terça-feira, dezembro 17, 2013

8 fatos e 1 destruição


destruição em curso no Anhembi Tênis Clube

O que leva uma pessoa como eu a adotar uma causa tão perdida quanto a de salvar um lindo, belo e saudável canteiro de azaleias, condenadas pelo "novo" projeto de paisagismo proposta para o local? As azaleias fazem parte da identidade do Anhembi Tênis Clube, e tentar salvá-las é o mínimo que posso tentar fazer, usando as minhas "armas": o poder da voz, da Internet, do Facebook, do meu blog, minhas poucas e selecionadas amigas...Talvez seja uma luta inglória e perdida desde o início, pois eu não tenho poder algum a não ser esse. Enfim, eu sou movida pela réstia de esperança de salvar pelo menos algumas daquelas lindas plantinhas que tanta alegria nos trazem quando estão plenamente floridas. Sou movida pelo desejo de fazer com que os diretores do clube ponham a mão na consciência quando ainda é tempo e que voltem atrás nessa decisão tão macabra quanto desnecessária.  Seguem-se alguns fatos, apurados hoje:
1) o vice-presidente me disse que as azaleias poderiam ser transferidas para canteiros e praças vizinhas. Porém, as que já foram retiradas foram para o lixo.
2) ele me disse que a retirada das azaleias serviria para exibir o "lindo" muro de pedras, do projeto original do famoso arquiteto Vilanova Artigas, autor do projeto "brutalista" do clube. Ou seja, as azaleias estavam ali para suavizar justamente a brutalidade do muro. Esse argumento não convenceu, desculpe.
3) ele também me disse que haveria uma galeria debaixo do canteiro, que precisaria de reparos. Porém, os operários responsáveis pelo serviço, no entanto, me disseram hoje que, por eles, não seria necessário removê-las.
4) o "laudo" que condenou as azaleias veio, justamente - vejam que curioso - do mesmo escritório responsável pelo novo projeto!!!!!!!!!!!!
5) o serviço está sendo executado por detrás de tapumes que escondem o crime dos sócios, que não perceberam que as azaleias já começaram a ser destruídas.
6) me alegaram hoje que as azaleias não garantem a privacidade dos banhistas na piscina. Mentira. basta deixar que elas cresçam até o limite da grade. Além disso, as palmeiras que serão colocadas no lugar das azaleias (estariam elas fora de moda??) tampouco garantem essa suposta privacidade.
7) a prefeitura não está nem aí. O telefone da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente (3266-7141) só dá ocupado.
8) eles sugeriram um abaixo-assinado... em período de férias!!!

segunda-feira, dezembro 16, 2013

Impotência




Tem aquela frase famosa, conhecida como Oração da Serenidade: 
"Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não podemos modificar, coragem para modificar aquelas que podemos e sabedoria para distinguir umas das outras".

É precisamente a oração que cabe para mim neste momento. 

Um lindíssimo canteiro de azaleias está sendo destruído e eu estou tentando fazer tudo o que está ao meu alcance para tentar salvá-lo. 

Escrevi posts no Facebook (os que escrevi no perfil do clube foram censurados e sumiram!!!), abordei sócios que eu nem conheço ontem de manhã no Clube, escrevi uma reclamação na central de relacionamento, mandei e-mail...... mas até agora, parece que tudo conspira a favor do escritório de arquitetura contratado para a reforma (vou ver o nome, para postar aqui depois). 

O clube tem estatuto, tem diretoria, tem conselho... e ninguém se deu conta da destruição das azaleias.... Tem um desenho, lá no clube, de como a reforma vai ficar. Um desenho muito bonito, de computação gráfica. O engraçado é que os sócios, nessa imagem, estão todos entretidos olhando para o céu (!) - de dia. 

Ou é um disco voador, ou então estamos todos ali fazendo o papel de "trouxas", enquanto as azaleias são destruídas para evidenciar a "beleza" de um muro de pedras (!!!) - sim, isso mesmo. Um muro de pedras. 

Estou triste, cansada, chateada. Metade do canteiro já se foi... Reclamações podem ser feitas no formulário à disposição dos sócios na central de relacionamento ou online: http://www.clubeanhembi.com.br/contato.php?seocod=3

Mas sinceramente?? Duvido que eu vá conseguir sozinha deter essa matança. Sabe o que a diretoria sugeriu? Um abaixo-assinado! Em plena época de férias... e eu trabalho das 10 ás 19h. Como eu poderia viabilizar um abaixo-assinado?

O vice-presidente do clube foi educado e me mandou um bilhete no inbox, no Face: 

oi Silvia, ontem tivemos um encontro da diretoria e debatemos o caso das Azaleias, infelizmente para a troca do piso será necessária a remoção das Azaleias, seja para trocarmos as guias  como para refazermos o piso e as galerias de maneira que fique o mais permeável possível (aliás este é o principal motivo da troca do piso, ou seja, uma solução ecológica e que reduzirá as enchentes no clube que já destruíram móveis, livros e documentos) (1). No entanto, decidimos que as replantaremos nas praças vizinhas ao clube (2) e somente aquelas que estão doentes (com pragas) (3) serão descartadas. Decidimos ainda, que a paisagista vai propor duas novas soluções para o canteiro, além daquela que está no banner, que propõe plantar palmeiras e iluminar o muro de pedras naturais da piscina valorizando o projeto arquitetônico original,, então nós escolheremos uma das 3 soluções e as comunicaremos ao Conselho Deliberativo do ATC. Fique certa que nossa preocupação com o impacto na natureza e com a arquitetura do clube é tão grande quanto a sua. Espero ter esclarecido os fatos e estou `a sua disposição para novos esclarecimentos e troca de ideias.

Vamos lá... 
1- as azaleias nada têm a ver com as tais enchentes. Não estou discutindo a troca do piso, embora merecesse também uma discussão, pois estão trocando pedras mineiras, do projeto original do arquiteto Vilanova Artigas, por tijolos "permeáveis" à lá Kassab. a obra de reconstrução das galerias já foi feita e não há galerias debaixo das azaleias. 
2- para replantio das azaleias em praças ao redor do clube deve ser necessário ter autorização da prefeitura, coisa que não foi providenciada. Quanto tempo essas azaleias aguentarão, fora da terra?
3-  não há nenhuma com pragas ou doente. O clube conta com um jardineiro muito eficiente e que ama as plantas. Ele não deixaria que pragas dominassem as azaleias. 
Conclusão: a resposta foi atenciosa, mas NÃO justifica a retirada das azaleias. 

