terça-feira, agosto 30, 2005

Sobrei
Muitas coisas que eu dava como certas não aconteceram. Outras, que eu considerava duvidosas, mostraram-se reais. E por mais que você tenha o seu livre arbítrio, tem situações das quais você simplesmente não consegue fugir.
Minha tendência, aliás, foi sempre essa: fugir das situações obscuras, complicadas, chatas e incômodas. Simples assim: fugir e pronto. Mas hoje talvez eu esteja mais forte. As chapuletadas da vida já não me atingem mais como antes.
Quando eu fazia tai chi chuan aprendi que dobrar um pouquinho os joelhos é fundamental. Se alguém tenta te derrubar e você deixa o seu corpo rígido, a pessoa vai conseguir facilmente o intuito. Agora, se você dobra os joelhos um pouquinho, abre as pernas um pouco e busca seu equilíbrio, numa posição cômoda e "flexível", essa pessoa encontra muito mais dificuldades pra conseguir te derrubar. Tô falando do lado físico, mesmo, sem segundas intenções. Mas que dá pra aplicar esse conhecimento oriental em outras situações da vida, isso dá.
Uma árvore, por exemplo, que se curva quando o vento bate, está na verdade se defendendo do vento.
Não sei se fui clara, aliás, acho que ando cada vez menos clara aqui nesse blog. Fases da vida.
Mas o fato é que sobrei. Foi todo mundo embora, menos eu.
Continuo achando que não há lado bom e lado mau. Me recuso a me curvar a tal visão maniqueísta.
E tô falando de trabalho, sim. Tenho tantas outras preocupações que p/ mim são tão mais prementes, que consigo sobreviver. E me sinto forte. Com saudades de todo mundo, mas forte. Assim como uma árvore frondosa e cheia de raízes poderosas, agarrada firmemente ao solo. Embora meu signo pertença ao "ar".

Vai ter chá das cinco lá em casa no finde.
Ainda não decidimos se vai ser sábado ou domingo.

E hoje, vou me encontrar com o meu Anjo da Guarda - ainda prefiro chamá-lo (a) assim, do que de Mentor Espiritual - afinal foram 11 anos de escola católica.

sexta-feira, agosto 26, 2005

E1/2
No dia 18/7 (exemplo) = 43.
Hoje = 10.

Pri, o que aconteceu foi que a gente deu o chamado passo maior do que a perna, ao nos mudarmos pra minha casa atual. Mas a gente sabia disso. Então não podemos reclamar, certo?

De novo: bom fim de semana!!
Elis Regina
Não a cantora, mas a praça. Moro ali do lado.
Resolvi andar às segundas, quartas e sextas, como já contei aqui.
Tudo bem que às vezes falho no meu propósito. Até aí, normal.
Hoje fui andar na praça.
Prefiro a USP, mas a praça tá ali do lado mesmo.
O que me incomoda profundamente é o lixo.
Outro dia o Mauro falou no assunto. E eu comentei. E o Plínio comentou sobre o meu comentário. E eu respondi... Nossa, foi longe.
Pra mim é uma coisa tão óbvia que as pessoas não deveriam jogar cotonestes, papel de bala, bitucas de cigarro, papel celofane, deveriam recolher o coco dos seus cachorros, que eu não me conformo com a sujeira da praça.
Fico olhando as árvores, o céu, tudo pra não olhar praquela sujeira toda.
A Elis deve se revirar no túmulo de tanto desgosto.
Mas eu moro na "periferia", né? Fazer o quê?
Muita gente circula por ali.
Tem os tipos de todos os dias.
O senhor cego, com a sua bengala, todo dia no mesmo horário.
Tem um mendigo que cuida de uma cachorra gorda e baixinha chamada Matilde (o nome tá numa plaquinha pintada, em cima da casinha dela). O mendigo é muito asseado. Varre seu pedacinho com meticulosidade.
Daí, resolveram dar uma geral na praça.
Hoje havia 49 sacos de 100 litros de lixo esperando para ser recolhido. É só fazer as tristes contas...
Bom, contei as árvores também: 35.
E hoje era dia de passeio de todas as velhinhas do bairro.
Mais de 50 velhinhas simpáticas e bonitinhas.
Mas como elas tiveram que atravessar a praça p/ tomar o ônibus, e eu tinha acabado de encarar, com a minha pior cara brava, um senhor "senducação" que não recolheu a "obra" do seu cachorrão, com certeza absoluta uma das senhorinhas pisou, ah, pisou sim.
Muita gente leva o cachorro pra passear com aquele saquinho de supermercado pra recolher a caca.
Mas ainda estamos longe, muito longe de sermos um país civilizado.
Se bem que em outra praça onde eu gosto de andar, no Alto de Pinheiros, parece que a gente tá na Europa, de tanta limpeza e organização.
Ah, falei tanto que tô sem inspiração p/ o final.
Falta contar apenas que estamos em época de "vacas magras" lá em casa, cortando tudo o que pode e não pode ser cortado do orçamento.
Mas amanhã a gente vai ter ajuda profissional pra tentar por ordem no galinheiro.
Depois eu conto.

