quinta-feira, março 19, 2015

Reforma

Eu trabalho há anos em um centro espírita. Há anos ouço falar em "reforma íntima". Porém, esta é uma reforma que leva uma vida e a gente não consegue concluir. Haja virtudes para cultivar e defeitos para extirpar... Mas tudo bem, ainda bem que o tempo é fatiado em dias, cada dia é uma nova oportunidade de apertar um parafuso aqui, dar uma mão de tinta ali... e assim vai.

O problema é a reforma na minha casa. É uma reforma de nada. Uma cor em uma parede do quarto, pintar metade da escada de uma cor escura, os degraus coloridos, envernizar portas e janelas, trocar algumas tomadas... e daí, já viu né?? O famoso "Jaque" ataca: já que vai mexer em um quarto, vamos aproveitar para... e aí começa a lista interminável de consertinhos maiores e menores. E o pai da minha amiga que é o responsável pela obra descobre que os cupins comeram toda a madeira da janela... em seguida, começa a vazar o tanque, que não estava vazando antes de a reforma começar... e daí vai.

Eu saio de casa e percebo que esqueci dos brincos (eu tenho cabelo curto, não dá pra não usar brinco). E também de passar perfume. E também de trazer a granola. A confusão no ambiente doméstico acaba se refletindo no meu ambiente interior. Tá vendo a relação com a reforma íntima do começo do texto? Eu ando irritada, confusa, atrapalhada, esquecida. Tudo "culpa" da reforma. Ou seria minha culpa, por não conseguir me situar no meu espaço?

Eu vou ter que ter mais paciência do que o habitual e mais tolerância p/ não ser muito chata com as pessoas próximas nessa situação. Por que a gente sempre relaxa e acha que pode mostrar o nosso pior lado para as pessoas próximas, né??

Mas que a casa vai ficar linda, quando tudo tiver terminado, isso vai!

quarta-feira, março 11, 2015

A metade da laranja


Não. Tire imediatamente esta ideia estúpida da sua cabeça. Você é não é metade de coisa alguma. Você é uma mulher completa e inteira. Você tem dentro de você a centelha divina - eu interpreto como a Vida, a Consciência, aquela vozinha interior que te mostra o caminho, que te diz o que é certo e o que é errado, com muita clareza. Basta a gente silenciar a gritaria interior / exterior e ouvir, prestar atenção.

Embora estejamos em um mundo em evolução, não temos o direito de nos entregar à tristeza ou à infelicidade. Não! Nossa tarefa aqui neste Planeta é buscarmos a nossa felicidade plena. E quem "joga" essa responsabilidade nas costas de quem quer que seja vai se dar mal. Muito mal.

Nós temos a obrigação de procurar pessoas que nos fazem bem, que nos fazem rir, que elevam a nossa alma. Nós também precisamos daquelas pessoas dispostas a ouvir os nossos problemas e a dar palpites para o nosso bem. Pessoas que nos amam.

Ilude-se quem acha que é possível ser feliz sozinho. Não somos ilhas. Somos seres humanos INTEIROS que precisamos sim uns dos outros.

Qualquer maneira de amor vale a pena. TODAS as maneiras de amor valem a pena. Aliás, é isso o que viemos fazer aqui: amar; a mãe, o pai, o irmão, o colega de trabalho, o vizinho, o leiteiro, o pedreiro, os governantes do nosso país, os bandidos, aqueles que erram e que se arrependem. Ou aqueles que erram e não se arrependem. Todos merecem amor, piedade, perdão (mesmo que não peçam perdão).

Consequentemente, seremos amados de volta. Quando a gente entra em sintonia com essa corrente do bem, tudo passa a fluir na nossa vida.

Hoje, eu vim para o trabalho agradecendo (a Deus, ao Universo, tanto faz). Agradecendo pelo azul do sol, pela visão que me permite enxergar o azul do céu. Pelo verde das árvores, pelo meu carro, pelo operário que asfaltou a rua para eu passar com o meu carro, pela música que eu ouvia no carro, pelo pessoal que trabalha lá na emissora de rádio, pelo aplicativo do meu celular e pelo pessoal que inventou esse aplicativo. Pelo meu trabalho, etc, etc. etc... Quando a gente começa a ter o hábito de agradecer tudo de bom e de maravilhoso que existe na nossa vida, acontece uma coisa mágica: mais coisas maravilhosas começam a acontecer. É tão instantâneo!!! Quando a gente experimenta essa sensação de plenitude com o Universo é que a gente percebe que de metade não temos nada! E é só assim que vamos atrair as pessoas certas para o nosso lado.

segunda-feira, março 02, 2015

O melhor lado das brigas conjugais


Sabe aquele ditado que diz "em briga de marido e mulher ninguém mete a colher"? Pois é, faz mesmo todo o sentido. Na briga, ambos são as piores pessoas do mundo. Ambos deixam aflorar seu pior lado. Ambos se digladiam, ofendem, falam bobagens, atacam, se ferem. Ainda que apenas com palavras ásperas, agressivas, grossas, Porém, muitas e muitas vezes, se o casal se ama, ambos tudo perdoam, tudo relevam. Tudo passa. Eles voltam a se entender, voltam no tempo, voltam a namorar. E muitas vezes tudo fica muito melhor do que antes.

Para um casal dar certo, é preciso que aflore o melhor lado de cada um. Tem a ver com a teoria do espelho: eu mostro a você aquilo que você me mostra em você. E se o casal consegue estabelecer um ciclo virtuoso, fica tudo bem,tudo ótimo, melhor impossível.

O que não pode acontecer é a sensação de alívio ao estar longe da pessoa. Daí não tem volta... eu acho. Certeza, não tenho de nada.

E vamo que vamo.