quinta-feira, dezembro 18, 2008

A urgência do fim do ano

Mais um ano está acabando... e com ele, parece que muitas coisas vão ser deixadas para trás.
Isso me dá uma certa angústia. Será que fiz tudo o que precisava da minha lista de tarefas? É óbvio que não. Nunca dá tempo de encontrar todo mundo que a gente gostaria pessoalmente, para dar aquele abraço e deixar registrados nossos votos de que o Ano Novo sim, que ele traga todos aqueles nossos desejos para o presente. Mas o mês de dezembro não é presente. É futuro, é a expectativa do que está por vir, do vir a ser. Wanna be. E é passado, é tempo de retospectivas, de olhar pra trás e ver o que a gente fez direito, e o que nem tanto. De contar as conquistas e tentar esquecer as derrotas.

Esse sentimento de urgência está longe, bem longe do espírito natalino. Aliás, pouco se ouve falar hoje em dia no espírito natalino. Aquela coisa gostosa de dar passagem no trânsito, de sorrir para um/a desconhecido/a. De dar presente para as crianças pobres, essas coisas que fazem um bem danado pro coração. Mas ninguém fala nisso. Todo mundo fica fazendo listinhas de presentes, todo mundo fica preocupado em descansar (inclusive eu), todo mundo quer sombra e água fresca, mas é preciso decidir o cardápio da ceia, a roupa nova pra esperar o ano novo. Tanta coisa....

Este ano ando meio cansada disso tudo. Estou mais preocupada em receber no meu coração a Luz do Menino Jesus e ver se aprendo, de uma vez por todas, as lições de humildade que ele vem tentando ensinar pra gente há tanto tempo.... Lógico que eu queria dar vários prseentes pra todo mundo. Mas dessa vez, por razões alheias à minha vontade, as coisas vão ser diferentes. Mas só que alguma coisa mudou dentro de mim. E eu fico feliz, por me ter sido dada a oportunidade de viver o verdadeiro espírito natalino.

Minha filha deu uma idéia que eu achei maravilhosa:
- Mãe, e se a gente passasse o Natal em um orfanato?
Quase chorei de emoção quando ela me disse isso. É mesmo, é uma ótima idéia. Quem sabe...

Isso tudo é pra dizer que vou dar uma sumida daqui do Consulta nos próximos dias. Então, aproveito pra deixar aqui registrados meus votos sinceros pra todo mundo que me visita de vez em quando, ainda que não comente nada (e nós que temos um blog nos " alimentamos" desses comentários), de um Natal maravilhoso, cheio de significado, e de reflexões a respeito do nascimento e do renascimento de uma possibilidade de uma nova vida dentro do coração de cada um de nós.

E de um 2009 cheio de paz, amor, alegrias, harmonia, saúde, entendimento. É disso que o mundo mais precisa. Óbvio que também queremos prosperidade e sucesso, mas isso a gente pode conquistar aos poucos.

Um dezembro só é pouco, pra tanto desejo. Mas haverá novos dezembros, novos janeiros, junhos, julhos.... E vamo que vamo. Vamos "esquecer" os nossos problemas aqui em 2008. E só levar as coisas boas e as nossas mais puras e melhores esperanças para 2009. Beijos.

quarta-feira, dezembro 17, 2008

Sozinha nas Termas

Hoje vou publicar aqui um relato muito interessante, que me impressionou de forma positiva. É da portuguesa Ana Maria Fontes e ela me autorizou a publicá-lo aqui. Acompanhe.
Sozinha nas termas
Por A. M. Fontes

Não havia dúvida. Eu precisava de descansar. Se possível tratando da saúde ao mesmo tempo. Como tenho problemas digestivos quase tão velhos como eu, a solução só podia ser uma cura em Monte Real.

Decidido e feito. Telefonei para as termas. Informei que sou cega total, na terceira idade, e que iria sozinha. A recepcionista aconselhou-me a ir quanto antes, para me poupar à previsível confusão do mês de Agosto. Dentro das cabines dos tratamentos garantia-me a ajuda de alguém, afirmava ela; mas para além disso…… Pensão onde ficar não podia sugerir; porém deu-me o número do posto de turismo.

Poucos minutos mais tarde eu estava já munida de números de telefone de algumas pensões. Não tendo referências actualizadas sobre nenhuma delas, podia ter começado por uma qualquer, ao acaso. Não. Comecei pela pensão Santa Rita. "Assim como assim," pensei, "sempre será melhor ficar entre santos"… As condições agradaram-me, de modo que acabou ali a minha ronda.

Faltava resolver o problema essencial do acompanhamento para as termas. Acto contínuo, voltei a ligar para lá. Atendeu-me a mesma recepcionista. Perguntei-lhe se me poderia arranjar uma acompanhante da terra - uma jovem ou senhora que quisesse ganhar uns trocados. Prometeu tentar.
24 horas depois dava-me resposta afirmativa: Uma estudante de enfermagem, de 21 anos, muito responsável ao que constava, cujo contacto me forneceu. Empolgada com aquele golpe de sorte, marquei consulta para o dia seguinte.

E pela manhã lá foi a família levar-me a Monte Real, em busca de Santa Rita. Durante a visita guiada a que tivemos direito, fiquei desvanecida com a gentileza inesperada de terem reservado para mim um quarto de casal no rés-do-chão, perto da sala de jantar (“para eu ter mais espaço e maior comodidade”); mas nem esse desvanecimento venceu a hostilidade do contacto físico com as instalações. “Olha que isto é um tanto ou quanto labiríntico…”, segredou-me o meu companheiro, referindo-se ao trajecto entre o quarto e a recepção. “Pelo menos resta-me o consolo de ter a vida facilitada na ida para as refeições”, pensei em voz alta. Enganava-me. O pequeno almoço tomava-se numa outra sala que, como o bar, se situava um piso abaixo. Isso implicava aprender o caminho do quarto para a recepção, daí para as escadas das traseiras, descê-las, e por fim seguir quase em frente, como quem atravessa uma rua estreita.
Apertou-se-me o coração. Seria eu capaz de fazer aquele trajecto sozinha?... Sim, que um hóspede não pode estar sempre a depender dos funcionários, nem de outros hóspedes. Estava longe de adivinhar que aquela aparente dificuldade viria a transformar-se numa verdadeira bênção! “E pela entrada principal?”, perguntei sem alento. Não. Era ainda mais difícil. A nossa cicerone apercebeu-se do meu desconforto. Solidária, pôs-me à-vontade para ir conhecer outro alojamento.

Não quis: qualquer pensão me causaria o mesmo impacto hostil de estranheza quando lá entrasse pela primeira vez. Deus sabe a sensação de desamparo que me ia na alma quando a família me deixou à espera da jovem desconhecida que haveria de me levar à consulta e me acompanhar depois regularmente.…

Ela chegou de pronto, tímida, receosa. Nunca tinha lidado de perto com uma pessoa cega. Expliquei-lhe como queria ser conduzida. Se eu calculava mal a altura de um degrau, ou se tropeçava, era um susto! E se eu me magoasse, por descuido dela? Nem pensar! Receita: usar sempre a bengala.

Em flagrante contraste com este acanhamento, o médico dirigiu-se-me como se já nos conhecêssemos. E eu correspondi, cordial também, porque a familiaridade nunca degenerou em infantilização. Éramos da mesma idade, disse, ao ver a data de nascimento na minha ficha de inscrição. Também ele tinha estudado em Coimbra. Essas coincidências aproximaram-nos espontaneamente.

Prescreveu dois tratamentos diferentes, os dias em que eu devia fazê-los, deixando-me depois num gabinete para os pagar e levar as respectivas fichas. Ali, encontrei-me de súbito com nove cartõezinhos na mão, as tais fichas. Ao meu tacto pareciam todas iguais. Não eram: cada uma indicava um tratamento e um dia determinado, e pediam-me que as entregasse de acordo com o nome do tratamento e a data nelas inscritos. Localizar a ficha certa afigurou-se-me então uma missão impossível. Estava prestes a render-me à inevitabilidade da ajuda quando a funcionária começou a pôr ordem naquele caos: envolveu cinco fichas num elástico, - eram as ondas curtas - e as quatro restantes num outro, as enteroclises.
A missão ia-se tornando possível, afinal. Para entregar as fichas por ordem ocorreu-me de imediato pôr o talão Multibanco por cima da primeira das cinco. Mais tarde descobri que nem era preciso talão. Foi quando um rasgo de intuição me levou a questionar sobre se as fichas seriam de facto exactamente iguais. Suscitada a dúvida, apalpei-as com minúcia. E as minhas mãos, habituadas a ler braille, detectaram saliências minúsculas de um dos lados. Eram letras, esclareceram os olhos da minha acompanhante.