Senhor, por favor, conceda-me a serenidade necessária para aceitar as coisas que não posso modificar, coragem para modificar aquelas que posso e sabedoria para distinguir umas das outras... 

quinta-feira, novembro 14, 2013

... parte 2



A primeira parte, eu fiz neste post Agora, vamos à parte 2...
... uma dica útil: liste as coisas que “você gostaria de fazer antes de morrer”. Sonhe alto e enumere seus 20 maiores desejos. Compare a lista com uma outra que reúna as atividades com as quais que você gasta seu tempo hoje. Se o que você faz no seu dia a dia não tem relação alguma com os seus sonhos é hora de repensar sua vida.
Fonte: http://www.gluckproject.com.br/vale-a-pena-largar-tudo-em-busca-da-felicidade/

1) Viajar - tenho viajado todos os anos, o que considero um privilégio, apesar de que minha próxima viagem vai ser para o litoral brasileiro, onde não verei neve (como é o meu desejo).
2) Fazer atividades físicas todos os dias
3) Ter um quintal sensacional, do jeito que eu imagino e sonho. 
4) Ter a minha casa em ordem, organizada, sem nada quebrado ou faltando (e simplificada) 
5) Ter a possibilidade de participar de eventos interessantes e cursos que acontecem em dias "úteis" - aliás, pensando bem, eu (e todo mundo, acho) prefiro os dias "inúteis"!!
6) Reativar meu ateliê de mosaico e fazer peças lindas por encomenda.
7) Escrever (e publicar) livros de poesia e de literatura infantil
8) Conviver muito mais com a minha neta / exercitar meu lado vovó, fazendo bolos e coisas gostosas para ela, passear mais com ela (só nós duas)....
9) Não depender tanto do carro para ir e vir.
10) Viajar só com a a minha neta, só nós duas (eu prometi que ia levá-la para a Disney de Paris, para a outra, ela vai com o pai ou a mãe...)
11) Ter um jardim bem cuidado (por mim).
12) Desfrutar da companhia diária, de preferência, de amigas/os bem felizes e animados
13) Concluir a minha faculdade de Psicologia (?)
14) Aprender a tocar um instrumento (talvez teclado)
15) Fazer aulas de canto
16) Ler pelo menos dois livros por mês (de preferência de alguma biblioteca)
17) Viver com menos / não ter mais necessidade de tanto (espaço, roupas, comidas, doces, sem excessos, com equilíbrio)
18) Ter mais epifanias na vida....
19) Fazer uma boa ação por dia, pelo menos, que nem os escoteiros, para ter um "tesouro" (não-material) me aguardando quando eu chegar ao Plano Espiritual
20) Demonstrar verdadeiro interesse em ouvir as historias de vida dos outros (e ter tempo para isso)

Este texto ficou um tempão "amadurecendo" nos rascunhos.

Hoje, descobri que já comecei a realizar vários desses meus desejos, que realizar tudo isso depende apenas de mim e que não preciso mudar radicalmente a minha vida para realizar essas coisas.

segunda-feira, novembro 04, 2013

Felicidade a todo custo?



Entendo que a felicidade é sim um objetivo bacana de tentar ser alcançado. Mas seria a felicidade deste mundo? o grande Jesus nos disse que talvez não... Mergulhados que estamos em um mundo material, de provas e expiações, talvez seja uma grande ilusão essa busca da felicidade. Talvez, a gente tenha mesmo que vivenciar alguns momentos de dor e de tristeza, para o nosso adiantamento espiritual. Pensei nisso hoje, ao ler o seguinte texto:

EMPODERAMENTO DO SER

Vivemos um momento muito singular, existe uma velocidade em tudo ao nosso redor, nas informações, nas exigências, nas expectativas, nas relações, nas respostas, nas reações e em uma infinidade de aspectos de nossa vida.

Parece que o exterior tem pressa.

Tudo ao nosso redor tem uma urgência.

Muitas vezes, sem que percebamos isto vai minando o que é mais precioso.

O nosso maior tesouro: Nós mesmos, isto mesmo, você é importante e você precisa se preservar, precisa descobrir sua autoridade energética, o que deseja, o que quer o que não quer e o que não deseja para si.

Sem críticas aos livros de autoajuda, mas que deixaram um grande prejuízo... parece que com eles todos temos obrigação de sermos felizes! Intencionalmente ou não, eles criaram uma população angustiada atrás de uma felicidade externa a todo custo.

É preciso resgatar nossa integridade interior com tudo que ela contém, todas as dualidades e contradições que fazem parte e SER COM TODA NOSSA AUTORIDADE ENERGÉTICA!

TER CORAGEM DE SER O QUE É VERDADEIRAMENTE.

Terapia Floral - Sistema de Bach 

Caso deseje realizar uma consulta diretamente comigo para obter uma receita específica e completa para o seu caso, entre em contato comigo por email. ou telefone.

Eladia Blanco - eladiablanco@yahoo.com.br



POR OUTRO LADO.... (e tudo tem os dois lados, ou mais...)
A gente tem sim o poder de encontrar a felicidade em alguns "lugares" um tanto quanto improváveis... Eu, por exemplo, sempre fui uma menina tímida ao extremo, que nunca sequer cogitei em pisar num palco.... Era um sofrimento danado quando tinha que subir no palquinho do colégio de freiras, mas eu nunca tive muito destaque, sempre fiz questão de me misturar e de me esconder atrás das outras pessoas. Teve uma coreografia que eu me escondia atrás de uma grande flor de cartolina, ou de máscaras... e assim foi.

No entanto, nada como um dia depois do outro né??

No sábado, tive a experiência de subir em um palco "de verdade" (Teatro do colégio Santa Cruz) com uma platéia absolutamente lotada, para cantar com o meu querido coral. Entrei neste ano para o coral, e foi a melhor coisa que fiz por mim mesma, sem dúvida alguma.

Lógico que eu estava apavorada. As mãos suando, frias, pegajosas, o coração acelerado, as pernas tremendo. Mas eu também estava confiante, fiquei na fila da frente, sabia as letras de cor, tinha um grupo bacana ao meu lado, estava segura ao lado da cantora que eu mais admiro no grupo, que canta super bem e que eu tento imitar (a Vânia), enfim, estava protegida. Meu lindo maestro Piero Damiani falou palavras de fundamental importância antes de entrarmos e lá fui eu misturada às minhas amigas e amigos para o palco!! Todas lindas, vestidas de flores de cores variadas, estávamos um primor de elegância e de alto astral!

Cantamos apenas duas músicas (as mais alegres - Aula de Piano e Samba pra Vinícius) do nosso repertório, baseado em Vinícius de Moraes - centenário comemorado neste ano - e o pessoal aplaudiu e assobiou!! Foi a glória. Depois dessa experiência bem-sucedida, eu e o palco nos tornamos íntimos. O exercício de andar por todo o palco que o Piero fez durante o ensaio contribuiu muito para isso também.

Ou seja, fui feliz naqueles instantes. Extremamente feliz, gloriosamente feliz. E agora, só quero saber de cantar, mais e mais.

Detalhe: a Eladia também é do Coral!!! (o que faz o link com o texto ali de cima).


quinta-feira, outubro 24, 2013

Acidente de carro + reflexão sobre a Vida e a Felicidade


Este é um texto sobre a Felicidade (com F maiúsculo).... sobre ainda ter ter sonhos a realizar aos 55 anos.... (para mim, esta é a verdadeira fonte da juventude - quero me manter viva e jovem para realizar um monte de coisas, ainda, nesta minha vida).

Outro dia, tive um acidente de carro. Eu estava distraída com meus pensamentos (minha culpa) e bati com tudo atrás de um carrão. Sabe quando o trânsito tá naquele anda e para? Então, foi assim, e não foi a primeira vez que isso aconteceu. O carrão mal se arranhou. O meu (ou melhor, o do meu marido) se destruiu. E com o carro, minha auto-estima, meu coração, meu modelo de vida, muita coisa foi junto.

Daí naquele mesmo dia tive acesso a esse projeto aqui: http://www.gluckproject.com.br/ Foi então só juntar uma coisa com outra e desde então, estou aqui, trabalhando na minha lista das 20 coisas que eu desejo fazer antes de morrer.

Tenho a lista (bem mais numerosa do que 20) dos sonhos que já conquistei, das coisas que já realizei, que também é um alento. Não quer dizer que nada do que fiz até agora teve valor algum. Não se trata de olhar para o passado e sim para o futuro.

