazendo tricô na cadeira de balanço?

CHEGAAAAAAA!!!... eu quero alguém que pague as minhas contas, abra a porta para eu passar, puxe a cadeira para eu sentar, me mande flores com cartões cheios de poesia,faça serenatas na minha janela...ai , meu Deus, já
são 7:30,tenho que levantar!...

E tem mais: quero alguém que chegue do trabalho, sente no meu sofá, coloque os pés pra cima e diga "meu bem, me traz um cafezinho, por favor?", descobri que nasci para servir. Vocês pensam que eu tô ironizando? To falando sério! Estou abdicando do meu posto de mulher moderna.... Troco pelo de Amélia. Alguém se habilita?

quarta-feira, julho 18, 2007

Dia da vovó


Comemora-se o Dia da Vovó em 26 de julho porque esse é o dia de Santa Ana, mãe de Maria e avó de Jesus Cristo. Conta a história que Ana e o marido, Joaquim, não tinham filhos, mas sempre rezavam pedindo que o Senhor lhes enviasse uma criança. Ela teve uma menina quando já tinha idade avançada e a batizou de Maria.

Quando eu era apenas mãe, achava que esse dia não fazia o menor sentido, afinal, avós são mães antes de serem avós. Pra vc ver, agora já acho que até que tem a ver... Afinal avós são mães ao quadrado.

Tragédia

Sempre tento falar só em assuntos "leves" por aqui.
Mas hoje, acredito que preciso falar uma coisa séria e não sei se todos vão compreender e/ou concordar.
É muito triste quando acontece uma acidente como o de ontem, em São Paulo.
As pessoas ficam muito emocionadas e comovidas com o drama de cada família envolvida. Isso é natural. Somos seres humanos com tudo o que tem de bom e de ruím nisso. O que tem de bom é a solidariedade que se cria entre as pessoas nessas horas.
Agora, eu também acho que é necessário buscar uma compreensão maior sobre fatos como esse.
No meu ponto de vista, eu que sou espírita, kardecista, nada acontece por acaso. Nenhuma pessoa que estava (ou não) naquele vôo não estava ali por acaso.
Existe um glossário, no site da Seara Bendita, que explica a razão desses desencarnes coletivos e reproduzo aqui com a intenção de que sirva de consolo para quem está muito inconformado com os acontecimentos:

DESENCARNE COLETIVO. É o desencarne que ocorre em acidentes e catástrofes de toda sorte, que vitimam pequeno ou grande número de criaturas. Ocorre porque um grupo ou grupos de espíritos comprometidos com um mesmo débito ou com débitos semelhantes, em reencarnações pregressas, se associam, ainda na espiritualidade, antes do renascimento, com a finalidade de realizar "trabalho redentor em resgates coletivos".

Que Deus abençoe todos os que estão envolvidos - direta ou indiretamente - nessa tragédia!

domingo, julho 15, 2007

Resposta ao Fernando


O Fernando fez um comentário no post do dia 1 de março.

Não, Fernando, a da direita é a minha filha, a Marjorie. No meio, o papai, Tomás. E na ponta direita, a mamãe Rafaela.

A Helena (foto), minha neta, já fez dois meses, no dia 7/7.

E aposto que a Rafa já encontrou várias respostas para as perguntas que ela tinha naquela época.

Obrigada pela visita e volte sempre.