Por essa altura já o horário e o preço do seu serviço tinham sido acordados. O nosso dia começava pontualmente às oito e um quarto. Ela esperava-me a princípio à porta do quarto, depois na recepção, por último já ao fundo das escadas. Ou fosse por causa dos chuviscos matinais, ou a pretexto da comodidade, brindou-me várias vezes com transporte no seu carro.

Entre as tomas de água, de 20 em 20 minutos, os tratamentos e a caminhada de regresso à pensão fugiam duas horas. Havia pouca gente nas termas. Para arrelia e perplexidade da minha jovem guia, todas as manhãs lá estavam duas mirones a olhar para nós sem cerimónia. Mais inconformada ficou quando um estranho nos abordou à queima-roupa para criticar a forma como eu me estava a deixar conduzir. Por ter um genro cego, muito desenvolto como se apressou a dizer, julgou-se credenciado para ensinar que eu devia segurar o braço da minha acompanhante junto ao cotovelo. Retorqui que também sei essa regra, só que nós as duas ajeitávamo-nos melhor assim, de mão dada. E de mão dada continuámos, rebeldes, o nosso caminho. Pelas 10 e um quarto regressávamos à pensão para o merecido pequeno-almoço.

O turno da tarde, das 5 às 6, era mais suave, pois o único item obrigatório consistia numa toma de água. Prestava-se a diálogos, em simultâneo com caminhadas mais longas, tanto quanto possível em locais aromáticos.

Veio à conversa o sistema braille. Ela manifestou vontade de conhecer o alfabeto. Escrevi-o com a velha régua que costumo trazer na carteira. No domingo de manhã, como não havia tratamentos, e como de barriga vazia escasseiam as forças para actividades físicas, aproveitámos o tempo de espera entre as tomas de água para a nossa aula. Sentadas num banco ao ar livre, ela escreveu a tinta, ao lado dos caracteres braille, os respectivos equivalentes. A seguir ditei-lhe a frase curta que também constava na folha. Depois, com ajuda da cábula e sob a minha orientação, decifrou a última frase da folha. E levou TPC. Na terça-feira recitava-me, triunfal, a quadra que eu tinha escrito para ela.

Exceptuando as três horas diárias em que eu tinha companhia assegurada, o resto do tempo era passado na pensão. Uma maçada? Um fardo de solidão? De modo algum. Na bagagem Apenas tinha levado a minha aparelhagem com rádio, gravador e leitor de CD, o meu tricô e uma revista para ler. Além do telemóvel na carteira. Um telefone e um televisor faziam parte do equipamento do quarto. Impressionante como de tão pouco se pode tirar tanto! Quantas coisas diferentes cabiam naquelas quatro paredes! Música ligeira e clássica, dança (ainda que sem par), trabalho manual, leitura, notícias do mundo inteiro e comunicações com pessoas distantes. Era só eu querer, o meu despretensioso quarto sem varanda elevava-se à transcendência de uma igreja, pois até para comungar em oração e ouvir mensagens de esperança a rádio me oferecia oportunidade!

Quando o apelo de presenças humanas reais era mais forte, eu saía para as áreas colectivas da pensão, cada vez menos hesitante.

Desde o momento da chegada compenetrei-me de que a impressão que deixasse poderia favorecer (ou prejudicar) a aceitação futura de hóspedes cegos. Por isso comecei logo a tentar aprender os trajectos para os locais onde precisava de ir com mais frequência. Enquanto a recepcionista me ajudava num desses aprendizados iniciais, duas hóspedes associaram-se, por curiosidade, ao desenrolar da cena. Expliquei-lhes que me são indispensáveis pontos de referência para me locomover sem ajuda, dei exemplos de coisas diversas que servem de pontos de referência, mostrei-lhes como indicar o pormenor fundamental da direcção certa. Era tal o entusiasmo que me contagiaram, ao ponto de lhes demonstrar as noções de “alinhar” e “enquadrar”.
As improvisadas professoras de mobilidade saíram-se magistralmente! Conquistámos o fundo das escadas traseiras, logo depois o bar. Então desvendaram-me uma descoberta que faria toda a diferença. Estava ali, como por magia, um percurso plano, rectilíneo e estreito, ladeado de heras e hortênsias, onde eu podia saciar a minha sede de movimento e de natureza sem depender de ninguém e sem o mínimo risco de me desorientar. Era o espaço que mediava entre o parque de estacionamento privativo da pensão e a saída para a estrada, no extremo oposto - cerca de 200 passos em cada sentido. Sempre que me apetecia, pegava na bengala e lá ia eu, de cá para lá, de lá para cá, às vezes em marcha acelerada, repetindo o circuito até me cansar, qual animal preso a uma corrente, mas ainda assim fruindo a plenitude de uma sensação de liberdade. Nos pontos aromáticos comprazia-me em parar para inalar fundo e gozar a paz perfumada que deles se desprendia.
Numa exploração sorrateira do rés-do-chão deparei-me com uma escadaria a descer a pique, escondida a um canto. Nada que o uso correcto da bengala não resolva, aliado à prudência requerida quando se pisa terreno desconhecido.

Um dia as minhas ambições excederam-se. Então o perigo espreitou. Foi quando quis apanhar sol, imaginando-me na praia. No regresso da água da tarde pedi à minha guia que me deixasse junto da piscina da pensão, à saída para a estrada. Ela escolheu uma cadeira onde os mergulhadores não me salpicassem, ajeitou o chapéu por forma a dar-me sombra na cabeça e despediu-se por fim, não sem recomendar cuidado ao ir embora para não cair à água. Fiquei em biquíni, de pé, virando-me de frente, de perfil, de costas e outra vez de perfil, como se quisesse ser fotografada em várias posições. Até que o calor do sol deixou de me afagar a pele. Da piscina chegavam-me vozes indistintas que não me inspiraram confiança. Hesitei. Quando dei por mim já só ouvia silêncio à minha volta. A hora do jantar aproximava-se. Se eu não aparecesse na sala a tempo, alguém iria certamente procurar-me, e ninguém da pensão sabia onde eu estava. Não me podia permitir desconsiderar assim as pessoas que à mesa me prestavam um serviço VIP, pelo qual me deixei preguiçosamente mimar. Com as voltas dadas no recinto da piscina até escolher a cadeira, eu tinha perdido por completo a direcção da saída. Que fazer?... Não arrisquei. Puxei pela cabeça. Peguei no telemóvel e liguei para a recepção pedindo ajuda. Apareceu o patriarca da casa, um tanto apanhado de surpresa pela invulgaridade do expediente. Solícito, reconduziu-me a porto seguro, a mão trémula no meu braço denunciando-lhe a idade.

A semana pareceu-me mais curta. As compras na loja das lembranças anunciavam-lhe o fim. Passa sempre depressa o tempo em que nos sentimos felizes, não é? Revivi-o ao escrever este texto, simplesmente por gosto, qual eco que reverbera um som.

A fechar em beleza esse período de sorte, surgiu-me inesperadamente uma boleia para casa.
Quando o automóvel deixava para trás a paisagem de Monte Real, já com saudade eu murmurava: “Adeus, Santa Rita! Até para o ano, quem sabe?...” Será que a santa ouviu?...

segunda-feira, dezembro 15, 2008

Biba: 16 anos!!


Já dei cartinha, já fui buscar a amiga que chegou de ônibus de Joiville (bem-vinda, Marília!!!), já fui no supermercado comprar as coisas do churrasco que vai ter hj à noite (e que eu não vou comer, pois eu e o Guilherme temos que "vazar" p/ dar liberdade a ela e aos amigos/as), já encomendei o bolo "Dois Amores" e 150 brigadeiros (esse aqui em cima é só mesmo pra ilustrar).

Mas também mandei os votos pelo msn, e tb vou deixar registrado no Orkut.

Mãe moderna é assim!!


Silvia diz:
PARABÉNS, MINHA QUERIDAAAAA
Silvia diz:
FIZ UM BOLO "VIRTUAL" PRA VC, ESPERO QUE VC GOSTE.
Silvia diz:
PARABÉNS A VOCÊ, NESSA DATA QUERIDA
Silvia diz:
MUITAS FELICIDADES, MUITOS ANOS DE VIDA!!
Silvia diz:
E PRA BIBA NADAAAA!!!
Silvia diz:
TUDOOOO
Silvia diz:
COMO É COMO É QUE É??
Silvia diz:
É PIQUE, É PIQUE, É PIQUE, PIQUE, PIQUE!!
Silvia diz:
É HORA, É HORA!!
Silvia diz:
RA-TIM-BUM!!!
Silvia diz:
MARJORIEEEEE!!!!
Silvia diz:
BIBAAAAA
Silvia diz:
ZILHÕES DE FELICIDADES MULTICOLORIDAS!!!

sexta-feira, dezembro 12, 2008

Novela mexicana

Hoje, a novela teve mais capítulos, cheios de emoções e de lances incríveis!