Um excelente fim de semana pra todos!

Até segunda (porque lá em casa uma das coisas que "rodou" foi o Virtua - ai, ai, que falta que faz...)

quarta-feira, agosto 24, 2005

terça-feira, agosto 23, 2005

Famosa
A minha querida e adorada filhinha deu entrevista p/ a Folhinha!
Saiu sábado.
(acho que o link só abre p/ assinantes da Folha ou do UOL).
Posso emprestar minha senha por e-mail.

segunda-feira, agosto 22, 2005

Vejo flores em você
A primavera chegou aqui em São Paulo, pelo menos nos bairros em que eu circulo (Butantã e Itaim)
Saí de casa na sexta e BUM, vejo um ipê que explodiu em flores amarelas, carnudas e escandalosas.
Ando mais uns metros e PAM, as paineiras estão recheadas de flores cor-de-rosa, pra dar e vender.
Mais um pouco e PÁ, surgem as primeiras azaléas da temporada.
Cheguei hoje no trabalho e POF, um altíssimo ipê carregado de flores amarelas, bem na esquina.
Ai, que delícia, ter os olhos abertos pra ver essas belezas que pontuam o nosso caminho. Por mais espinhoso que seja o nosso dia-a-dia (e é), acho que se a gente ainda tem a capacidade de perceber a beleza ao redor, tem salvação. Obrigada aí, Anjo da Guarda!
Adoro aquela propaganda em que o Anjo da Guarda dá um duro danado pra proteger o seu protegido.
No sábado de madrugada, os Céus se moveram p/ salvar meu filho de uma baita batida com o MEU carro!
E no sábado, a gente foi salvo de transformar um motoqueiro em picadinho... quando estávamos chegando na festa de aniversário da fofíssima Carolzinha, a filha da Mônica.
Obrigada, obrigada, obrigada, Céus!
O finde foi movimentadíssimo e as baterias estão renovadas pra enfrentar mais uma semana. E olha que a segundona vai ser brava. Mas vamo que vamo.
Ah! Mais uma informação: com a troca geral e irrestrita dos quartos lá em casa, o Tom liberou a "casa" que tem embutida na minha (quarto, sala, banheiro e terraço) pra ser a casa da vovó Florência (mãe do Guilherme), que se mudou p/ lá pela segunda vez. Vamos ver se dessa vez dura...
Estamos felizes e contentes com ela por perto. Nem falo aquela palavra que começa com S....., porque ela já tem uma carga negativa acoplada e no nosso caso isso não tem nada a ver. Prefiro falar "a mãe do Guilherme", que é mais simpático.