Vamos lá.... lista 1 - as 20 coisas que eu ainda quero fazer (sonhando alto)...
1) ver neve - não só ver, mas sentir o gosto, fazer um boneco de neve, deixar na neve, fazer guerra de bola de neve, etc...
2) ter um dia a dia mais saudável (alimentação)
3) fazer atividades físicas todos os dias
4) ter a minha casa em ordem, organizada, sem nada quebrado ou faltando.
5) poder participar de eventos interessantes e cursos que acontecem em dias "úteis" - aliás, pensando bem, eu (e todo mundo, acho) prefiro os dias "inúteis"!!
6) reativar meu ateliê de mosaico e fazer peças lindas por encomenda.
7) escrever (e publicar) livros de poesia e de literatura infantil
8) conviver muito mais com a minha neta / exercitar meu lado vovó, fazendo bolos e coisas gostosas para ela, passear mais com ela (só nós duas)....
9) não depender tanto do carro para ir e vir.
10) viajar só com a Helena (eu prometi que ia levá-la para a Disney de Paris, para a outra, ela vai com o ai ou a mãe...)
11) ter um jardim bem cuidado (por mim).
12) desfrutar da companhia diária, de preferência, de amigas/os bem felizes e animados
13) concluir a minha faculdade de Psicologia (?)
14) aprender a tocar um instrumento (talvez teclado)
15) fazer aulas de canto
16) ler pelo menos dois livros por mês (de preferência de alguma biblioteca)
17) viver com menos / não ter mais necessidade de tanto (espaço, roupas, comidas, doces, sem excessos, com equilíbrio)
18) ter mais epifanias na vida....
19) fazer uma boa ação por dia, pelo menos, que nem os escoteiros, para ter um "tesouro" (nao-material) me aguardando quando eu chegar ao Plano Espiritual
20) demonstrar verdadeiro interesse em ouvir as historias de vida dos outros (e ter tempo para isso)

* Epifania é uma súbita sensação de realização ou compreensão da essência de algo. Também pode ser um termo usado para a realização de um sonho com difícil realização. O termo é usado nos sentidos filosófico e literal para indicar que alguém "encontrou finalmente a última peça do quebra-cabeças e agora consegue ver a imagem completa". O termo é aplicado quando um pensamento inspirado e iluminante acontece, que parece ser divino em natureza (este é o uso em língua inglesa, principalmente, como na expressão I just had an epiphany, o que indica que ocorreu um pensamento, naquele instante, que foi considerado único e inspirador, de uma natureza quase sobrenatural).

Epifania também possui o significado de manifestação ou aparição divina.
(fonte: Wikipédia)  

E você, já fez a sua lista de 20 coisas que ainda quer fazer?? E aí?? Tem feito alguma coisa no sentido de realizar/conquistar essas coisas?? 

Tentei fazer uma lista não só de "ter", mas de "ser" também, o que é muito diferente... Não sei se consegui. Precisarei voltar a esta lista de tempos e tempos para revisá-la, cortar os itens que eu já tiver conseguido e incluir novos.... E assim vamos vivendo.... 

sexta-feira, setembro 06, 2013

Silvia Regina, seu passado a condena


Oi, Silvia Regina,
É, você aí na fila para tomar a hóstia!
Menina, esses óculos grossos e esse aparelho nos dentes não te favorecem em nada, hein?
E a sua timidez ainda atrapalha tudo muito mais.
Você é tímida (poucos compreendem isso, mas você compreende muito bem) sobretudo porque você é uma pessoa crítica. Você enxerga defeito em tudo e em todos. Mas especialmente em você mesma.
Você prefere se calar para tentar se esconder no seu silêncio, porque assim quem sabe as pessoas não perceberão a sua mediocridade, sua pequenez.
Que bom que os anos passam, né, Silvia Regina?
Você aprenderá a lidar com a sua timidez, aprenderá a falar em público, aprenderá a se vestir de maneira mais criativa e colorida, aprenderá a gostar de você, a se valorizar, a enxergar qualidades em você e não apenas defeitos.
Você vai encontrar pessoas na sua vida que vão te valorizar também.
Vai ter amizades sinceras e não apenas as amigas da sua "panelinha", na qual você se protege do mundo.
A timidez e a vergonha andam de braços dados, né, Silvia Regina?
Como você fica com as palmas das mãos suadas sempre que tem que enfrentar alguma situação mais difícil e inesperada! Ou como você enrubesce, sente suas faces vermelhas, queimando de vergonha quando alguém faz algum comentário diretamente dirigido a você...
Ahhh, sim. E como você não sabe se defender, ou não consegue falar nada quando todo mundo começa a falar do irmão ou da irmã!
No dia de hoje (ou ontem), todo mundo só falou em irmão e irmã. E você não tinha de quem falar. Como é chata essa situação, né, Silvia Regina?
Mas você não pode negar o seu passado, mais.
Até no Facebook ele emergiu de forma gritante.
Tá lá a sua foto, na fila da hóstia.
E você nem católica é mais!
Como assumir esse seu lado careta, carola, bobinho, infantil, imaturo, tímido, pra dentro...
Isso tudo veio à tona, Silvia Regina.
E hoje, se você é uma mulher adulta, quase idosa, aquela Silvia Regina ainda mora dentro de você e te lembra de um passado dolorido, sofrido, solitário.
Lembra quando as meninas na perua riam de você? Te chamavam de "quatro olhos"? Perguntavam se a sua mãe não tinha outra roupa, porque ela vivia de camisa xadrez, que era a roupa de fazer a limpeza da casa?
Sim, Silvia Regina.
Você é tudo isso,
Mas hoje, as coisas são diferentes.
Se antes você sempre levava desaforo para casa e chorava pelos cantos, hoje você já sabe se defender.
Você aprendeu a duras penas a lutar pelos seus sonhos e a realizá-los, um por um.
Você conheceu um menino lindo, loiro, de cabelos encaracolados, seis anos mais velho. E ele te mostrou o Mundo. E vocês começaram a namorar no dia em que ele te disse que gostava de você mais do que de uma amiga. Vocês se beijaram! (você pensava assim: "ele me beijou!!") e depois de cinco anos de um namoro em que fizeram mutias coisas legais juntos, decidiram ir morar na Vila Brasília, em um sobradinho lindo. Você fez amizade com os vizinhos, reencontrou uma das garotas que riam de você na perua e até ficou amiga dela.
Você teve um filho, aprendeu a dirigir, entrou na PUC e depois na USP, virou jornalista, veja você, que ironia do destino, né?
Você teve mais uma filha depois de muitos anos, porque não queria (de jeito nenhum) que seu filho também fosse um "filho único", como todos aqueles seus traumas de infância!
Você construiu uma carreira, trabalhou na Folha, na Abril, viajou a trabalho para os Estados Unidos.
Depois viajou para quase todos os lugares que sonhava conhecer.  
Comprou um apartamento, depois uma casa linda!
Tem até uma netinha hoje!
E enterrou de vez a "Regina", optando apenas pela Silvia. Na Folha, o editora falou:
- "Silvia Regina Angerami", não! Tem que ter só dois nomes. Ou Silvia Angerami, ou Silvia Regina, você escolhe.
Pronto. Foi a deixa para abandonar a meninazinha tímida com óculos de fundo de garrafa e abandonar o nome Regina com ela...
Mas, veja só, todas as suas amigas do colégio de freiras te encontraram agora. E elas ainda te chamam de "Silvia Regina"!
E agora, Silvia Regina?
Como juntar aquela menina bobinha em você? Como integrar a sua personalidade de hoje à daquela garota que chamavam de "bolha"?
A palavra bullying nem existia e você sempre sentiu na pele o significado dela. Mas o tempo passou, as feridas foram curadas e os traumas infantis enterrados... só que desde ontem eles emergiram e você vai precisar lidar com tudo isso. Você sente aquele mesmo frio na barriga que sentia sempre que acabavam as férias e você tinha que sair do seu mundinho dos livros e das bonecas para o ambiente hostil da escola...
Como você vai fazer agora?
O jeito, Silvia Regina, é você usar o seu maior talento (OK, vc não acha que seja um talento tão grande assim) - e despejar todos esses seus pensamentos desconexos no seu blog. Usar a palavra como válvula de escape de toda a sua dor juvenil e botar isso tudo pra fora.
É hora, Silvia Regina, de você gritar para o mundo que sim, você sobreviveu, você é uma vencedora, sua vida é boa, você tem um marido incrível, uma casa bacana, dois filhos maravilhosos e uma neta linda e gostosa. Você tem um emprego bacana, você sente que tem amigos que a valorizam e que gostam de você, você ainda tem a felicidade de ter seus pais vivos e bem, você está empenhada em chegar ao seu peso ideal e ainda tem mil planos para o futuro.
Sim, mundo... aquela garotinha sobreviveu, se fortaleceu, cresceu, evoluiu, hoje ela é espírita, trabalha todos os sábados de manhã em um centro espírita e aprendeu muitas coisas sobre ela mesma, sobre o mundo, sobre os valores que valem a pena nesta vida.
Ela é uma batalhadora, uma vencedora, já.
Quem diria, né, Silvia Regina... que sua vida ia ficar tão boa?
Todo aquele sofrimento ficou pra trás.
Se a sua infância foi solitária e triste e a sua adolescência estava mais para "Beth, a Feia", hoje você é uma mulher bacana que construiu um monte de coisas boas nessa vida.
Você sabe andar de bicicleta, escreveu alguns livros, tem uma editora, trabalha, faz hidroginástica, cuida da alimentação... claro que ainda tem muita coisa pra melhorar.
Mas se tem uma coisa que você não fez foi parar no tempo, Silvia Regina.
E disso tudo você pode, sim, se orgulhar, menininha.
Feliz Dia do Irmão pra você que não tem um (ou uma).