- O delegado de polícia liga para a loja Fast Shop e pede para a gerente atender a gente decentemente. Para evitar uma ocorrência, diz ele.
- Os técnicos da loja constatam que eu não estou louca... Olha como sai o texto digitado no Gmail no notebook:
á, etou cansada quer ir pra casa (já estou cansada, quero ir pra casa)
não guento ai ficar ai (não aguento mais ficar aqui)
ocrro (socorro)
é o fi (é o fim)
nõ dá ra sresse notebook (não dá para escrever neste notebook)
estou cansada estressaanão deu defeit (estou cansada, estressada, não deu defeito...)


- A simpaticíssima Isabel, do SAC do Villa Lobos, toma as nossas dores e me liga dizendo que não estava certo o notebook ficar nos "achados e perdidos" e que ela tinha pedido para a gerente da loja resolver o problema com o consumidor (nós).
- Depois de hooorrrraaaaaaaasssssssssssssss intermináveis de testes na rede wifi da loja vizinha (nem isso eles têm), decidem baixar o navegador Mozilla e me mostram - olha que bonitinho - no Mozilla não dá defeito!!
- Teste com outro notebook dv2690 da loja - veja que espantoso, dá o mesmo defeito!! (o texto é esse aí de cima, do notebook novinho em folha).
- Ah! então o problema é com a Microsoft.
- Não! - diz o Guilherme, minha mulher não vai ter que falar com a Microsoft. Nós compramos o notebook na Fast Shop e o problema tem que ser resolvido por vocês. Remediar não é a solução.
- Conclusão de hoje: a gerente da loja vai falar com a HP, e a HP vai ligar pra gente até terça-feira.
- Você acreditou? E em papai Noel, vc tb acredita?
- Conclusão 2 - o notebook dv 2690 é bonitinho, mas ordinário. Aposto que tem mais consumidores com esse mesmo tidpo de problema.
Pensa que acabou por hoje?????? nããããããnaninãããnããããooooo
- Chego em casa e resolvo usar a minha boa vontade, OK. vamos usar o Mozilla, tudo bem...
- Porém, o Windows não foi capaz de identificar minha rede sem fio (by the way, essa que eu tô usando agora, no OUTRO computador, óbvio!!!) Reinicia. Nada de rede.
- Juro, que nem a Scarlett O'Hara em E o Vento Levou: eu não quero mais esse HP Pavillion dv 2960br nem de graça. E o pior é que na segunda-feira vence a primeira prestação.
- Sobe o som de suspense....
(já preenchi uma reclamação no Reclame Aqui também)

quinta-feira, dezembro 11, 2008

Problemas com HP e Fast Shop






Compramos o notebook no dia 11/11, na Fast Shop do Villa Lobos. E hoje, exatamente um mês depois, meu marido deixou o coitado na porta da loja. Isso depois de ter passado uma hora e alguns minutos com o help desk no telefone, e mais umas duas horas no chat da assistência técnica e depois de ter estado na loja umas seis vezes, pelo menos. Portanto, aconselho você que me lê, a nunca jamais em tempo algum comprar um HP na Fast Shop para não se arrepender depois. O modelo é o Pavillion dv2960br, aquele sofisticado, que tem desenhos e reconhecimento de impressão digital. Eu não gosto de palavrões, mas o notebook é uma bela b....... Fuja! Nem sei o que vai acontecer agora. Estou arrependida até o último fio de cabelo. Os números das "sessões" (como eles chamam) de atendimento por chat são: 419828 e 419868.
UPDATE:
Me ligaram agora do SAC do shopping Villa Lobos.
- Sra. Silvia?
- Eu mesma.
- A senhora "esqueceu" um notebook aqui na loja Fast Shop? A gerente da loja entregou aqui no "Achados e Perdidos" do shopping.
Veja você! Agora está caracterizado o pouco caso da Fast Shop para com um cliente insatisfeito. A briga tá começando a ficar boa. Aguarde os próximos capítulos dessa emocionante novela, recheada de sangue (estamos dando o sangue pra resolver esse caso), suor (pra pagar as prestações do dito cujo) e lágrimas (de revolta, já derramadas à profusão).

quarta-feira, dezembro 03, 2008

Os 10 porta-retratos

Ainda falta pôr o rejunte, pintar e encerar. Mas, basicamente, eles ficaram assim (desculpe pelas fotos tremidas... é a pressa):


























segunda-feira, dezembro 01, 2008

Sem Reservas


Dica de comédia romântica, caso você ainda não tenha visto: Sem Reservas.

É aquele com a Catherine Zeta-Jones e o charmoso e simpático Aaron Eckhart.

A menininha é a mesma de "Pequena Miss Sunshine", a fofa Abigail Breslin.

Resumo: Uma chef de cozinha perfeccionista e metódica tem sua vida alterada com a súbita chegada de sua sobrinha de 9 anos (que fica órfã - e eu já comecei a chorar nessa hora mesmo, logo no começo do filme) e a contratação de um subchef bem alegre, que vive ao som de óperas italianas. Dirigido por Scott Hicks (Shine - Brilhante). Muito bom! Adorei.

Vi no intervalo da produção da minha encomenda de 10 porta-retratos de mosaico. Depois ponho as fotos.


segunda-feira, novembro 24, 2008

I am going gray too


Então, é isso. Estou ficando grisalha, mas meus dias não estão passando em branco, não. Ao contrário. Tá tudo muito agitado, tô cheia de dúvidas quase "adolescentes", profissionalmente falando.
E também preciso falar sobre o dia em que fui tomar chá no Iguatemi com a Fran, que ela comentou aqui embaixo. Foi muito legal. Registramos nossos pedidos, mas não tiramos foto da gente. Falha... Coisas de quem tá ficando grisalha.


Tem também várias fotos novas no Flickr (link aqui do lado, naquela janelinha que fica mudando) pra ver, principalmente da Helena.

E a Biba fez Fuvest ontem, como treineira. Até que foi bem, acho. E hoje ela tem prova na escola nova. Quer mudar de escola, no terceiro colegial. Isso tá uma briga, aqui em casa.... Isso também me "provoca" mais cabelos brancos.
E ontem foi a festa da Seara, do meu grupo de trabalho de lá. Foi bem bacana, apesar de chuvarada que caiu no final. Incrível como tudo na vida tem dois lados, né? Acho que aquele símbolo do yin/yang caberia bem aqui neste post.

domingo, novembro 23, 2008

Going Gray



Então. Já faz mais de um ano que tomei essa decisão!! E estou firme no meu propósito, embora "engasgue" às vezes ao ver a reação (disfarçada) das pessoas que não me conhecem e me vêem pela primeira vez.

Viu com a Jamie Lee Curtis tb aderiu à moda do Going Gray?? Bacana. Tem a ver com autenticidade, mas com coragem também. De ir contra a corrente.

sexta-feira, novembro 21, 2008

Dica

A dica de hj é ler o post da Fran: "As amantes dos grandes escritores franceses". Tudo a ver com o Consulta Sentimental. Bom porque ela me poupa o trabalho de escrever, rsrsrs. Mesmo porque pra mim hj NÃO é feriado....

segunda-feira, novembro 17, 2008

Cores


Da newsletter daquela loja descolada, a Imaginarium:

Pesquisas indicam que traços de personalidade podem ser revelados pela cor favorita. Extrovertidos preferem vermelho, tímidos, azul, intelectuais escolhem o amarelo, e indivíduos mais equilibrados tendem para o verde. O famoso psiquiatra suíço Carl Jung encorajava seus pacientes a usar a cor em suas pinturas para expressar os segredos do inconsciente.

A minha? Amarelo, claro. Sempre foi, desde pequenininha, desde antes de saber falar a palavra direitinho. Meu doce preferido é o bombocado (amarelo), minha flor preferida é o girassol (também a margarida). Viva o amarelo!!

Sei que aqui não é lugar e sei que estou devendo várias consultas sentimentais pra um monte de gente, mas fiz um novo blog pra minha empresa: Casa Amarela 140 comunicação 2.0. Passa lá.

terça-feira, novembro 11, 2008

Boteco Bohemia, o resultado

Tô cansada demais pra qualquer coisa, mas deixo aqui o registro do agradecimento da Rafa, minha querida nora do meu coração (de verdade).Obrigada tb a quem participou!

