sexta-feira, janeiro 24, 2014

Traí... e agora?


Impressionante... o meu post mais lido de todos os tempos atrai um monte de gente aqui para o blog que está sofrendo porque traiu. Quem dera existisse um reloginho que fizesse o tempo voltar, não é mesmo?? Só que esse reloginho não existe.

Mas existe a nossa consciência. E a gente deixa de seguir o que ela nos mostra tão claramente.... E depois a gente se arrepende.

O melhor é pensar antes. No Vigiantes do Peso também nos ensinam a pensar antes (de comer, no caso). Mas quando a gente deixa o impulso dirigir os nossos atos, estamos dando lugar ao nosso lado "animal", ao "instinto" e isso não é legal....

Em geral, quando a gente "trai", nosso pior algoz é a nossa própria consciência, que nos condena por termos agido de forma egoísta, sem pensar nos sentimentos de quem nos ama. Daí a gente sofre e fica com aquela sensação de arrependimento. Se você quer reconquistar o seu marido (ou mulher), minha querida (ou meu querido), vai ter que trabalhar para isso. 

A lição é aquela básica: não fazer ao outro o que não gostaríamos que o outro fizesse para nós. Por que será que está demorando tanto tempo pra gente entender isso?? 

Já falei muitas vezes sobre esse assunto aqui no blog, mas parece que é preciso sempre voltar ao tema... sempre cai alguém aqui de paraquedas, perdidinho, sem saber o que fazer. 

Você vai ter que começar tudo de novo, do zero, e terá que provar o seu amor verdadeiro ao seu parceiro, ou parceira. Como você vai fazer isso? Não sei. Quem sabe não é melhor você prestar atenção no que diz a sua consciência, desta vez?? 

Ah, sim! Muito importante: não esqueça de ser o primeiro a se perdoar pela sua fraqueza. Saiba que todos nós erramos, sem exceção. 

Boa sorte!! 




terça-feira, janeiro 07, 2014

Filhos, filhos....



Poema Enjoadinho
Vinícius de Moraes

Filhos...  Filhos?
Melhor não tê-los!
Mas se não os temos
Como sabê-lo?
Se não os temos
Que de consulta
Quanto silêncio
Como os queremos!
Banho de mar
Diz que é um porrete...
Cônjuge voa
Transpõe o espaço
Engole água
Fica salgada
Se iodifica
Depois, que boa
Que morenaço
Que a esposa fica!
Resultado: filho.
E então começa
A aporrinhação:
Cocô está branco
Cocô está preto
Bebe amoníaco
Comeu botão.
Filhos?  Filhos
Melhor não tê-los
Noites de insônia
Cãs prematuras
Prantos convulsos
Meu Deus, salvai-o!
Filhos são o demo
Melhor não tê-los...
Mas se não os temos
Como sabê-los?
Como saber
Que macieza
Nos seus cabelos
Que cheiro morno
Na sua carne
Que gosto doce
Na sua boca!
Chupam gilete
Bebem shampoo
Ateiam fogo
No quarteirão
Porém, que coisa
Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!

O texto acima foi extraído do livro "Antologia Poética", Editora do Autor - Rio de Janeiro, 1960, pág. 195.


"Vossos filhos não são vossos filhos. São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.

"Vossos filhos não são vossos filhos.
São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.
Vêm através de vós, mas não de vós.
E embora vivam convosco, não vos pertencem.
Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos,
Porque eles têm seus próprios pensamentos.
Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;
Pois suas almas moram na mansão do amanhã,
Que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.
Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós,
Porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados.
Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.
O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força
Para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe.
Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria:
Pois assim como ele ama a flecha que voa,
Ama também o arco que permanece estável.
(Gibran Khalil Gibran)

Dois poemas que eu amo muito. 

Eu sempre quis ser mãe. Mais do que isso. Sempre tive certeza de que seria mãe. Se eu ia casar ou não para mim era um mero detalhe. Isso na ingenuidade dos meus 15 anos... Eu queria mesmo era ter uns dez filhos. Mas a vida me deu apenas dois. 
E uma neta. Já estou no lucro... 
Como é bom ter sempre uma criança por perto! 
Uma criança alegra todo Natal. 
Uma criança justifica o fato de ir ao cinema assistir desenho animado. 
Uma criança ilumina o seu dia com o riso fácil dela. 
Mas (e sempre tem um "mas"...) as crianças crescem e viram adultos. 
Isso não quer dizer que seja uma perda... ao contrário, 
De filhos, essas criaturas passam a ser companheiros de jornada neste nosso querido e doido Planeta Terra. E aí, como aconselha Khalil Gibran, a gente precisa arremessá-los, tais como flechas, para que eles atinjam seus objetivos, seus alvos... 

E assim, a Biba partiu para a África. Lá se foi a minha bebê Marjorie (21)... mergulhar em um mundo novo, cheio de desafios, de novidades, de aventuras... Deixou o namorado, a casa, a família, o aconchego do carro 100% do tempo à disposição dela para andar de van e de trem em terras africanas. Chorou na separação... Mas ela se aventurou... a casa onde ela está hospedada nem telefone tem, quanto mais Internet... Ela orme na pate de baixo de um dos dois beliches. Suas companheiras são do Canadá, EUA e Austrália, principalmente. Todas tem o inglês como língua materna... e ela sente dificuldade de entender tudo o que se fala.. "elas falam muito depressa"! 

E a mãe aqui "surtou" com a falta de notícias sobre a chegada dela na Cidade do Cabo. Até o Consulado Brasileiro em Cape Town eu mobilizei, Eles responderam meu e-mail hoje. Mas ontem mesmo ela conseguiu se comunicar com a gente. Me chamou de "louca", me mandou apagar posts desesperados no Facebook (obedeci) e conversou com a gente pelo Whatsapp. Voz feliz, animada, cheia de novidades pra contar. 

Hoje, ela contou que conheceu as criancinhas - não é um orfanato, como pensamos de início, mas uma creche. Em um bairro parecido com a nossa "favela". Hoje, ela ficou na classe de crianças de 2 a 3 anos. Vai mandar foto em breve. Vai ficar lá até o dia 30/1. Depois, a aventura continua mais 15 dias, com a sogra, que mora em Moçambique. 

Como é bom ver os nossos filhos trilharem o caminho que escolheram! 

Não tem como explicar - nem a aflição de não ter notícias, nem a felicidade de vê-los crescer.... 

Eu só tenho mesmo a agradecer. Agradeço por ter sido a "ponte" a permitir a aventura da minha filhinha aqui no Planeta Terra. Agradeço pela viagem segura que ele fez (e está fazendo). Agradeço pela coragem que ela tem de buscar o que quer e acredita. Agradeço pelas respostas que obtive aos meus emails desesperados. Agradeço muito a Deus e ao Universo (que para mim são a mesma coisa). 

Agradeço pela possibilidade de aprender a ser "Mãe" - assim como os poetas disseram. 

Obrigada!