segunda-feira, agosto 15, 2005

Querido papai
Espero que seu dia hoje tenha sido muito especial.
Mas cá entre nós deve ser chato ter só uma filha, ainda mais assim tão desnaturada quanto eu...
Meu telefone de casa tá bloqueado p/ celular e p/ interurbanos (sabe como é, pra economizar uns trocados, que o Tom abusa nas ligações p/ celulares de amigos...)
Meu celular não liga nem pra São Paulo, quanto mais pra Caraguá... (inventei uma conta de 140 reais por mês, quando troquei de modelo, e agora não posso fazer nada... nos meses em que não recebo meu salário inteiro a conta atrasa, e assim vai...)
Mas tô aqui, em público, pra dizer o quanto o senhor é importante pra mim, ainda que eu não tenha ligado hoje...
Quero dizer que sempre me identifiquei muito com o senhor, em tudo, desde pequenininha. Também ficava emburrada quando contrariada... E costumam dizer que sou inteligente, assim como costumam dizer que o senhor também é.
Nós dois somos geminianos, acreditamos nas mesmas coisas, temos reações parecidas e tudo o mais, que nem pai e filha costumam ser.
Lembro até hoje de quando eu era pequena e o senhor me levava no cinema, no centro (acho que só tinha cinema no centro quando eu era pequena). Lembro que tive trenzinho elétrico e que ganhei um gravador portátil, daqueles com fita cassete, quanto isso era novidade.
E por mais que eu tenha "crescido", eu sinto a sua falta todos os dias aqui do meu lado.
Meus filhos não compartilham da sua presença aqui perto da gente.
Mas eu entendo que não posso ser egoísta.
O senhor tem a sua vida e infelizmente ela acontece em outra cidade, fazer o quê?
Mas eu quero que o senhor saiba que mora dentro do meu coração. Aquela lição de ensinar a pescar ao invés de dar o peixe eu acho que aprendi.
Todo dia eu caço não peixes mas tubarões no meu trabalho. E sobrevivo!!!
A luta é violenta, mas por ter tido um pai como o senhor, eu consigo ter coragem pra batalhar e pra ir atrás dos meus sonhos.
Papai, é muito bom ser sua filha, ver como o senhor dedica o seu tempo para construir aquelas verdadeiras obras de arte que são os barquinhos, ver o seu interesse em aprender a mexer com a Internet, me sentir orgulhosa ao saber que o senhor dá palestras lá no centro espírita, me sentir aliviada ao ver que o senhor e a Aparecida cuidam bem da alimentação, comendo arroz integral com todos aqueles "pozinhos mágicos".
Por favor, me desculpe por não ter ligado hoje.
Não deveria existir um dia só para os pais, ou para as mães, ou para as crianças.
Sabemos que se trata de uma data comercial.
Mas que serve para refletirmos sobre o exemplo que tivemos, sobre o que aprendemos e o quanto ainda temos de dívidas com nossos pais, o quanto eu tenho de dívidas com o meu pai...
Serve também pra eu dizer bem alto, pros quatro cantos do mundo: PAPAI, EU TE AMO, DO FUNDO DO MEU CORAÇÃO. ESPERO QUE SEU DIA TENHA SIDO FELIZ!!!
(e espero que o senhor me perdoe por não ter ligado - agora já é muito tarde!!!)
Beijos da sua filha,
Silvia Regina

sexta-feira, agosto 12, 2005

quarta-feira, agosto 10, 2005

Várias
- O Tom tá com o lábio inchado. Deram uma cabeçada nele e ele deu um soco no agressor. Tudo porque ele deu uma batidinha que não fez nada no carro do sujeito. Sempre que ele chega cedo em casa tem alguma coisa errada...
- Minhas aulas recomeçaram (quer dizer, faltei na semana passada...) e eu estou arrependidíssima de não ter aparecido na Seara durante as férias. Descobri que tirei 10 nas duas provas (teórica e prática)!!!
- Comprar café solúvel
- Pagar água
- Devolver o gravador da Alê!!!
- Conhecer a chefe nova
- Por a revista do Mauro no correio - vcs viram o nosso amigo na revista da Folha, que chique?? com chamada de capa e tudo!!!
- Tinha decidido andar às segundas, quartas e sextas e hoje já não fui. Eita!
- e assim vai a vida
- Tá aquele vento "nervoso" aqui em Sampa, sabe? Aquele que assobia.

terça-feira, agosto 09, 2005

Vida nova
Muita coisa mudou no trabalho, nova fase.
Mas naquele último dia de férias acendeu uma luz no fim do túnel. Tudo pode ser ilusão, mas pode dar certo. Tudo pode acontecer.
Desculpe o mistério, mas ainda é cedo, muito cedo pra comentar qualquer coisa.
De novo, peço torcida positiva (longa, pois se trata de um looooongo processo)
Que pelo menos me dá esperança pra continuar na luta.