Amigos, Amigos, Meus queridossss...
É com muita alegria que venho aqui contar o resultado do Boteco Bohemia, que coloca 31 bares para concorrer entre si nos quesitos de Melhor Petisco, Melhor Atendimento e Melhor Ritual de servir a Bohemia.
O Portella ficou em Terceiro lugar no Melhor Petisco, em Terceiro lugar no Melhor Atendimento e em Segundo no Melhor Ritual de servir a Bohemia, fomos o único bar a subir no palco para receber "o troféu" nos três quesitos. A festa foi tamanha que teve gostinho de primeiro lugar em tudo, algumas pessoas se aglomeraram em frente ao nosso estande para participar da festa que não se calava ao som de Jorge Ben Jor num grito de Portella, Portella, Portella. Foi demais, chorei, choramos muita emoção, muito trabalho, muita dedicação, muito amor... Sem palavras!
Não poderia deixar de vir aqui e agradecer, agradecer muito, pois o prêmio é resultado de muito trabalho e esforço, mas principalmente de amizade e de carinho.
Ano que vem estamos aqui novamente para lutar com mais força, mais garra pelo Primeiro lugar e nos programar mais para todos vcs estarem lá no dia da premiação, comendo, bebendo, cantando, torcendo...
Obrigada, Obrigada, Obrigada de coração.
Um grande beijo,
Família Portella

terça-feira, novembro 04, 2008

Vida nova




Pois bem, resolvi agora em novembro dar uma virada na minha vida.
Em todos os sentidos.
Preciso de mudanças.
Mudanças e mais mudanças.
Pra que esperar por janeiro, né??
Primeira coisa concreta que fiz e que merece registro: me matriculei na hidroginástica no clube. Hoje foi a primeira aula. Surpresa!! Aula particular, sou a única aluna. O professor explicou que é horário novo. Como eu estou totalmente fora de forma, o professor pegou leve e eu nem vi passarem os 45 minutos de aula, pulando lá dentro da água. Agora a piscina do clube não leva mais cloro e sim sal. E o aquecimento é solar!! Estava quente pra caramba. Até podia estar um pouco mais fresquinha que eu não ia reclamar.
Eu sei dizer que o exercício físico, por mais preguiça que dê no começo, dá uma sensação de satisfação inenarrável no final.
E vamo que vamo, porque agora mais do que nunca eu tenho um "leão" pra matar por dia, no sentido fugurado. Agora tenho que cuidar direitinho da alimentação. Vamos ver se sigo a dieta dos pontos.

quarta-feira, outubro 29, 2008

Niver

Hoje é aniversário do Consulta Sentimental. Mas não vai ter festa. Minhas atuais 4 tarefas profissionais me impedem de comemorar à altura. Só que eu não podia deixar passar em branco total, né?? Afinal, minha criança completa hoje 5 aninhos de vida. Me orgulho disso! Parabéns pro Consulta!! É pic, é pic, é pic-pic-pic!! É hora, é hora, é hora, é hora, é hora, rá-tim-bum!

quarta-feira, outubro 22, 2008

Confiança se recupera??

Então... depois de um looongo inverno, em que meus palpites não vinham sendo solicitados, apesar do nome e da proposta original do meu blog, hoje recebi uma consulente muito querida.
Ela e o marido resolveram dar um tempo. Ele sentiu-se traído por ela ter lá os seus "segredinhos", resumindo a história.

Vou publicar aqui uns trechos do que falei pra ela (ela me autorizou) porque acho que meus pontos de vista podem, de repente, ajudar mais alguém que esteja vivendo uma situação semelhante.

Eu disse assim:

Esperei um momento mais tranquilo do meu dia p/ te responder com todo o carinho e a dedicação que vc merece. E p/ tentar te ajudar, com as minhas palavras, ainda que "virtuais".

É bem difícil opinar sobre uma situação que não conheço de perto, mas como me propus a fazer isso, não posso (e não vou) recuar.

Olha, amiga, eu acho que o que você fez não foi uma traição tão brutal como vc diz. Menos, amiga, menos.

Fazer algumas coisas e "esconder" só pra gente não é tanto "pecado" assim. Se for uma coisa que não prejudica ninguém, menos mal ainda. É normal, todo ser humano quer ter seus segredinhos de vez em quando. Mas, pelo que vc me conta, que o relacionamento de vcs já estava um pouco difícil por outros motivos, às vezes fatos sem importância começam a ganhar contornos mais dramáticos, que culminam em muito sofrimento para ambas as partes.

Se vocês se amam, e eu acredito que sim, então é preciso batalhar sim para recuperar esse amor. É como uma plantinha ferida ou atacada por pulgões. Ela pode morrer. Ou não! Sempre prefiro acreditar naquela história do copo meio cheio, sabe?

Isso de quebrar a confiança... bom, acho que confiança não é um cristal ou uma porcelana caríssima e irrecuperável. Eu também já perdi a confiança no meu marido muitas vezes e ele em mim. Quem estiver junto de alguém há 30 anos, como nós, e disser que a confiança no outro nunca sofreu abalos, pode crer que tá blefando. Confiança a gente recupera. Bem mais fácil recuperar a confiança perdida do que o amor perdido, convenhamos.

Vi um filme outro dia (The Last Kiss. Mais aqui: http://www.omelete.com.br/cinema/the-last-kiss-veja-os-dramas-de-zach-braff-no-trailer-e-em-dez-clipes ) em que o marido tinha traído a mulher grávida dele. Ela ficou bravíssima, e com razão. Deu um castigo bem dramático p/ ele, deixou o rapaz dormindo na varanda por dias. Mas ele não arredou pé de lá, até que fizeram as pazes. Sempre é tempo de fazer as pazes. Olha que expressão mais linda!! Fazer as pazes.

Acho que é tudo uma questão de equilíbrio, de sinceridade. Assim, se você acha que consegue agüentar ficar esperando mais um pouco, OK. Senão, não tenha vergonha de ir atrás dele, de lutar de verdade pelo amor dele, para reconquistá-lo. Não existe amor sem sofrimento, em algum momento, minha amiga.

E quer saber mesmo o que eu acho?? Que sem sofrimento ficaria tudo sem graça. A vida não é uma propaganda de margarina. Os momentos tristes só servem mesmo para realçar a beleza dos felizes. Desejo que você seja muito, muito feliz.

E só mais uma coisinha, sobre aquela parte q vc fala que seu marido chorou etc e tal. Ele permitiu isso, ele que permitiu que suas atitudes tirassem a paz dele. Não sei se vc me entende. Mas vamos ver por outro lado. Cada pessoa é dona da sua "paz" e o "segredo" é não permitir que ninguém nos tire a nossa paz de espírito. Ele foi susceptível, a ponto de sentir seu orgulho ferido e chorar por isso. Essa atitude também não é madura o suficiente. É lógico que não quero que vc diga isso a ele jamais (eis aí outro "segredinho"...) só falei mesmo para que você comprenda, querida, que tudo nesse mundo tem dois lados (ou mais). As coisas são sim complicadas, as pessoas também.

E, se for esperar mais um pouquinho, aproveite p/ ler o Comer, Rezar e Amar, que é um livro maravilhoso e que vai te emocionar. Força, aí, minha querida e talentosa amiga.

terça-feira, outubro 14, 2008

terça-feira, outubro 07, 2008

As flores de plástico não morrem


Mas eu prefiro as verdadeiras!! Nossas marias-sem-vergonha da calçada simplesmente estão adorando a chuvarada.

quinta-feira, outubro 02, 2008

Obras de arte

Pra mim, a verdadeira obra de arte toca o coração. Caso isso não aconteça, não se trata de uma obra de arte. Na minha concepção, é claro. Ultimamente, convivi com pelo menos 3 obras de arte: o quadro da Cris Alcântara, que ficou pronto (ainda não pendurei, porque ficou pesado e precisa de um profissional pra isso), o livro "Comer, Rezar e Amar", que terminei de "devorar" ontem, e o filme "Ensaio dobre a Cegueira". Acho que as obras de arte são fundamentais p/ fazer a gente agúentar o tranco da vida.
Elas fornecem poesia à nossa vida, temperam o nosso humor e nos fazem mais tolerantes.
Quem busca o amor, deve aproveitar a chance de usufruir das obras de arte, sempre. Desse jeito, a pessoa fica mais receptiva e o amor tem mais chances de acontecer.
O que costuma acontecer comigo, quando termino um bom livro, ou quando acabo de assistir um bom filme, é uma vontade de não ter visto ou lido aquela obra, p/ poder sentir de novo aquelas mesmas emoções que ela me provocou.
Nossa vida precisa tanto de emoção. E quem me disser que encontra isso até na novela das sete, tá valendo. Cada um pode encontrar a poesia onde quiser, onde for mais fácil. Agora, na primavera, então, fica mais fácil ainda. Pra mim, coisa linda de se ver é uma calçada forrada de flores caídas de uma árvore, formando um tapete macio e lindo. Tenho essa foto. Tirei ontem, quando tava manobrando o carro pra sair de casa em direção ao trabalho. Mas ainda não deu pra baixar. Prometo voltar e ilustrar meus últimos posts, quando der.

terça-feira, setembro 30, 2008

Primavera

Sei que tô meio atrasada, mas antes tarde do que nunca.... Só mesmo pra contar que o Guilherme contratou um jardineiro pra plantar várias marias-sem-vergonha na nossa calçada.
Assim que conseguir, coloco a foto aqui.

sexta-feira, setembro 26, 2008

Parabéns, Guilherme!!!!!