sexta-feira, agosto 02, 2013

Quem traiu quem??


Traição... se o marido praticamente abandonou a esposa, ela não deveria sentir-se tão culpada por buscar uma amizade que preenchesse o seu vazio existencial. Para o homem, traição diz respeito a sexo. Mas a mulher busca outro tipo de comprometimento, o emocional. Nem sempre dá para conciliar os interesses.... 

Enfim, cá estamos nós, todos, em busca da tal da "felicidade"! Quando compreendermos que a "felicidade" sempre está onde a pomos, mas nunca a pomos onde nós estamos, nós vamos colocar a felicidade no lugar certo e conseguiremos ser felizes. 

Feliz fim de semana a todos.... Com uma das mais recentes consultas que respondi.... e vc, quer mandar a sua também?? 

CONSULTA:
Olá. Tudo bem?

Gostaria de lhe contar minha história e se possível pedir um conselho sobre.

Estamos juntos há 9 anos, porém 4 de casados. Um ano após nosso casamento meu esposo arrumou um serviço em que viajava na segunda e voltava no domingo à tarde, ou seja, passava uma tarde apenas comigo!
A pedido dele, eu orei muito para dar certo esse serviço, achando que seria ótimo financeiramente e por crescimento profissional.

Na primeira semana de serviço, eu já havia percebido que não ia dar certo. Dito e feito. Ele chegava aos domingos cansado, morto, louco pra dormir e eu querendo curtir ele, ir no cinema, shopping, conversar, rir com ele, etc.... E comecei a cobrar a presença dele. Eu chorava e chorava pra ele ao menos passar a mão no meu cabelo, fazer um carinho em mim... Mas foi tudo em vão... Fomos cada vez mais nos distanciando. Nesses momento de desespero e choro, comecei a buscar na internet meios de salvar meu casamento que estava indo por água abaixo... Em meio a buscas, decidi ocupar mais minha cabeça e fazer uma pós. E em um blog de pós graduação, peguei o e-mail de uma pessoa que entendia muito do assunto, que fez comentários importantíssimos sobre cursos e mandei um e-mail.... Entre idas e vindas de e-mails sobre pós.... um dia ele elogiou minha foto no msn e assim acabamos ficando mais próximos. E sempre que meu marido chegava em casa e eu ficava chorando ia pra internet! E nessas idas, sempre encontrava esses rapaz online a acabava me desabafando! Ele sempre me disse para ter paciência e tal. Até que um dia ele disse que estaria em minha cidade e que gostaria de me conhecer pessoalmente e eu topei. Nós nos encontramos no estacionamento do mercado e conversamos normal, qdo fomos nos despedir pra ir embora, ele ao invés de beijar na bochecha beijou-me na boca! Enfim.... Voltei pra casa e depois de dias o encontrei online e ele descreveu o encontro pra min, o que ele sentiu, como foi pra ele e que gostou do beijo. Nesse momento, meu esposo chega em casa e pega meu note e vê toda conversa!!!!! 

Ficamos um mês separados e ele me aceitou de volta. MAS ELE NÃO ACREDITA NA MINHA HISTÓRIA, O MAIS TRISTE DISSO TUDO E QUE ELE ACHA QUE HOUVE MAIS DO QUE ISSO, QUE ESTOU ESCONDENDO COISAS! Tudo o que falei aqui, ele sabe, Não escondi nada! Porém ele não acredita! Após esse ocorrido, ele melhorou comigo....

Mas um ano depois desse fato, o rapaz me mandou um e-mail e eu respondi (SÓ RESPONDI E MAIS NADA, NUNCA MAIS O VI). No e-mail, ele dizia que sentia falta de conversar comigo e eu respondi dizendo que tb sentia falta! Meu esposo pegou meu e-mail aberto e leu! Mais um mês separados!

Voltamos e estamos juntos até hj. Ele fala que me ama, que é completamente apaixonado por mim, que sou tudo na vida dele MAS NÃO CONSEGUE ESQUECER ESSES DOIS FATOS! A primeira vez que ele pegou foi em 2011 a segunda em 2012. Somos muito carinhosos um com outro, trocamos SMS diariamente de carinho, somos muito apaixonados!

Detalhe, hj ele é outro homem comigo... Totalmente o oposto de qdo começou o serviço de viagem. Só que ontem à noite, ele disse querer um tempo, o divórcio... Pois não consegue esquecer o ocorrido.Ele diz que me ama, que me perdoou, que sou tudo na vida dele e que é completamente apaixonado por mim NAS NÃO CONSEGUE ESQUECER! Tenho 29 e ele 33 e não temos filhos.

Somos evangélicos, mas não batizados e cremos muito que foi Deus quem nos ajudou a superar. Qdo foi hj, ele diz não ter certeza, que foi um desabafo dele que talvez isso possa servir para nos fortalecermos mais ainda.

Mas eu já não sei mais o que pensar....ME AJUDA!!!!!