sexta-feira, agosto 05, 2005

Pronto. Acabou
Acabou o tempo de ficar de pernas pro ar, de tomar banho na hora que se tem vontade, de se dedicar ao ócio criativo, de ficar fazendo mosaico até enjoar, de ir buscar a Biba na escola, de ficar fazendo aqueles planos sem começo nem fim e que não vão dar em nada, anyway. (Porque fim de semana todo mundo tem, por isso considero hoje como o último dia oficial das férias não esperadas, não-planejadas, não-gozadas, no sentido pleno da palavra...)
Pronto, tive um tempo pra mim, usei, gastei, desperdicei, joguei pela janela, pensei na vida, nas dívidas, na literatura, almocei com a LuK e com a Alê.
Mas nem fiz muitas coisas da minha lista... (por exemplo, tudo aquilo que dependia de $$$).
Não resolvi a minha vida profissional, embora tenha feito um frila (que até foi elogiado, o que foi tão bom pra aumentar um pouquinho a minha combalida auto-estima, viu, Alê??)
Não enxerguei o que vai ser da minha vida daqui pra frente.
Não fiz as pazes com a Roberta.
Não fui visitar a madrinha (e isso nem dependia de $$$)...
Não limpei a casa inteira (só uns pedaços...)
Não fui fazer consulta espiritual na Seara (tb não dependia de $$$)
Mas as férias acabaram. Essa que é a verdade.
Dura, nua e crua.
Não resolvi sobre o que vai ser o meu primeiro livro.
Por isso gosto tanto do blog chamado Ego Confession, que fala de arte.
Por que eu sempre quis ser escritora, mas estava acumulando experiências de vida, para que eu não fosse uma escritora de um livro só, como acho que é o caso do Marcelo Rubens Paiva, por exemplo. O dilema é: fazer um livro "de sucesso comercial" mas descartável, ou fazer "Literatura" com "ele" maiúsculo? Como sou muito pretensiosa, eu queria fazer a tal da Literatura. Mas caí numa editora (de livros de auto-ajuda, diga-se de passagem...) que achou meu livro meio sem pé nem cabeça, o que ele era mesmo. Daí, travou tudo.
Sei que tenho que continuar tentando, senão daqui a pouco eu morri e nada do tal livro.
Agora achei um concurso pra participar. Só que o tal do meu "livro" tinha 44 laudas, só. E pra entrar no tal concurso, "a obra enviada deverá ter entre 130 e 400 laudas, caso seja romance; e 70 e 200 páginas, caso seja livro de contos". Hummm, tô com problemas... Ainda bem que o prazo vai até o dia 31 de outubro. Eu chego lá! Mas é bem possível que eu fique com o livro de contos. Afinal, só garimpando aqui no blog, deve dar uns vários continhos já.
Não sei se faço tricô, se faço mosaico, se fico aqui batucando no teclado...
Odeio ser geminiana, às vezes.
Bom, vou indo.
Resolvi que vou tomar banho agora.
Desejo que você tenha um excelente fim de semana.
E vamos contentes que atrás tem gentes.
(engraçado, gente não tem plural, mas foi uma licença poética, OK?)

terça-feira, agosto 02, 2005

Contagem regressiva
Hoje já é terça. Faltam só 3 dias úteis de "férias".
Diversão de jornalista quando sai de férias é dar uma de dona-de-casa.
Como a Sandra não vem de terça e quinta, já lavei e estendi a roupa, passei aspirador de pó aqui em baixo, lavei a louça, arrumei as camas...
e assim vai.

Update: lavei os tapetes daqui de baixo e, aproveitando, lavei o quintal. Nesse meio tempo, veio o técnico consertar o fogão (e infelizmente tive que adiar o almoço com a minha querida amiga LuK). Ele só ficava em fogo alto... e queimamos várias comidas. Segundo o Feng Shui, o fogão funcionando perfeitamente é necessário para a prosperidade. Done! (umas das coisas da minha vastíssima to do list...)

segunda-feira, agosto 01, 2005

Momento breguice assumida

Quando eu tinha cinco/seis anos, eu era fã do Moacyr Franco. Acho que já confessei isso antes.
Pois hoje eu tava com uma música na cabeça que certamente nenhuma das minhas jovens leitoras conhece e que se chama "Suave é a noite". Well, a Internet é sensacional mesmo, né??
Achei a música em um site, mas não consigo mais pôr o link aqui... (???)

Então a viagem ao passado continuou com a Vilma Bentivegna, de quem o Guilherme era fã.

Daí, continuamos com o Altemar Dutra e o Roberto Carlos.

E mais Vinícius de Moraes. E foi tudo festa no fim do domingo. Ai, que delícia. Como é bom assumir a sua verdadeira antigüidade de vez em quando!
(mas os links não funcionaram... sorry!!)