terça-feira, setembro 26, 2006

Feliz aniversário, Guilherme!!


Ele não liga para isso de aniversário. Mas eu ligo. Então, resolvi falar um pouco sobre a pessoa maravilhosa que ele é. Ele faz qualquer tipo de sacrifício e de loucura pelos nossos dois filhos e por mim também. Ele conversa tanto com o porteiro do prédio quanto com o presidente da empresa, de igual para igual. Ele tem um coração do tamanho do mundo e não liga de sair do caminho para deixar qualquer pessoa que seja na porta da sua casa. Ele não fica cansado de trabalhar (nunca). Ele adora ouvir o volume 1 do Buddah Bar, mixado pelo Claude Challe, muitas vezes seguidas, sem parar, dias, meses, anos. Ele adora comer margarina Becel (sem sal) no pão francês fresquinho de manhã, e tem que ser leite integral, sem ser de caixinha. Ele adora comer churrasco, mas prefere que outra pessoa pilote a churrasqueira. Ele gosta das coisas em ordem e limpinhas em casa. Ele ama jogar tênis e acordar muito cedo. Ele adora os amigos do clube, mas no clube. Ele não quer aprender a programar o rádio-relógio e só mexe mesmo no Word (e olhe lá). Viajar? Só se entusiasma com a idéia desde que a viagem seja para a Europa. Ele adora as camisas da Richard’s (e os calções floridos também, que ele usa p/ jogar tênis). Ele adora fazer sauna aos sábados, no clube. Ele só confia nos médicos do HC. Ele mora no meu coração, em uma poltrona bem confortável, onde ele senta p/ ler o jornal, e espalha tudo pelo chão... assim como ele faz na poltrona da sala lá de casa.

domingo, setembro 24, 2006

Narcisista, eu??


Uma vez dei entrevista pra Ana Maria Braga, no Mais Você. Eu era a "compradora pela Internet". Tomamos café juntas e eu estava muuuuito maquiada (me maquiaram lá, óbvio).






Emagreci. Bom, né? veja o antes e o depois. Notou alguma diferença?

quinta-feira, setembro 21, 2006

Decoração

Quero fazer um desses lá em casa!
(depois de tantos textos densos, um pouco de cor pra alegrar isso aqui...)

Pra pintar em algum lugar... onde??



Pra pintar faixas no lavabo

quarta-feira, setembro 20, 2006

Paz!


Que bom! A paz voltou a reinar no lar. O amor torna a alma mais leve e a gente continua na luta. Um leão por dia, pelo menos. E vamo que vamo! Com a alma entristecida (ainda) pela falta que o Tosh fará na casa. Mas aliviada (por outro lado) pela decisão dolorosa e madura que o Tom decidiu tomar. E tem aniversário do Guilherme no dia 26. E tem operação (artroscopia no calcanhar) do Guilherme no dia 4.

segunda-feira, setembro 18, 2006

Pais brilhantes

Recebi este texto hoje por e-mail e acho que tem a ver com o momento que vivemos ontem, lá em casa, vou deixar aqui, para lermos e relermos.

É bastante comum as pessoas justificarem os seus erros, invocando suas precárias condições de vida.
Dizem que foi o desespero que as levou a tomar atitudes equivocadas ou que circunstâncias negativas as fizeram agredir o seu semelhante ou suas propriedades.
Filhos agridem pais porque eles não lhes deram o que pediram, no momento exato em que o fizeram.
Irmãos que mentem, enganam para ter um quinhão maior em heranças, não se importando em que condições ficarão os demais irmãos.
Viktor Frankl, um judeu vienense, que foi prisioneiro dos alemães, durante a segunda guerra mundial, escreveu:
Nós que vivemos em campos de concentração podemos lembrar dos homens que andavam pelos alojamentos confortando os outros, distribuindo seus últimos pedaços de pão.
Talvez eles tenham sido poucos.
Mas são prova suficiente de que tudo pode ser retirado de um homem.
Menos uma coisa, a última das liberdades humanas - escolher que atitude tomar em quaisquer circunstâncias, escolher o seu próprio caminho.
Portanto, escolher o bem ou o mal compete a cada um.
O que nos falta, sim, é uma melhor educação.
Não essa educação que se aprende nos livros.
Mas aquela que tem a ver com a formação do caráter da criatura.
E para isso precisamos urgentemente, de pais conscientes que ensinem verdadeiros valores a seus filhos.
Pais que tenham coragem de falar aos seus filhos sobre os dias mais tristes das suas vidas.
Que tenham a ousadia de contar sobre as suas dificuldades do passado e como as conseguiram vencer.
Pais que não desejem dar o mundo aos seus filhos, mas que queiram sim lhes abrir o livro da vida.
Pais presentes que desenvolvam em seus filhos: auto-estima, capacidade de trabalhar perdas e frustrações, filtrar estímulos estressantes, dialogar e ouvir.
Pais que tenham tempo, mesmo que o tempo seja muito curto.
Pais que joguem menos futebol e se sentem mais para conversar com os filhos, descobrindo-lhes o mundo íntimo.
Pais que não se preocupem somente com festas de aniversário, tênis, roupas, produtos eletrônicos.
Mas que também se preocupem em dialogar, sorrir, conviver.
Pais que sabem que não devem atender todos os desejos dos seus filhos, pois isso os tornará fracos, dependentes.
Pais que dêem algo que todo o dinheiro do mundo não pode comprar: o seu amor, as suas experiências, as suas lágrimas, os seus sorrisos e o seu tempo.
Em suma: um autêntico processo de educação, em que o filho aprende que amar é o maior dos tesouros.
E não haverá de se tornar infeliz somente porque não tem a roupa de grife, ou não conseguiu viajar ao exterior nas férias.
Será alguém que se preocupa não somente consigo mesmo, mas com o seu semelhante.
Alguém que reconhecerá a grande diferença entre ter coisas e ser uma pessoa útil à comunidade, um cidadão honrado, um homem de bem.
É possível que você diga que trabalha muito e não tem tempo.
Contudo, faça do pouco tempo disponível, grandes momentos de convívio com seus filhos.
Role no tapete. Brinque, sorria. Conheça-os e permita que eles o conheçam.
Lembre-se, por fim: seus filhos não precisam de um super-homem, de um executivo bem sucedido, de um empresário muito rico.
Para eles não importa se você é médico, professor, administrador de empresa, copeiro, enfermeiro.
Importa, sim, o ser humano que você é e que os ensinará a ser.