Hoje é o dia do aniversário do Guilherme. Estamos juntos há tanto tempo, que nossas histórias se confundem, nossas personalidades, e acho que até estamos ficando parecidos fisicamente. Meu mardo é uma pessoa encantadora, cativante, mesmo. Eu morria de ciúmes dele quando começamos a namorar, porque a mulherada dava em cima mesmo, na maior. Hoje, ele ainda chama todas as mulheres de "querida", mas me curei dos ciúmes.

Ele era muito lindo! Cabelos cacheados, olhos verdes, simpático, extrovertido, animado... (somos o casal do lado esquerdo da foto, dos velhos tempos, que a Haydèe - no meio, na foto, de franjinha caída nos olhos - encontrou um dia desses)

Hoje ele faz 56 anos. Tanta estrada percorrida nessa vida!! Tantas conquistas, tanta luta, tantas alegrias e sonhos realizados!!! Temos muito a agradecer.

Embora os cabelos cacheados tenham ficado no passado distante, vejo outras qualidades igualmente maravilhosas no meu marido. Ele tem um coração enorme, é incapaz de ver alguém com algum problema e não tentar ajudar.

Tenho histórias fantásticas para contar sobre isso. Uma vez me aparece ele lá em casa com uma alemãzinha de trancinhas, que ele encontrou na rodoviária. Ela estava perdida, tentando ir para a Favela Monte Azul. No fim, a garota dormiu lá em casa e a levamos para o seu destino no dia seguinte.

Bom, nem o blog inteiro com todos os seus 611 posts (com este 612), seriam suficientes pra falar sobre como é grande o meu amor e a minha admiração por esse homem, que nunca deixa a peteca cair!!!

Então como tudo sempre acaba em pizza, vou terminar falando dos momentos agradáveis e divertidos que tivemos ontem à noite, quando fomos comer pizza na Braz de Pinheiros, com os amigos dele do tênis e suas respectivas mulheres. Foi muito bom!!!! Mas haverá ainda muitas comemorações durante o finde!!

Gui, meu amor, desejo a você toda a felicidade desse mundo, o que é um desejo um pouco egoísta, reconheço, pois você estando feliz, eu também estarei!!! bjssss

terça-feira, setembro 23, 2008

O trem da juventude é veloz


Você sabe que a juventude está ficando REALMENTE pra trás quando suas amigas mais novinhas, aquelas que vc achava que eram jovenzinhas de tudo, estão todas completando 30 anos!!! Que coisa...

sábado, setembro 20, 2008

Casamento em Las Vegas


Nunca estive na praça San Marco, na Itália, mas estive em Las Vegas, onde tudo é possível. E não é que tem gôndolas à la Veneza e até uma praça San Marco falsa por lá? Mais precisamente no hotel Venetian.

Embora falsa, a pracinha é bem charmosa, apesar de céu também falso. Experimentei sorvete de lichia, mas recomendo o de limão, pois é feito de limão siciliano, uma delícia!!

E sabe o que vi lá? Sim, você acertou: um casamento de japoneses (não sei se eram mesmo japoneses, mas tinham aqueles olhinhos puxados), em cima da ponte dessa praça. Convidados, uns poucos, mas platéia, havia sim muita gente curiosa, com aquela cerimônia. A noiva de branco, o noivo todo elegante... Música logo depois do "sim"...

Engraçada essa história dos casamentos "descartáveis" que acontecem em Las Vegas, em qualquer canto.

Artistas famosos se casaram ali. Alguns separaram-se após algumas horas, outros após alguns meses. Poucos duram anos.

Na verdade, para mim, a cerimônia em si tem pouco ou nenhum significado. Mas como tem gosto pra tudo, se você quer mais informações sobre esse tipo de casamento, clique aqui. E foram felizes para sempre??

quinta-feira, setembro 11, 2008

Bolo da Fartura


A moda voltou. Ontem fui tomar chá da tarde na casa da minha comadre Vilma (que coisa mais chique!!) e ela fez o bolo da fartura. É uma espécie de corrente, que a gente faz, com ótimas intenções, e depois passa para 3 pessoas. Mas digitei de novo a receita, que tava cheia de erros de português, e tentei corrigir uma distorção, quanto à suposta procedência do fermento. Enfim, quer venha o fermento de onde vier, isso pouco importa. O que importa é a fé e o merecimento de cada um, para conquistar a abundância que o Universo nos oferece sem cessar. Cabe a cada um de nós acreditar em um Destino melhor.

E depois, que mal existe em fazer um bolo cheio de boas intenções??

segunda-feira, setembro 08, 2008

Obrigada


Com a palavra, a Rafaela, sobre o Portella:


Amigos queridos,

É com muita alegria que comunico que passamos para a segunda fase do Boteco Bohemia. (Uhhuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu)

Agradeço muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito todos os votinhos, todos os e-mails encaminhados!!!!!

Obrigada, Obrigada, Obrigada, Obrigada.....

A alegria e a confiança para o prêmio estão demais por aquiiiii!!!!

Graças a todos vcs!!!!

Amamos muitoooooo todosss!

Bjs

Família Cury Schibik

sexta-feira, setembro 05, 2008

Uma questão sentimental

Questão sentimental não diz respeito só ao amor entre um homem e uma mulher.
Amor é um laço que deveria unir todos nós, toda a Humanidade.
No dia em que a Terra chegar a este estágio, seremos mais felizes, mais livres. Já pensou você sentir que é amado por TODAS AS PESSOAS?
Deve ser muito legal...
Mas enquanto esse dia não chega (porque eu acredito que chegará, ainda que eu não esteja nessa vida pra ver), a gente vai tentando ser gentil com os nossos amigos queridos, o que já é um bom começo, digamos.
Então, ontem preparei um almoço especial para uma amiga querida.
Fiz risoto de limão siciliano com uma receita de pescada que faço há anos, testada e aprovada, chamada "Peixada Ilha Bela". De entrada, uma salada de folhas verdes e tomate com azetonas. De sobremesa, uma arrumação especial em taças de um mousse de maracujá enfeitado com geléia de amora e suspiros. Foi um almoço muito agradável e essencial para a alma, sabe?
Minha liberdade profissional me permite certos luxos, como esse: um almoço especial em uma plena quinta-feira.
Ao mesmo tempo, foi meu primeiro dia de regime alimentar (com remédio, mesmo, meio radical, mas necessário).
Enfim, eu precisava vir aqui contar isso, porque sei que pode servir de exemplo para mais alguém. Faça alguma coisa parecida. Você vai ver como sua alma fica mais leve. É muito bom fazer uma coisa por alguém desisteressadamente, só pelo prazer de ver a pessoa homenageada se sentir bem com aquilo.
E o mais legal de tudo foi que não desmarquei o almoço em função de um compromisso profissional que vinha se arrastando há semanas, e que perigava cair justo no mesmo dia/horário. Dizer "não" também pode ser algo extremamente libertador. Também faz bem para a alma.
E assim o "Consulta" mais uma vez volta às suas origens.
Para mim, não existe NADA mais importante do que o amor, a amizade, a vida pessoal, enfim. Tomara que mais pessoas se conscientizem disso. O preço que a gente paga para ter $$$ às vezes é alto demais. As pessoas negligenciam até a sua própria saúde, em detrimento do trabalho. Trabalhar é algo nobre, mas tem limites. Como tudo na vida. Pronto, é isso.

sexta-feira, agosto 29, 2008

Um pouco de ficção

Abre parênteses: obrigada pelos votos, a votação continua, mas vou colocar uma história de amor diferente aqui hoje. Fecha parênteses.

Uma família muito especial

Somos uma família de ratos. Vivemos no esgoto de São Paulo. Aqui tem muito alimento e é um lugar muito bom para se viver. Meu avô sempre diz que no tempo dele era diferente, os perigos eram maiores. Hoje em dia, vivemos no sossego do esgoto e ninguém é capaz de nos tirar daqui.

Nós, ratos, somos animais muito legais, não gostamos de incomodar o Homem. Nós nos escondemos porque cada vez que um de nós aparece é um deus-nos-acuda. O Homem sai correndo, a Mulher sobre em cima de uma cadeira e fica gritando. É sempre assim. Nós não gostamos de confusão. Queremos ficar no nosso canto, com os nossos restos de comida, não amolamos ninguém.

Nós só temos muito medo mesmo é de uma coisa chamada ... Ratoeira. Meu avô sempre diz que havia muitas Ratoeiras no tempo dele. Agora, há poucas. Eu mesmo, que ainda sou jovem, nunca vi uma em toda a minha vida. A minha avó não deixa a gente falar essa palavra. Ela diz que não pode, que atrai. Sei lá o que isso quer dizer. Ela diz assim: “aquela palavra que começa com erre...” cobrindo a boca pra ninguém enxergar e nem ouvir direito.