quarta-feira, julho 11, 2007

As incongruências do amor


O amor é uma coisa engraçada.
Tem a ver com a flecha do cupido, será?
Mas acontece que às vezes só um dos dois está mais empolgado do que o outro com aquele relacionamento. Um arrastaria um bonde pelo outro, mas o outro não arrastaria nem um carrinho de rolemã pelo um. Assim, o amor vai vivendo as suas fases. E os papéis, em algum tempo, se invertem. Um se cansa de arrastar o bonde e o outro sente falta daquela atenção com a qual já estava se acostumando. Daí aparece o sofrimento. Um sofre pelo outro. Lágrimas escondidas, aquele aperto no peito, quando você vai toda apaixonada e ele lá, meio indiferente aos seus sentimentos. Mas não era ao contrário que tudo acontecia no começo? O que fazer?
Buscar o equilíbrio, digo eu.
E você: pensa que é fácil, é?
Não. Não penso que é fácil. Mas se fosse, que mérito haveria?
O que acontece é que existe uma lei universal da causa e efeito. Às vezes, ela age bem rapidamente. Se você fez sofrer, possivelmente sofrerá do mesmo mal que causou, na mesma proporção. Mas se você sofreu, pode inadvertidamente fazer sofrer, sem perceber que está causando tanto sofrimento. Amor é que nem uma árvore. Precisa de tempo para crescer e se fortalecer. Dar frutos, fincar raízes.
O melhor, sempre, em qualquer situação, é abrir o coração e deixar que o sentimento tome as rédeas. Deixe de lado qualquer tipo de racionalização. Não fique pensando no orgulho ferido e muito menos em o que os outros vão pensar. Danem-se os outros. O assunto é apenas entre você e ele, ou você e ela. Resolva. Conquiste, use as suas “armas do bem”, combata o bom combate, como disse a Pri hoje.
Vá à luta, mas com as armas do coração. Nunca falha. Nunca.
Reflita bem: o que é mais importante para você: o namoradinho /a ou aquele show, bacana também? A vida é feita de escolhas. Você escolhe. Ninguém pode escolher por você. Você decide que riscos é capaz de correr, quantas desfeitas é capaz de agüentar, com um sorriso nos lábios, porque afinal de contas, você ama aquela pessoa. E amor é assim algo incondicional. Não existe: eu te amo se você.... Isso pode ser qualquer coisa, menos amor verdadeiro. O amor não tem a ver com qualquer coisa que se faça e nem se diga. Embora às vezes algumas palavras tenham um alto poder de ferir corações. Por isso, é bom tomar muito cuidado, ouvir a voz do coração – coisa careta de se dizer, mas muito verdadeira. O amor é cego, surdo e mudo. E é também a parte mais importante dessa vida. Por isso, resolvi voltar. Nova fase, novo ano, novo emprego, novas pessoas, tudo novo de novo.

quinta-feira, março 15, 2007

Oh! Dúvida cruel

Quem não tem dúvidas, nessa vida? Não é mesmo? De vez em quando recebo umas consultas sentimentais. Não posso deixá-las sem resposta, é claro. Então, vou transcrever um diálogo via e-mail aqui, preservando a identidade da minha consulente. A consulta dela é quase uma poesia. Fiquei em dúvida se eu precisava responder uma a uma das suas colocações. Mas achei que não. Porque ele falava de cada particular e eu respondi no geral. A vida da gente é feita de lados, aspectos, setores e a gente quer a felicidade em todos eles, se possível, AGORA.
Aos poucos, a gent aprende que mais importante do que chegar lá é caminhas direito, como eu digo logo mais.

Consulta
Eis meu desabafo. Sei que estás muito ocupada, mas acho que vai poder me ajudar.
Acho que tou em crise da mulher de Nova ou na crise dos 30, tou perto de descobrir que "ou se tem chuva ou se tem sol".

Quero ter filho logo (realização pessoal e menos manha da enteada), mas estou tendo dificuldade de engravidar, estou indo a um especialista.

Quero ter a casa arrumada e pra isso tenho empregada, mas como todas as mulheres sabem (e os homens não) mesmo assim tenho coisas a fazer em casa.

Tenho que ir ao mercado semanalmente, marido vai as vezes, mas nunca acerta comprar minhas coisinhas, shampoo, por exemplo.

Tenho que ir ao salão semanalmente, mas vou de 15 em 15, não morro, mas me sinto feia, minha profissão exige salto alto, cabelo liso, unhas feitas e paletó.

Tenho que fazer atividade física, pra ficar uma velhinha saudável.

Tenho que emagrecer, pra ser sexy e facilitar a possibilidade de gravidez. E o chopp com o marido?

Tenho que dar atenção a meus pais, enteada, marido e raros amigos.

Tenho que estudar, quero ser mais inteligente, mas tem coisa que simplesmente não entra em minha cabeça...