Enviado via iPhone

RESPOSTA:
Querida xxx, 
Sua historia me parece que já está resolvida. 
Se você ainda ama o seu marido e ele a ama, também, qual é o problema?
Pelo que me contou, o episódio foi bom para que ele a valorizasse como mulher. 
Se você pode despertar a atenção de outro homem, é porque ele também precisa ficar mais atento a você, e foi isso o que aconteceu, não é verdade? 
Agora, você precisa provar para ele que o ama, que ele é a pessoa mais importante desse mundo para você, e isso só você poderá fazer, se quiser mesmo continuar com ele. 
Outra coisa muito importante é descobrir se vocês têm os mesmos desejos, os mesmos projetos de vida. Vocês querem ter filhos? Viajar juntos? Ter uma casa de campo?? Seja lá o que for, precisa ser um plano que mobilize os dois. Isso é super importante para manter um relacionamento vivo. 
Errar todo mundo era. E é preciso perdoar, também. 
Não conheço muito bem da religião evangélica, não sei se vocês consideram os ensinamentos de Jesus. Caso positivo, Ele nos ensinou a perdoar "sete vezes sete". Não quer dizer que seja fácil, mas é preciso estar disposto a perdoar. 
Ele também errou com você e te fez chorar, não foi? Você o perdoou, não perdoou?? Então, tente argumentar isso com ele... quem sabe. 

Outra dica é ler os posts do meu blog que falam sobre "confiança", e ler também os comentários. Tem um monte de ideias lá para reconquistar o seu amor. 

Isso é possível sim. Boa sorte!!! 


quinta-feira, maio 30, 2013

Mamãe


Estava procurando um texto para participar de um concurso literário para sócios de clubes, quando achei um texto que escrevi p/ minha mãe, faz uns cinco anos. Mas é atual, ainda. Eu precisaria publicar também uma foto escaneada, a foto que inspirou o texto. Mas vai ficar para depois.... Também não sei porque o primeiro parágrafo ficou diferente e não consigo mudar. Vai assim mesmo...

Querida mamãe


Silvia Angerami

Estamos abraçadas, sentadas no degrau do abrigo do carro, na frente da minha casa. Sorrimos, as duas. Afinal, acabamos de fazer as pazes. Minha mãe, quando sorri, mostra uma linda covinha na bochecha, o que dá um charme adicional a essa jovem vaidosa e delicada. Eu, ali grudada no pescoço dela, me sinto segura, reconfortada, feliz. Inocente, não tenho a mínima ideia de como vai ser a minha vida. Mas, naquele instante, tudo o que preciso saber é que, por mais que eu tenha mania de ficar emburrada, assim como o meu pai também ficava, minha mãe sempre estará ali, ao meu lado, pronta para me abraçar, me perdoar, por mais que eu tenha magoado o seu coração com minhas atitudes infantis.

Minha mãe. Doce, calma, tranquila  aquela que termina de almoçar por último, porque come devagar, mastigando tudo muito bem mastigadinho. Minha mãe, moça vaidosa, que não sai de casa de chinelo e nem sem o seu batonzinho, nem que seja para ir só até a padaria na esquina. Minha doce mãe, que me ama incondicionalmente, ainda que fique meio chateada se eu deixo de telefonar algum dia para ela. Minha mãezinha que pensa que é uma pessoa frágil, mas que sempre me deu o exemplo do trabalho, dentro e fora de casa, sempre me deu o exemplo da dedicação, da boa vontade, da simpatia, da amizade e da força. Mocinha nova, que deixou de trabalhar fora quando se casou, pois o marido pediu e naqueles idos tempos dos anos 50, não era muito comum mulheres trabalharem fora.

Minha mãe, que se esforçava em fazer tudo direitinho, ainda que para minha avó paterna nada estivesse tão bom. Minha avó Flora, muito dominadora e exigente, assustava a menina que acabara de se casar e que nunca conseguia fazer as coisas do jeito “certo”, como faziam as mulheres da família, aquelas sim, sabiam fazer isso ou aquilo, uma ou outra comida, muito melhor do que aquela mocinha bonitinha, mas bobinha. Nem assim, minha mãe nunca discutia com ela. Minha mãe sempre me ensinou a respeitar os mais velhos. E não me ensinou só com palavras, mas principalmente com o seu exemplo.

Mais tarde, começou a trabalhar como “sacoleira”. Íamos as duas ao Bom Retiro, onde, com seu jeitinho cativante, minha mãe fazia amizade com as vendedoras (algumas duram até hoje) e comprava roupas em consignação para vender às amigas. E eu sempre ia com ela. Mas para mim, ela não comprava as roupas ali. Eu só queria roupas do Shopping Iguatemi, e lá ia ela, com o dinheirinho ganho a duras penas, comprar o que eu queria nas lojas mais bacanas do shopping. Ainda assim, ela sempre me dava conselhos sobre economizar, sobre gastar o dinheiro com parcimônia, pensar no futuro.

Minha mãe deixava todas as tardes o chinelo do meu pai perto da porta da entrada da casa e levava a toalha para ele no banho. Aqueles gestos simples marcaram a minha infância. Ela fez tudo o que estava ao alcance dela para termos uma família, feliz, harmoniosa, equilibrada, feliz. Tudo. Mas as coisas nem sempre são do jeito que a gente gostaria que fossem e um belo dia meu pai anuncia a separação. Foi um choque.

Minha mãe, a mocinha frágil e delicada, ao invés de se deprimir com a situação, como poderia ter acontecido, ao contrário, começa a lutar, de todas as maneiras que ela conhece, para que aquela separação não aconteça. Vou com ela a tudo quanto é seita, religião, adivinhos, cartomantes, “mesa branca”, tudo quanto é religião. Compramos um guarda-roupa grande para o apartamento novo, com um espaço reservado para as roupas do meu pai, na esperança de que ele resolva voltar. Mas é tudo inútil, em vão. Nem assim minha mãe se deixa abater. Volta a estudar, faz o supletivo do segundo grau, encontra novas amizades, começa a namorar.

Minha querida mãe é meu modelo de força, de coragem, de levantar a poeira, dar a volta por cima. Não me lembro de tê-la visto chorando. Começa o curso de estética no Senac e se encontra na profissão. Dedicada, aplicada, adora fazer limpeza de pele. Mas não é só isso. Quer ajudar os outros. Se a pessoa tem algum problema, logo se abre com ela, que dá conselhos, faz massagens, faz de tudo para que a pessoa saia do tratamento de pele sentindo-se bem, não só na aparência, mas também na alma.

Mamãe, que eu chamo de senhora (hábito que vem do interior, influência da minha avó), sempre esteve comigo em todos os momentos. As coisas mudaram um pouco depois que se fortaleceu o relacionamento dela com o segundo marido, o Nelson. Uma viagem “inadiável” a tirou de perto de mim quando meu primeiro filho nasceu. Para mim, foi muito duro não poder contar com ela naquele momento da minha vida. E ainda assim, eu a chamava, quando vinham as dores do parto. Ela chegou no dia seguinte, mas eu estava ferida no meu orgulho, no meu amor próprio e levei vários anos para perdoá-la por essa ausência. Hoje, porém, enxergo tudo com muito mais clareza. Vejo que ela mesma nunca se perdoou por não ter estado comigo naquele instante. Eu, que sempre fui muito dependente dela, precisei me virar, e até a sua ausência fez bem para mim, por mais estranho que pareça e por mais difícil e demorado que tenha sido compreender isso.

Mamãe, eu quero dizer que te amo, profunda e reconhecidamente, e que agradeço por todos os momentos que pudemos permanecer unidas, coladas, agarradinhas, assim como naquela foto. Quero dizer que te agradeço pelos seus exemplos de vida, durante toda a sua vida. Quero te dizer que espero ser perdoada pelas minhas criancices, pelo meu egoísmo de filha única, mimada. Quero te dizer que estou muito feliz por tê-la a meu lado hoje e que agradeço a Deus nas minhas orações pelo seu exemplo de fé, de coragem, de renúncia, de dedicação, de trabalho, de caráter, de respeito, de atitude, de amor.