Na semana que vem vai ser o casamento da minha irmã. Ela demorou pra escolher o noivo. Ficava com um, depois com outro. Mas agora ela conheceu o rato que vai faze-la feliz, diz ela. Eu não sei, porque ainda sou muito novo pra saber sobre essas coisas de casamento. Só sei que ele parece ser um cara legal. Um dia me trouxe um pedaço de queijo de presente. Provolone, que eu adoro!!

No casamento da minha irmã a gente vai fazer uma grande festa e convidar todos os ratos do esgoto! Vai ter até DJ e a gente vai dançar a noite toda. Quer dizer, eu não, porque sou novo e tenho sono cedo. Mas vou ficar na festa o máximo que eu conseguir. Meu pai disse que eu posso porque é o casamento da minha irmã e nem todo dia é casamento da irmã da gente. Por isso vou poder ficar acordado até tarde. Vai ser o maior legal.

De comida, vai ter queijo de tudo quanto é jeito! Queijo branco, queijo coalho, queijo amarelo, queijo gorgonzola, queijo camembert, queijo mussarella, queijo provolone, queijo parmesão, queijo gouda, queijo prato, queijo garfo.... Existe queijo garfo? Não sei, mas acho que deve existir, sim. Se existe, vai ter no casamento da minha irmã. O noivo dela é muito rico.

A minha mãe tá histérica. Parece que é ela que vai casar. Ela disse que tem que cuidar de todos os preparativos, que vai vir até o prefeito e que tudo precisa estar impecável. Que nada pode dar errado, que o bolo de queijo tem que ser o mais bonito que já se viu no esgoto, que minha irmã não pode isso, não pode aquilo, que tem que jogar o buquê assim, assado... Ela fala tanto que eu fico até tonto de ouvir e vou fazer outra coisa. Até saio de perto quando ela fica assim atacada.

Minha irmã me contou que até os fotógrafos da revista Ratas vão vir pra fotografar o casamento dela. Depois do casamento, ela contou que vai ter lua-de-queijo. É assim: eles viajam pra um lugar bem legal, ficam lá uns dias e depois voltam. Ela me disse que eles vão viajar até o túnel do metrô, na Estação Paraíso. Com esse nome, deve ser bom, né? Diz que lá tem um monte de coisas gostosas pra comer e que tem passeio “com emoção” e “sem emoção” pra fazer. Se fosse eu, ia querer “com emoção”! Mas a minha irmã é medrosa e aposto que ela vai pedir pra ser “sem emoção”! Depois eles vão pra Estação Liberdade. Também deve ser um lugar legal. Mas ela falou que os ratos de lá falam outra língua, que não dá pra gente conversar assim normal com eles. Ela me disse que eles falam ratonês. Acho que é isso mesmo.

Depois, eles vão pra Estação Brigadeiro. Eu adoro brigadeiro! Sempre que tem festa de criança na casa que fica aqui em cima de onde eu moro, a gente vai lá. Porque alguma Criança sempre derruba um brigadeiro e a gente come. A gente vai de noite, depois que todos foram dormir. Dá um frio na barriga, porque eu tenho medo que alguém me veja e me cace.

Meu avô me falou que a gente precisa ter muito cuidado também com os Gatos. Que eles são do mal e que atacam a gente. Que não deixam sobrar nem um pedacinho da gente pra contar história. Eu, hein? Nunca vi um Gato. Mas meu avô me contou como eles são: são peludos, têm um rabo comprido e correm super rápido pra pegar a gente...

Mas isso não interessa agora. Quero contar mais da viagem de lua-de-queijo da minha irmã. Ela disse que vai trazer uma lembrancinha pra mim.

Olha, eu não sei se a sua família é assim tão feliz quanto a minha, Espero que seja. Aqui no esgoto a gente se diverte muito.

Agora eu tenho que ir embora, que a minha mãe tá me chamando. Tá na hora de dormir. E do jeito que ela anda nervosa, é melhor não contrariar. Você quer ir no casamento da minha irmã? Me dá seu endereço que eu vou pedir pro meu pai botar um convite pra você no corrateio, tá?

sexta-feira, agosto 22, 2008

With a little help from my friends


Com a palavra a minha querida norinha do meu coração (vamos lá, please!!!):

É o seguinte, lá vamos nós novamente para a batalha do Boteco Bohemia, mas este ano tem um pequeno detalhe: nós VAMOSSSSSSS GANHAR!!! Assim, como a união faz a força, queria pedir uma super força.

O ano passado não deu para vcs me ajudarem mto, pois acabamos deixando para muito em cima, então segue o planejamento. Este ano acontecerá da seguinte maneira:

1) primeiramente o Portella participará de uma pré-eleição com mais 130 bares para disputar uma das 30 vagas concorrentes para o melhor petisco de São Paulo. Essa primeira votação começou na segunda-feira dia 18 de agosto, pelo próprio site do evento que é www.botecobohemia.com.br. Então peço que divulguem para todas as pessoas conhecidas, e-mail, Orkut, etc...

2) a segunda parte consiste na votação do petisco naquelas cédulas, mas depois a gente fala sobre isso. Vamos primeiro conseguir passar pela primeira votação que não vai ser fácil!!!

Agradeço de coração a força que vcs sempre nos deram e nos dão até hoje, amamos vcs demais, e obrigada por abraçar as nossas causas como se fossem de vcs. São mais que amigos, vcs sabem disso!

Obrigada!
Bjs
Rafa

quinta-feira, agosto 21, 2008

Passada a metade...


... de 2008, encontrei hoje um texto que escrevi quando o ano estava começando. Acho que é um bom momento de registrar aqui, para "agarrar" de novo aquela energia altamente positiva:

2008 promete! A soma dá 1 - a energia do início, do começo de uma nova fase! Para quem viveu intensamente cada momento até aqui, é bom chegar ao ano de completar 50 voltas ao redor do sol. O ano de ser uma escritora de verdade. O ano de colher o que foi plantado com suor e regado com lágrimas. O ano de realizar mais sonhos. O ano de escolher no "Catálogo do Universo" apenas o que for Bom! Bons sentimentos para compartilhar com os irmãos aqui dessa mesma jornada planetária inevitavelmente pontilhada de sofrimento e de dor. Cabe apenas decidir o que fazer com esses sentimentos negativos: transformá-los, transmutá-los, dissolvê-los e abandoná-los (alquimia).

E escolher a esperança, a alegria, o entusiasmo, o amor, a emoção!

Viver intensamente em 2008 para se destacar na multidão. Para que o sucesso venha naturalmente, sem esforço - coroar o êxito de uma filosofia de vida cuidadosamente traçada e vivida.

Os sentimentos negativos deixam a jornada cheia de obstáculos. Deixam o fardo pesado. São eles que impedem o nosso vôo para regiões mais altas e mais lindas, onde o perfume que as flores exalam funciona como um bálsamo para aliviar as dores dos nossos corações sofridos.

(Daí abriu o farol, ou melhor, semáforo)

quarta-feira, agosto 20, 2008

O que tem por debaixo da burca??


Eu sempre brinco com a minha filha (15 anos) que minha roupa preferida pra ela ir às baladinhas dela seria a burca. Lógico que ela não gosta nem um pouco da minha idéia. Mãe é assim, a gente quer proteger a filha da gente, que tá virando uma mocinha linda, dos olhares "gulosos"desses meninos cheios de testosterona pra dar, né?? Tenho uma amiga, OK, vamos chamá-la de Latifa, como ela quer ser chamada, que está traduzindo superbem o jeito como essa garotas enxergam os relacionamentos com os mocinhos. Aqui neste blog! Blog novo no pedaço!! Tomara que ela continue atualizando sempre. tá assim de gente que começa e logo termina os blogs. Espero que este nào seja o caso da minha linda e talentosa amiga. Ah! ela é (de verdade) campeã de dança do ventre.

O blog dela me fez ver como me distanciei da proposta original desse blog... As consultas sentimentais começaram a rarear, fazer o quê? Mas se vc tiver uma dúvida, e quiser o meu palpite, pode me mandar e-mail: sangerami@gmail.com.

Outro assunto: o que você acha do uso de pseudônimos p/ escrever um blog? Meu outro blog, o Efeito Pimenta, eu comecei a escrever com pseudônimo e depois desisti do artifício. O Lelec é outro exemplo de abandono do pseudônimo depois de um ano à frente do seu maravilhoso blog A Terceira Margem do Sena (que recomendo muito, se vc ainda não viu). E vc, o que acha dos pseudônimos??

segunda-feira, agosto 18, 2008

Atualização visual

Almoço de trabalho no sábado na padaria A Trigueira, no Campo Belo.

Almoço no restaurante indiano na sexta-feira, p/ a Estela contar qual seria a "mudança radical".
(teve um jantar muito legal na quinta-feira, mas não teve foto)


Dia dos Pais na casa do Tom, com a família reunida.