Quero que meu tempo renda mais, mas tb quero dormir muiiiiiiito (adoro) e ter lazer.

Quero ser reconhecida na minha profissão, mas os prazos, monografias (1 MBA e 1 Pós-graduação concomitantemente) e reuniões consomem todo o meu dia, sem que eu tenha tempo de pensar em marketing pessoal.

Quero fazer ioga, voltar a inglês, fazer terapia pra me entender, ser mais calma.

Não quero ser modelo pra ninguém, mas quero ser imitada.

Quero um emprego melhor, não que o meu seja ruim, só que com ele não terei o dinheiro que meus pais e sogros tem (pra meu pai isso é péssimo, serei pior que ele), não posso ser sócia do clube, comprar paletós com caimento perfeito,, mas gosto do meu emprego, é desafiador, apesar de ser passível de privatização e eu não ter possibilidade de ascensão vertical (tb devido a minha inteligência e marketing - ausentes).

Acho que quero ser juíza do trabalho, mas direito do trabalho é tipo como um direito menor, pros burros, mas eu num consigo entender tributário... Poderia ser procuradora do trabalho, o salário é melhor, mas é tão repetitivo... Atentei e fiquei em crise (marido me chamou à realidade), como posso ser tantas coisas ao mesmo tempo? Sou tão cobrada, principalmente em relação a um emprego melhor; meus pais acham que me traria $ e status, os que vêem meu potencial, crêem que me traria status, eu queria $. Mas, eu cansei de estudar, já estudei tanto (e olha que eu amava estudar) e nada... já não sei se sou capaz de tanto esforço... Tou tão triste comigo mesma, sei que meu potencial é maior, mas me perco no dia-a-dia. A vida tem tantos lados.
Quanto tempo demandaria de dedicação até eu conseguir? Marido aceitaria minha ausência? Ele trabalha fins de semana e até tarde, mas e eu ? Não poderia? Quem conversaria com a mãe que morre de saudades e até ficou doente por isso? Quem cuidaria da casa? Quem tentaria educar a enteada, ajudaria no dever de casa e ouvia as conversas sobre a escola? A empregada quer ir embora às 18h, o marido tem aula até as 22h.

Por que nasci mulher?

Por que não estudei mais, quando podia?

Quem tem que abrir mão das coisas?

Tou perdida e, o pior é que barco que não sabe pra onde vai, a maré leva...

Resposta
Bom vou tentar responder.

Primeiro, obrigada por ter aberto o seu coração comigo!!

Sobre ter filho: tem que ver o que a Medicina diz, mas tem que confiar, sobretudo, em Deus, mesmo, que é Ele que manda!!

Sobre ser dona-de-casa: as feministas falavam na tal jornada dupla de trabalho, e ela ainda dura
até hj.

Deixa o marido ir ao super, mas não queira que ele compre o seu xampu. Melhor comprar só um xampu do que um super inteiro!!

Quanto aos outros itens, é mesmo muita coisa, tudo ao mesmo tempo agora, como parece que é o lema da nossa época.

Mas tenta fazer uma coisa de cada vez e o "caminho do meio", que Buda apontou, há um tempão atrás, o caminho do equilíbrio.

Mas tem umas perguntinhas que vc faz que eu não vou nem tentar responder, né?! Exemplo: por que nasci mulher?

Bom, aí já não sei, mas com certeza deve ter um motivo. Eu, que acredito em reencarnação, acho que nós, os seres humanos, temos que viver as duas experiências. Comparar a dor e a delícia de uma e de outra. Agora é a vez de ser mulher, em sua plenitude, com todos os conflitos e enigmas que só a gente pode mesmo resolver.

E nada como um dia depois do outro, um passo no caminho de cada vez, sabe o slogan daquele uísque? Keep walking. Pois é. O caminho e seus percalços é que nos fazem crescer e progredir.

Tenta fazer o seu melhor, que é a única coisa que podemos fazer, aos 14, aos 20, aos 30, aos 40 ou aos 50, em todas as idades!!

Ah! e tem o lado espiritual, que vc não citou. Mas precisa tentar encaixar em algum momento tb, qualquer que seja a religião escolhida!

Respondi????????????