Se eu pudesse fazer um pedido ao Universo, eu queria que fosse aprender a retribuir o que a minha mãe tem feito por mim durante esses anos todos (quase 55). Hoje também sou mãe, sou avó, mas nunca fui uma aluna muito aplicada, com relação às lições que minha mãe me ensinou. Ainda bem que ela ainda está ao meu lado e, quem sabe, eu ainda tenha mais uma chance. Sei que, se depender dela, eu terei todas as chances do mundo.

Mamãe, querida, amada, adorada, muito obrigada por tudo, por me dar a VIDA, por estar ao meu lado sempre que eu preciso. Por me dar seu colo, seu carinho, seu abraço, sua atenção. Obrigada por existir, por me dar sempre mais uma chance de acertar. Obrigada pelo seu amor incondicional, por me perdoar sete vezes setecentas vezes. Obrigada por tudo. Te amo.   

segunda-feira, abril 29, 2013

E quando o feitiço vira contra o feiticeiro?


Imagine a seguinte situação: tudo começa com uma namorada ciumenta. Depois ela descobre que não amava o namorado tanto assim. Então, ela "fica" com vários rapazes e mais tarde, conhece o seu amor mais verdadeiro. Só que... surpresa! Ele é tão ciumento quanto ela foi no passado... Esse é o resumo da história da Luíza (nome fictício). 

Eu já falei sobre o ciúmes também aqui neste link:
http://consultasentimental.blogspot.com.br/2006/03/o-bichinho-verde.html

Acompanhe a angústia dela e a resposta, abaixo. 

E você, o que faria no lugar dela? 


Silvia, 

Descobri o seu blog hoje e vi que você dá conselhos quando solicitado e resolvi pedir ajuda, pois não sei mais o que faço, estou muito angustiada.

Tenho 27 anos, namorei e fui noiva por 6 anos, num relacionamento em que fui traída logo no começo, e passei o resto do namoro com brigas e desconfianças pq eu não conseguia esquecer e perdoar totalmente. Ficava neurótica  olhando o celular dele, carteira e bolsos pra ver se encontrava alguma pista. Enfim, percebi que não era o que queria, não gostava tanto dele assim e terminei. Mas quero salientar que nunca trai ele, nem passava pela minha cabeça, e não tinha interesse, pois se eu  cobrava fidelidade dele, como eu poderia fazer o contrario?

Passei quase 2 anos solteira  saia todos finais de semana, conheci muita gente e fiquei com muitos rapazes também, muito inconsequente, não me importando com o que as pessoas pensavam de mim, eu só queria aproveitar um tempo que foi jogado fora.

No final do ano passado conheci um rapaz maravilhoso, que hoje namoro, bateu tudo logo no começo, afinidades, interesses, química  etc. Ele é o melhor homem que conheci ate hoje, atencioso, carinhoso, companheiro, confiável (tenho absoluta certeza que posso confiar nele), posso ficar o dia inteiro falando das qualidades dele, que nunca pensei que encontraria em uma unica pessoa. Sou completamente apaixonada por ele, pra mim ele é o homem da minha vida, que quero casar e ter filhos.

Mas nem tudo é perfeito  ele já teve muitas desilusões, foi traído também e tem uma personalidade muito forte. Ele é muito desconfiado e fica investigando minhas coisas, meu passado e se decepcionou com o que descobriu desse tempo em que eu estava solteira.

Nunca trai ele e não faria isso. Amo ele de verdade, mas ele não consegue acreditar.

Ele me pergunta das coisas que já vivi antes dele e não fico confortável em falar, pq me envergonho muito, nunca pensei que o que eu faria quando solteira, fosse atrapalhar um namoro, e que meu passado fosse tão importante para alguém.

Dei minha senha do facebook para ele para provar que eu não estava conversando com ninguém (pois essa é uma das desconfianças dele) e ele achou algumas conversar antigas, antes da gente começar a namorar, e ficou com ciumes ( eu também ficaria), mas ele usa isso para me atingir, para me julgar e não aguento mais.
Depois que conheci ele, nunca mais conversei com ninguém  respeito muito alguém quando estou namorando. Queria que ele pudesse confiar em mim, mas devido as ultimas experiencias ele acha que eu faria o que já fizeram com ele.

Acho que ele tem medo de fazer papel de bobo e qualquer coisinha ele já quer dar uma de esperto, dizendo que sabe o que estou "aprontando" quando na verdade não estou fazendo nada.

A gente se  todos os dias, desde que começamos a namorar, mas um dia desses atras eu pedi para ficar na minha casa (normalmente ficamos na casa dele) pra poder fazer umas coisas, como unhas, lição de inglês  arrumar minhas roupas, etc., e ele não aceitou muito bem, disse que eu estava enjoada dele, que eu queria aproveitar para conversar com alguém pq ele não estaria perto, que eu minto o real motivo das coisas, etc etc.
Eu só queria fazer minhas unhas e arrumar meu quarto, mas ele já leva tudo pro lado negativo e desconfia de tudo.

Eu tenho certeza de que ele me ama, gosta da minha companhia, a gente é parceiro em tudo, até pescar nós vamos juntos e no salão de beleza, coisas que nunca pensei que faria com um namorado.

Mas a situação ta difícil  não consigo fazer ele acreditar em mim e relaxar. Pois já estive na mesma situação que ele no passado e sei que essa paranoia e desconfiança, sufoca a gente, faz mal, perturba, é ruim demais.
Eu sei o que ele sente quando está desconfiado, mas eu faço tudo certinho, tentando não dar motivos para ele brigar comigo, mas ele sempre arruma alguma coisa.

Sei que meu passado me condena, eu também teria ciumes de saber o que ele ja fez com outras meninas, por isso eu não pergunto, não quero saber. Amadureci muito nesse tempo e consigo enxergar que passado é passado, ele também teve o passado dele sem saber que um dia iria namorar comigo.

Tenho ciumes sim, mas sei que é tudo coisa da minha cabeça e não deixo a paranoia voltar como já esteve presente antes. Mas ele gosta de remoer o meu passado.

Não gosto de tocar no assunto e ele fica bravo. Estou tao errada assim? Tenho que falar de tudo que ja fiz, sabendo que ele não tem nada a ver com isso, que isso só acrescentaria coisas ruins na cabeça dele? Queria poder esquecer tudo que já fiz, porque para mim, não tem mais importância nada daquilo, hoje estou feliz com ele e é o que me importa. Queria que ele aceitasse isso.
 
Não sei mais o que faço. Pode me ajudar? O que faço para ele confiar em mim e parar com as brigas?
Quero viver em paz com ele, aproveitar todos os momentos bons.

Eu o amo muito e não quero desistir, mas sinto que estou lutando com uma coisa que não posso controlar.

Espero que você possa me dar uma pal avinha de conforto.

Mesmo que não responda, ja me sinto melhor, só pelo fato de desabafar.
 
Obrigada, 
 
Abraços

Minha resposta foi assim: 

Luíza, 


A ajuda às vezes demora, mas não falha. Agora finalmente, consegui um tempo para responder p/ vc. 
Sua história é muito interessante e me lembrou um ditado antigo: "aqui se faz, aqui se paga!"  A impressão que eu tenho, sem conhecê-la pessoalmente e sem saber os detalhes da sua história, é que você está vivendo a mesma situação vivida pelo seu namorado anterior, quando você "pegava no pé" dele. Isso ficou muito claro para mim. 

