quarta-feira, fevereiro 18, 2009

Amizade de infância

Tenho uma amiga de infância. 
Na verdade, nós nos tornamos amigas no antigo ginásio. 
Agora seria sexta série, acho, nem sei mais... 
Sei que a gente tinha uns 10/11 anos, por aí. 
Hoje, nós duas nos reencontramos. 
Foi tão legal!! 
A gente se reencontra de vez em quando, mas com aquela turminha toda. 
Só que a gente era "a melhor amiga" uma da outra. 
Nossas vidas são totalmente diferentes. 
Ela viaja para mergulhar com golfinhos, enquanto eu cuido da minha neta. 
Tudo são escolhas, que a gente faz na vida, né? 
Mas nossos celulares são exatamente idênticos. 
Pedimos o mesmo sanduíche, ainda que o dela fosse frio e o meu quente. 
Estávamos as duas com blusas de listinhas verticais. 
Você pode achar que é pouca coisa, que são detalhes insignificantes. 
Não pra nós duas. 
Tudo tem significado nessa vida. 
É bacana notar que passados tantos anos ainda existe carinho e identificação entre nós duas. 
Apesar de muitas diferenças! 
Ela implicou com meu cabelo sem tintura, por exemplo. 
Eu perguntei se ela ainda fumava. 
Mas a amizade que sobrevive tantos anos (não vamos nem falar quantos, né??) é porque tem valor e um significado especial. 

terça-feira, fevereiro 03, 2009

No fundo do poço tem mola


A frase nem é nova, nem nada. 
Mas é tão verdadeira!!! 
Essa tal da C_ _ _ _ (jogo de forca) tá tirando as pessoas do sério.
Eu já disse antes (no blog Casa Amarela 140 - já foi lá?) que me recuso a repetir essa palavra. 
Prefiro palavras mais positivas, mais alto-astral. 
As chapuletadas (nunca escrevi isso antes) da vida costumam tirar a gente do rumo, do prumo, mas nada como uma boa noite de sono. O tempo, só de ir passando, o relógio, só de ir girando os seus ponteiros, levam a gente pro lado certo dessa vida. 
O importante é ocupar a cabeça e as mãos com coisas boas e criativas. 
Desse jeito, a ajuda vem. 
A ajuda vem de onde a gente menos espera. 
Ás vezes, uma pessoa muito mais jovem do que você te ajuda de uma forma tão arrebatadora que é difícil vc fingir que não viu. 
Deus encontra meios os mais incríveis de falar com a gente.... 
Nem que a gente tenha que usar um tom de voz mais alto lá com os Céus... 
Não sei se você já leu A Cabana, aquele livro. 
Eu li. Me senti meio desconfortável em certos momentos, com o jeito como ele "personifica" Deus, a Santíssima Trindade. E com o jeito como ele não usa a reencarnação pra explicar certas coisas (pra mim, ela explica tudo). 
Mas eu sei dizer que aquilo acho que ficou na minha cabeça e eu tive ontem uma conversa com Deus como eu nunca tinha tido antes. 
Se ele é nosso Pai, a gente pode falar com ele como fala com o nosso pai de carne e osso aqui na Terra, né?? 
Eu falei. 
Só sei que Ele me ouviu. 
E, como ele me ama, me respondeu, rapidinho. 
Agora, dá licença que eu vou chorar mais um pouquinho, mas agora é de alegria, pela certeza de ter sido ouvida. E pela resposta maravilhosa que tive Dele.