Novo layout do meu espaço de trabalho

Voltei a andar na pracinha - mais conhecida como praça dos safenados (do lado do Santa Cruz)

Eis a prova: fiz o bolo de caneca e ficou uma delícia!!

quinta-feira, agosto 14, 2008

Linha do tempo


Um dos meus vááários trabalhos é fazer a linha do tempo de uma empresa. Isso me deu um clique e resolvi fazer a minha própria linha do tempo. É tanto tempo vivido. Já pensou em resumir cada ano em uma linha só? Tô fazendo isso com a minha vida e tá sendo uma experiência bem interessante!

segunda-feira, agosto 11, 2008

Tudo bem!

Foi tudo bem com a cirurgia. Tecnicamente perfeita. Não sinto absolutamente nada e nem tenho que tomar nenhum remédio. Vida 100% normal. Incrível.
Agradeço aos meus fiéis leitores que fizeram o imprescindível "pensamento positivo".
O procedimento se chama vídeo histeroscopia cirúrgica e o médico (professor do HC-USP) faz isso com o pé nas costas (os meus também, aliás... rsrsrs) Mas apaguei, não vi absolutamente nada, acordei em um lugar diferente, morrendo de frio, um monte de caras desconhecidas e eu sem óculos (isso sim foi beeem chato).
Mas enfim, saí do hospital no mesmo dia, na boa. Vou voltar lá no dia 1/9, quando vão me dar o resultado dos testes que estão fazendo lá com os tais pólipos que eu tinha no útero (há um tempão, aliás). Assim, quem tiver procurado isso no Google e que tenha chegado aqui por esse motivo, relaxa, que é uma coisa mega-simples.
Hoje já fui andar na praça e já estou dirigindo, etc e tal. Normal.

Dia dos Pais foi tudo bem também, com macarronada na casa do filho e presentes pro filho (que também é pai, né?)

Liguei pro meu pai, meio atrasada, pra registrar o meu agradecimento, que com o tempo a gente vai percebendo melhor. Só pelo fato de nossos pais nos terem dado a VIDA, a nossa dívida já é gigante.

quinta-feira, agosto 07, 2008

quarta-feira, agosto 06, 2008

A experiência masculina


Hoje a Rafa me manda um torpedo: “tou tão triste”...
Ligo imediatamente pra ela: “Mas o que aconteceu, Rafinha?”
Sabe aqueles dias em que o marido acorda de mau humor?
(Bom, meu filho seeempre acordou de mau humor, só melhorou um pouco depois que a Helena nasceu)
A briga clássica de marido x mulher envolve qual pergunta básica: “cadê as minhas cuecas?”
Pronto, bastou isso para a Rafa ficar triste. Ela respondeu alguma coisa como: "sei lá onde estão as suas cuecas, eu cuido das minhas calcinhas, você que tem que cuidar das suas cuecas, deve ter alguma no varal..." Ela ainda se deu ao trabalho de responder, tadinha!! Eu dou é risada quando meu marido pergunta isso. Foi-se o tempo em que a mulher tinha que cuidar das cuecas do marido, né?
Mas para a Rafa, que nunca conviveu com a figura paterna na infância, a cena foi totalmente inédita. E ela ficou chateada. Pensando em tudo o que ela faz pelo marido...
Só que é sempre assim: eles só vêem o que a gente não faz.
Uma mulher que trabalha e que divide as responsabilidades da casa com o marido NÃO TEM a obrigação de cuidar das cuecas dele.
Eu falei pra ela deixar pra lá, porque não era motivo pra tanto. E também falei que isso NÃO melhora com o tempo... Naqueles dias em que eles estão atacados (será que existe TPM masculina?), pode acreditar que vão perguntar sobre as cuecas (ou as meias, ou o cinto, ou o sapato, ou o que quer que seja...)
No fim, ela deu risada sobre a falta de experiência dela com esses assuntos estritamente masculinos... hahaha. Eu também me matei de rir e só tou contando aqui porque ela autorizou. Quem sabe essa historinha não ajuda os casais que estão casados há um ano, assim como eles, né??
E você? O que vc faz quando seu namorado, marido ou mesmo seu pai dão esses "pitis"??

Hoje saiu o ganhador

Já pensou? O mineiro felizardo, bem "mineiramente", esperou esse tempo todo (10 dias segundo a reportagem do Bom Dia Brasil) p/ se identificar. Até parece o Hurley...
Mas sabe que a grana tá todinha na poupança?
O que rende em um dia é mais ou menos o que eu ganho (ou melhor, ganhava*) em um mês.
Cara, é muita grana. Muita. Nem parece que existe tanto dinheiro assim, né?
Bom, é isso. Tô meio sem inspiração, como vc deve ter reparado.
Mas tem post novo lá no Efeito Pimenta, também.
Em caso de tédio, clica lá.
(*) explicação aqui

quinta-feira, julho 24, 2008

Detalhe


Nem apostar eu apostei..... Mas tudo bem, sonhar é grátis. Mas ainda tenho chance, já que o prêmio acumulou, sabia? Agora são 52 milhões.

Tá lá no site da Caixa:
Estimativa de Prêmio: R$ 52.000.000,00
*para o próximo concurso, a ser realizado 26/07/2008

Os números sorteados foram: 02, 21, 27, 29, 32, 38

Nem sei porque tô falando de loteria aqui... Nada a ver com o blog.
Talvez seja por causa do Hurley, do Lost (adoro esse seriado!!!)
Ou será que se você ficar milionário/a choverão pretês?? É bem capaz.

Na verdade, não conheço ninguém que tenha ficado milionário ganhando na loteria... (vc conhece alguém??)

Uma vez uma dessas pessoas que adivinham o futuro já me disse que eu nunca ia ganhar na loteria. Acho que essas coisas estão meio que determinadas pelo "destino". Será que não?

E você, vai apostar? O que faria com 52 milhões?

quarta-feira, julho 23, 2008

30 milhões de reais: o que vc faria?


Ah, como é bom sonhar... ficar milionário/a... quem não quer?

Eu ia querer doar os 10% de praxe, o que dá 3 milhões (1 milhão pra Seara, 1 milhão pras Casas André Luiz e mais 1 milhão p/ diferentes entidades, escolhidas com critério e ajuda profissional).

Ainda sobrariam 27 milhões. Daria para comprar tanta coisa com 27 milhões...

A casa dos meus sonhos (uma mansão com um terreno enorme e várias casas lá dentro – uma pra mim, outra pro meu pai, outra pra minha mãe, outra pra minha sogra, outra pro Tom e outra pra Biba. E mais uma pra irmã do Guilherme – sete casas, mobiliadas, com tudo lá dentro – se cada casa custasse 1 milhão, seriam 7 milhões torrados rapidinho)... o carro dos sonhos do Guilherme (o Porsche, que custa uns 400 mil reais)... ajudar a parentada toda (4 milhões pra dividir entre pai, mãe, sogra e irmã do Gui), mais 1 milhão pro Tom, 1 milhão pra Biba (ela só ia poder mexer depois que fizesse 18 anos)... viajar pelo mundo durante alguns anos (1 milhão p/ isso)... viver de renda (aplicar o resto = 12.500) e pronto!! Maravilha, né? :-)

Inspiração p/ este post: aqui.

terça-feira, julho 22, 2008

Histórias de amor



Eu adoro uma comédia romântica. Isso não é segredo p/ ninguém. Então indico dois filminhos, que adorei: 27 Dresses (em português ficou Vestida para Casar) e O Amor Não Tira Férias. O primeiro é fofo demais, tem um jornalista até bem convincente (o rapaz da foto acima). É uma típica história da heroína que ama um, mas que outro a ama, e a história vai dando aquelas voltas todas, até chegar ao final feliz. O segundo é lindo: o cenário é lindo (ele se passa em uma casa maravilhosa no interior da Inglaterra, que eu amei, vi neve caindo, essas coisas... e a outra casa é uma mansão em Los Angeles), os atores são lindos, as cenas são lindas, é tudo lindo o que acontece nesse filme. Eu adorei os dois. Mas o mais legal foi que aluguei o segundo na semana passada e não deu tempo de ver. Isso sempre acontece. Mas a minha sorte foi que passou na TV a cabo, no dia seguinte ao da devolução. Acho que era mesmo p/ eu ver e indicar aqui pra vc tb.