Agora, o que você precisa decidir (e isso é você com você mesma) é se está disposta, em nome do amor que sente pelo seu namorado atual, a continuar nessa situação. Sempre lembrando que essas situações, ao longo do tempo, podem mudar. Amanhã ou depois, pode ser que ele mude de comportamento, mas eu não saberia o que te dizer para fazê-lo mudar. Eu não acredito que uma pessoa tenha o "poder" de mudar uma outra pessoa, só ela mesma. O que já é bem difícil.... 

Então, a decisão é sua.... só o que posso dizer é que se você o ama de verdade, acredito que vá escolher ficar ao lado dele e "pagar para ver" a transformação dessa situação passageira em uma outra situação mais favorável a você. No seu relato você diz que decidiu terminar com o namorado que te traiu porque percebeu que não gostava dele tanto assim. De fato, para ficar ao lado de alguém é preciso gostar tanto assim e mais um pouco. Porque problemas, sempre haverá. 

Também acho que seu namorado atual NÃO tem o direito de ficar chateado com o que vc fez antes de conhecê-lo. Você nem o conhecia, oras... E tinha sim o direito de aproveitar a vida assim como todos os homens fazem. Não vejo pecado algum nisso. Você deveria falar isso p/ ele, com toda a delicadeza, e parar de carregar essa culpa. 

Mais uma coisinha: você precisa ver como você reage aos ataques de ciúmes dele. Quando souber agir com naturalidade e carinho, sem brigar e sem responder, aí você encontrará a felicidade que tanto almeja. Ela está dentro de você e não fora. Está no comportamento que você escolhe ter. E então, me lembro de um outro ditado que diz: "quando um não quer, dois não brigam". 

Espero que você seja feliz. Se quiser, me escreva de novo. 

Boa sorte e bjs, 

Silvia 

sexta-feira, abril 12, 2013

O que vc faz quando ninguém está olhando?


Outro dia, fui até a janela do meu quarto p/ baixar o vidro (é aquela janela tipo veneziana) e daí um dos meus vizinhos da casa debaixo (eu fico 4 andares acima deles), um rapaz que eu nunca tinha visto antes, estava saindo e se benzeu. Achei tão bonitinho aquele ato singelo e solitário! E reforcei o pedido mental dele, pedindo também que ele fosse abençoado naquele dia.
A casa dos meus vizinhos de baixo é bem simples, térrea, tem telhado de "eternit" e é uma das coisas "feias" da paisagem. Por outro lado, é a casa da vizinhança que a gente mais observa, ao abrir e fechar a veneziana, ao longo dos 8 anos em que eu moro lá. Tem um quintal com varal, uns quartinhos independentes nos fundos, que podem ser para alguns membros da família ou talvez sejam alugados. Não sei. Um dia fizeram um "puxadinho" em mutirão, para cobrir a máquina de lavar, "luxo" antes inacessível às classes D/E.
Nunca tive a oportunidade de falar com os vizinhos de baixo (a distância é bem grande e o meu quintal fica bem acima do deles) Mas a gente acaba inferindo como é a rotina daquela família simples. Tem uma matriarca, a "vó", muito amada e respeitada, ela deve ser a dona da casa que abriga todo mundo. Ele deve ser a sustentação de toda a numerosa família. Tem um rapaz que deve ter problemas mentais, nem sempre ele está por lá, deve passar uns tempos internado em alguma instituição. Mas de vez em quando ele aparece, fala alto, com voz enrolada, Quando a "vó" sai, às vezes vem o som no volume mais alto: uma música popular, um rap, um pagode. Coisas assim. Mas quando a "vó" tá em casa, ninguém se atreve.
Outro dia, começamos a ouvir choro de bebê. Uma menina, vimos a manta rosa no carrinho.
Nesses 8 anos, criamos uma intimidade estranha com a família da casa de baixo.
Às vezes, penso em inscrevê-los naqueles programas do tipo que reformam as casas das pessoas, tipo o "Lar Doce Lar" do Luciano Huck, sabe?
Sem que eles jamais me conheçam, ou sequer imaginem o quanto eu sei a respeito da vida deles.
Ia ser bem bacana!
Achei lindo o gesto daquele rapaz saindo de casa bem cedinho naquele dia. Eles mereciam ganhar uma surpresa bem bacana na vida deles.
Vi quando o cachorro vira-lata deu cria e os filhotinhos foram sumindo, um por um, distribuídos entre vizinhos e amigos.
Vi quando teve uma briga horrorosa e ameaçaram chamar a polícia e tal...
Vejo a "vó" lavar a cozinha, cuidar dos queridos dela....
Enfim... essa é uma das coisas que faço quando ninguém está olhando: sou "voyer" da vida dos meus vizinhos da casa de trás. É mais bacana acompanhar a vida deles do que novela ou reality show. É a vida como ela é.

terça-feira, abril 02, 2013

Viagem ao passado não existe


No ano de 1977 (por aí), alugamos uma casinha em Monte Verde, com uns amigos. Ela ficava em uma esquina, na Vila Operária. Nosso programa, durante muito tempo, foi ir p/ lá todos os fins de semana. Foi um tempo tão bom da nossa vida!!

Monte Verde se resumia a uma rua principal, um posto de gasolina, pouquíssimas pousadas, um hotel que não aceitava crianças (!!!) - sempre achei um absurdo... e lareiras, caminhadas sem fim, frio de noite, calor de dia, amigos novos, geleia de ruibarbo e apfelstrudels da dona Zenta, o pão quetinho da padaria, na própria Vila Operária.... Uma delícia.

Corta para 2013.

Outro dia, estávamos burlando a reeducação alimentar em grande estilo, na pizzaria Braz, em Pinheiros, e eu reparei em um moço na mesa ao lado, que eu sabia que conhecia de algum lugar. Mas como estava com o meu marido, parei de olhar e desisti de lembrar de onde o conhecia.

Dali a pouco, vem ele até a nossa mesa:
- Guilherme! Você não está me reconhecendo...de Monte Verde...
E eu:
- Maurício!
Lembrei na mesma hora. Com esse encontro, por acaso, todas aquelas lembranças do passado afloraram com força e deu muita vontade de voltar a Monte Verde.

O Maurício contou que um amigo nosso daquela época, o Nico, tinha uma pousada lá: "Nico on the Hill". Mais do que depressa, fui ao Google, achei a pousada e fiz uma reserva para o feriado da Páscoa.

Estivemos lá neste fim de semana.

A casa que alugávamos virou uma espécie de cortiço, foi dividida no meio e várias famílias moram lá, embora ela permaneça ainda com aquele seu charme rústico-alpino.

A avenida principal tem até shoppings!!! A fila de carros é grande, o som dos restaurantes é alto, tem muita coisa lá que não combina em nada com as minhas lembranças do passado.

Tentei reconhecer alguns lugares, mas foi difícil.

Fizemos um passeio até a Pedra Redonda, onde uma vez passamos a noite, morrendo de medo de onça.... e encontramos um caminho quase que "urbanizado" com escadas, patamar de madeira, corrimão... tudo bem que o conforto da trilha melhorou muito, o que nós e as nossas pernas, que já passamos dos 50, agradecemos. A paisagem lá de cima compensa a caminhada.

Comemos trutas fresquinhas no Paulo das Trutas, desfrutamos de um rodízio delicioso de sopas (e barato) no Galinha da Roça, almoço caseiro no delivery Bom Di+ (na Vila Operária, a melhor comida de Monte Verde, sem dúvida), e na noite de sábado, uma pizzada animada na Taberna dos Irredutíveis Gauleses, que fica na pousada do Nico e da Bite (justiça seja feita, ela é que a responsável pelas leves e saborosas pizzas).

Conclusão: a viagem ao passado não existe. É impossível rever os mesmos lugares, sentir a mesma emoção daquela época que não volta mais. Mas ainda assim, a gente pode aproveitar a viagem, o que ela trouxe de NOVO para nós, o descanso, o verde, a lareira no quarto, o céu azul de doer.... a amizade que reavivou, os novos amigos...

Com o relacionamento, com a vida, acontece a mesma coisa. Cada dia é diferente do outro, cada minuto que passa não volta mais. Por mais que a gente queira isso. Portanto, o melhor que temos a fazer nessa nossa jornada doida pela vida afora é nos divertir, aproveitar, levar a vida do jeito melhor que pudermos, para que a nossa coleção de boas lembranças seja o tesouro que levaremos conosco ao partir daqui para uma melhor (assim esperamos, pelo menos, né??).

Portanto, leitor/a, aproveite a sua vida, curta cada bom momento, releve e apague da memória os maus e viva o hoje (porque o ontem já passou e o amanhã ainda não chegou, como já disse alguém)!

sexta-feira, março 15, 2013

Dias nublados



Adoro dias nublados!
Acho que é porque eles anunciam que algo vai acontecer, no caso, uma chuva.
A chuva lava a alma, lava a cidade, acaba com a poeira, o sufoco, o mal estar.
A chuva carrega as más energias embora.
A chuva alimenta as sementes que clamam por nascer, por brotar.
A chuva, com seu barulhinho suave, acalma, relaxa.
A chuva, quando acompanhada de trovões e raios, nos faz lembrar o quão pequenos somos diante da força da Natureza.
Adoro dias nublados!

Também adoro as segundas-feiras.
Mas essa é uma outra história.

(a foto foi feita por uma amiga minha, a Adriana, que publicou no Facebook bem no momento em que eu vi a mesma paisagem assustadora)

segunda-feira, março 11, 2013

Qualidade

Eu já falei deste livro, mas vale falar de novo....

Precisa entrar neste link e conhecer mais.

A poesia faz falta neste mundo. Muita falta! Aproveite, inspire-se.

Lançamento nesta sexta (22) às 19h, na livraria Cultura do Cjto. Nacional.

terça-feira, março 05, 2013

A mardita pinga!



Ou seja lá o que for que a pessoa escolha beber... Minha opinião é que a gente é que tem que dominar a bebida, e não a bebida dominar a gente. Adoro tomar vinho de vez em quando e uma cervejinha gelada cai superbem em certas ocasiões, principalmente sociais. Mas beber até ficar bêbado? Aí já é um exagero dispensável.

Um leitor aqui do blog, por exemplo, está cheio de problemas com a amada dele, que não aceita a ideia de perdoá-lo pela segunda vez. Tudo por causa da MARDITA!!! E ele me pede umas ideias criativas para tentar reconquistar a moça.

Só que eu esgotei todo o meu estoque de ideias criativas ao responder aos comentários daquele famoso post sobre a confiança, que deu tanto pano p/ manga. Ali mesmo no post e nos comentários tem um monte de ideias boas. Se funcionam? Não sei, espero que sim. Nada nessa vida tem garantia... E o "Consulta Sentimental" também não dá garantia de nada.

Naquele filme que eu citei no post, o rapaz fica dormindo dias e dias na soleira da porta da moça. Você estaria disposto a tanto?? Ela acaba se comovendo e decide dar a ele outra chance. Não é fácil não....

Quer ver a longa cartinha que ele me escreveu contando o desenrolar da história dele? Tá logo aqui embaixo... E convido você, que chegou agora ao meu blog, a ajudá-lo com as tais ideias criativas.... Vamos fazer uma listinha, OK?

Achei bem bonitinhas as tentativas dele. Em primeiro lugar, achei ótima a sua disposição em não beber mais. Mas pela linguagem (e pelos erros de português!!! rsrsrs) me parece que estamos falando de um rapaz bem jovem. E como eu disse outro dia a uma amiga, os homens, por natureza, sempre são mais imaturos que as mulheres... Eu, particularmente, torço para que ele não beba mais, que ele consiga reconquistá-la e que ela a perdoe. Isso aqui tá melhor do que a novela das oito.

ola eu visitei seu blog, sou o ultimo anonimo que postou sobre o termino do namoro por causa da bebida
e que quer mto reconquista a ex
hj jah fazem qse 40 dias que terminamos o nosso namoro, e eu ainda sinto mto a falta dela.
3 dias depois do termino eu liguei pra ela, pedi uma nova chance, disse que tinha aprendido a liçao.
mais ela apenas confirmou que assim seria melhor para nos dois. e que nao ia mais voltar.
2 semanas depois do termino eu fui na casa dela, cheguei lah com um lindo buque de rosas, e ateh de terno eu fui,
o discurso dela havia mudado um pouco, ela dizia que nao sabia se amava ainda, que estava confusa com os sentimentos dela,
eu disse que nao precisa me dar a resposta na hr, soh pedi pra ela que mantivessemos contato pelo facebook.

uma semana depois conversamos pelo face e eu perguntei pra ela
se eu deveria esquecer ela de vez e proucura outra mulher, ow se agente poderia conversa depois de um tempo
para podermos decidirmos se voltariamos ow nao,
e ela disse que agente poderia conversa daki a um tempo.

uma semana depois disso, minha irma conversou com ela pelo face, e ela disse a minha irma
que pensava em mim antes, mais que agora jah nao pensava mais
e depois eu falei com ela tbm, e ela me disse que nao ia voltar a tras em sua decisao
que erra uma vez ela perdoa, todo mundo pode errar, mais nunca no mesmo erro. se fosse outro erro ela ateh perdoaria
mais duas vezes nao.

eu sei que ela me ama, mais ela tem esse orgulho besta, ela diz que isso nao eh orgulho
mais sim mta magoa, pelas coisas que eu disse a ela.
mais eu de fato mudei, no primeiro erro ela perdoou de cara, e agente nem se separou
e eu nao pude sentir o que estou sentido agora. 
eu jah falei isso pra ela, mais ela nao que entender.
eu estava bebado, e nem direito oq eu disse, soh lembro de cobrar o mesmo amor
que eu demosntrava por ela. parecendo que ela nao me correspondia.
mais eu sei que esse eh o jeito dela. eu tava bebado.

eu nao quero mais beber. mais ela nao acredita em mim. ela disse nao confiar em mim
e q nao da pra voltar a namorar sem confiança.
eu gostaria mto de reconquistar a confiança dela,
vou tentar fazer o que vc me pediu,
vou mandar uma amiga minha entregar flores na sala dela amanha na escola.
vou tentar contato pessoal, mais tenho medo que ela me rejeite ow algo assim.

eh mto dificil mesmo reconquista a confiança
mais eu vou fazer de td, estou disposto a fazer qqr coisa
ateh pedi a um amigo que toca violao, para aprender uma musica,
para eu poder cantar pra ela com a ajuda dele.

vc pode me dar algum conselho de como agir?
alguma ideia criativa para eu fazer com que ela perceba que eu mudei realmente?

desde jah obrigado