Tudo isso é pra dizer que tô me preparando psicologicamente p/ escrever a minha historinha de amor, inspirada pela Ceila, que é finalista de um concurso da Hellmans. Aliás, o link tá aqui ó: vai lá ver. Tem concurso de viagem também, tem que clicar em concurso, preencher uma fichinha e voilà.

quarta-feira, julho 16, 2008

As tais oito coisas

A Sandra pediu e eu vou atender.
Olha, Sandrinha, foi tão difícil pensar nessa lista, viu?
Porque conquistei muitas coisas já nessa minha vida.
Minha listinha foi diminuindo, diminuindo, diminuindo, com o tempo.
Agora, ela tá bem pequenininha.
Por isso, vou começar agradecendo pelas minhas conquistas.
Agradeço primeiro pelas pessoas amadas da minha vida: por ter um companheiro que tem muito mais qualidades do que defeitos (ninguém é perfeito), agradeço pelos meus filhos, pela minha neta linda, pela minha nora fofa, pelos meus pais e por ter convivido com meus avós. Agora, as coisas materiais: agradeço pela minha casa linda e maravilhosa, onde moro faz 4 anos, mas que parece um ano, de tanto que gosto dela, com todas as suas escadarias. Agradeço pelo carro dos meus sonhos, que conseguimos comprar (é um Fit, lindo, com direção hidráulica, um luxoooo). Agradeço por poder trabalhar na Seara (realmente isso não tem preço). Agradeço por ter viajado para Paris, Londres, Seattle, Buenos Aires (parece pouco, mas pra mim é muito bom ter conseguido conhecer esses lugares fora do Brasil) e OK, até por Las Vegas, vai.
Agradeço (muito) por trabalhar em casa 3 vezes por semana.
Agradeço por todos os amigos/as queridos que eu tenho.
Agradeço pela saúde, pelo céu azul, por todas as coisas boas que alegram o meu dia!!! Ah, vou parar por aqui, mas tem mais coisa....
Bom, antes de morrer, ainda quero realizar algumas coisas, é claro.
Quem fica parado é poste.

1) Ver neve
2) Viver de renda (deixa eu sonhar, please??)
3) Conhecer a Itália, especialmente a terra onde meus bisavós nasceram, chamada Montemurro, perto de Nápoles, na província de Basilicata.
4) Ter mais netos (uns quatro ou seis ao todo, sim, falo de quantidade!!! hehehe)
5) Fazer meu próprio livro (mais de um, de preferência)
6) Continuar a fazer algum Bem para a Humanidade, sem receber nada em troca (isso me dá um prazer danado)
7) Atingir (e manter) meu peso ideal
8) Deixar uma herança (de caráter) para meus filhos e netos.

Acho que é isso, Sandra.
Beijos!!

Ah, sim, oito "vítimas" - hehehehehe
Vamos lá: minhas novas amigas do Balzac sem Prozac, Verdadeiro Jornalismo, minha artista plástica preferida (não sei se ela topa esse tipo de brincadeira, enfim...) Ego Confession, minha amiga "real" do Blog da Fran, a Nana (que tb já conheci pessoalmente e já é minha "freguesa"de mosaico), minha amiga virtual Vanessa Campos (dona de um blog todo florido, lindo, lindooo, que eu adoro), a Carol (que tb acredito não topar esse tipo de coisa, ela é muito séria!! hehehe, mas eu adoro brincar com ela) e a querida Sol, que anda escrevendo pouco, ultimamente.

Aqui vão as regrinhas:
1º) Devemos fazer uma lista com 8 coisas que sonhamos fazer antes de morrer;
2º) Ao finalizar convidar 8 parceiros de blogs amigos;
3º) Deixar um comentário no blog de quem nos convidou;
4º) Deixar um comentário no blog dos nossos convidados, para que saibam da intimação;
5º) Mencionar as regras.

Slide show

A gente foi ao Zoológico com a Helena outro dia. Muitos bichos estavam dormindo. Mas acabo de ouvir no rádio que a gente pode ir ao Zoológico à noite! Que bacana!!
(na foto, ela voltando do passeio, cansadaaaa!!! no colo da mamãe)

Muito chá verde pra eliminar quilos - a chaleira dos anos 50 da mamãe tá em plena atividade!! Hoje o chá verde foi com sabor de lichia e baunilha (Taeq) - muito boooommmm!!!

Pingüins no Aquário de Santos - não são fofos????

Que bom que eles reataram o namoro!!! (quero ser a madrinha!!!)

terça-feira, julho 15, 2008

Boa forma

O inverno é o período ideal para cuidarmos da nossa boa forma, apesar de todos os quitutes engordativos, como pipoca, chocolate, bolachinhas recheadas, pães, queijos, fondues e guloseimas mil....

Porque daí, quando o verão chegar, em toda a sua plenitude, a gente não vai precisar ficar escondendo as banhas atrás daqueles horrorosos maiôs inteiros que, vamos combinar, deixam a barriga branca e não há nada menos romântico do que uma barriga branca.... Isso é se amar, se cuidar, que é também a melhor maneira de atrair mais amor p/ a nossa vida.

Dito isso, vamos às dicas do médico-nutrologista João Curvo.


1) Evite permanecer muito tempo sem ingerir alimentos. O intervalo prolongado entre as refeições leva a uma diminuição da glicose no sangue e isso ativa o centro da fome no nosso cérebro. Quando ficamos cinco ou mais horas sem nos alimentar, a fome torna-se imperiosa e o caminho comum é comer mais (ou qualquer porcaria) na próxima refeição.

2) O ideal é fazer um café da manhã com uma fruta (ou suco), cereais (pão integral, aveia ou granola) e uma fonte cálcio (queijo, iogurte ou leite de soja).

3) Três horas depois do café da manhã, faça um pequeno lanche a base de fruta, suco, água de coco ou barra de cereal.

4) No almoço evite repetir o prato. Verduras e legumes cozidos ou refogados em óleo vegetal (canola, girassol, milho, soja) com temperos picantes (alho, cebola, alho poro, cheiro verde, noz moscada,...) ajudam a aquecer o corpo e saciar a fome.

5) Temperos picantes ajudam na prevenção das tromboses e enfartos e ajudam a dissolver mucos (catarros, pigarros) comuns nessa época do ano.

6) As carnes devem sempre ser magras, cozidas, assadas ou grelhadas. Sempre que puder, priorize o consumo de peixes.

7) Evite frituras e dê preferência às batatas cozidas, assadas ou coradas na frigideira ou no forno, com pouco óleo.

8) Prefira arroz integral em relação ao arroz branco, inclua leguminosas (feijões de todos os tipos, grão de bico, lentilha...), trigo integral e quinoa como alimentos nutritivos que nos dão energia.

9) Faça um pequeno lanche à tarde que pode ser um sanduíche com duas fatias de pão de forma (de preferência integral) com queijo magro e café ou chá. Outras opções, salgado de forno, barra de cereal, suco de fruta. Este lanche no fim da tarde diminui a fome no jantar. O jantar deve ser leve.

10) As sopas são indicadas nesta estação.

11) Evite as "sopas de entulho", com vários vegetais juntos. Sopas de um a três vegetais são mais facilmente digeridas. Para acompanhar: uma carne branca (ave ou peixe) grelhada ou omelete de duas claras e 1 gema, vegetais cozidos ou então um sanduíche de frios e queijo branco.

12) Antes de dormir, faça mais uma pequena refeição. Uma fruta assada com canela é uma boa pedida, entre elas, a banana, maçã, pêra ou uma fatia de abacaxi. Outras opções: 2 biscoitos tipo crackers e uma geléia de fruta sem açúcar e chás. Leite de soja ou ainda um achocolatado diet quente.



Gostou? Eu tô nessa (por isso coloquei os verbos no imperativo).

terça-feira, julho 08, 2008

Arte é tudo

OBA!!!!
A minha amiga virtual e artista maravilhosa, a Cris Alcântara, abriu sua lojinha.
Claro que já fiz minha encomenda. Mas olha, foi beeeeemmm difícil escolher, viu??
Olha o comentário que ela deixou aqui e passa lá, correndo!!!

Olá,
Está aberta a temporada de compras no Blog Ego Confession! Para aqueles leitores do blog que sempre gostaram dos meus desenhos publicados ali, agora há como comprá-los. Toda a arte feita pro Ego Confession está reunida na Lojinha virtual! Quem quiser conhecer, aí está o endereço: http://lojinhadoegoconfession.zip.net Sejam bem-vindos e boas compras cris alcântara Homepage 07.08.08 - 5:16 pm #

A cirurgia


Vai ser no dia 8/8/2008. Algo me diz que vai dar tudo certo, mas aceito todas as vibrações positivas, de bom grado. Obrigada pelos comentários gentis ao post abaixo!!!!

sexta-feira, julho 04, 2008

Saúde!


Segunda passada: consulta

Essa segunda: consulta

Ontem: consulta

Hoje: consulta

Próxima segunda: consulta

Num güento +.

Mas a cirurgia se aproxima.

Nada grave, vamos resolver isso logo.

quarta-feira, julho 02, 2008

Amor


O mundo precisa de mais amor.
Qualquer maneira de amor vale a pena, diz o poeta.
E eu concordo.
Começa por amar a si mesmo.
Se cuidar, cuidar da alimentação, do exercício físico (tão esquecido pela minha pessoa...), de alimentar a alma, o espírito.
Com coisas boas e elevadas.
Elevar o astral.
Tudo sem exagero, na linha tênue do equiíbrio.
Nem tanto ao mar, nem tanto à terra, diz a sabedoria popular.
E vamo que vamo, que a quarta-feira só tá começando.