Ontem, depois da crise familiar, recebi a newsletter da Seara e um dos textos me chamou a atenção. Também tem a ver com o tema. O texto é o seguinte:

A INGRATIDÃO DOS FILHOS


A cada pai e a cada mãe, Deus perguntará:
“Que vocês fizeram do filho confiado à sua guarda?”


Instruções dos Espíritos

Fruto imediato do egoísmo, a ingratidão sempre causa indignação tanto em quem a sofre quanto nos que a presenciam. Quando ocorre da parte dos filhos em relação aos pais, é ainda mais lamentável. O Espiritismo vem lançar luz sobre esse problema ao alertar para o fato de que, ao se produzir um corpo, a alma que nele encarna vem do espaço para progredir. É um Espírito com paixões e virtudes que, motivado por boas resoluções, pede a oportunidade da reencarnação junto àqueles que o ofenderam e prejudicaram gravemente em encarnações anteriores, para exercitar a caridade do perdão. Seu sucesso nesse intento dependerá de sua persistência nas boas resoluções e da força de sua vontade em resistir ao mal. Diante disso, fica evidente a importância de os pais se empenharem em aproximar de Deus as almas de seus filhos.

Assim, não se deve rejeitar a criança de berço que repele a mãe, nem aquele que paga com a ingratidão os cuidados e amparo que recebe. Não é o acaso que os faz assim. É preciso aí intuir, ainda que imperfeitamente, a revelação do passado e considerar que um ou outro já odiou muito ou foi muito ofendido; que um ou outro veio para perdoar ou para expiar. Cabe, pois, às mães e aos pais abraçar o filho que lhes causa desgosto, pensando: “Um de nós dois foi culpado”. E com mais empenho aplicar-se a ensinar a essa criança que ela está na Terra para aperfeiçoar-se, amar e bendizer. Não é tarefa tão difícil quanto se imagina. Todos podem cumpri-la. E o Espiritismo, dando a conhecer a causa das imperfeições do coração humano, veio facilitá-la.

Muitos pais e mães, no entanto, por fraqueza ou negligência culposa, em lugar de arrancar pela educação os maus princípios inatos de existências anteriores, deixam que eles se desenvolvam. Já nesta vida, começam a expiar essa negligência sofrendo a ingratidão dos filhos. Por outro lado, quando os pais fazem tudo o que está a seu alcance para o adiantamento moral de seus filhos e, mesmo assim, não são bem-sucedidos, não devem alimentar a culpa; ao contrário, de consciência tranqüila, podem manter a esperança de que a misericórdia divina lhes concederá acabar em outra existência a obra começada nesta e de que um dia o filho ingrato os recompensará com seu amor.


Fonte: Allan Kardec, O Evangelho segundo o Espiritismo, Capítulo XIV.

sábado, setembro 16, 2006

Equipe

Marjorie, querida. Você não precisa agradecer por eu ter dedicado o post do Cirque pra você, porque toda a minha vida eu já dedico a você, meu amor. Bem, feita a declaração de amor, quero fazer um post dedicado ao Colégio Equipe.

A Marjorie vai entrar lá no primeiro colegial em 2007 e fomos a uma reunião de pais hoje de manhã, enquanto os meninos e meninas faziam provas de Português e Matemática. Deixei de ir à Seara, onde vou religiosamente todo sábado de manhã, mas foi por um bom motivo. Como me senti bem lá no Equipe! O Guilherme estudou duplamente lá. Ele estudou no Equipe em 74 (Caio Prado) e 75 (Martiniano de Carvalho, onde nos conhecemos) e também quando funcionava naquele endereço atual a escola para os filhos de jóqueis (o pai dele foi jóquei). A escola era gratuita, dava uniforme e tudo o mais (barbeiro, dentista, cinema, tudo ali mesmo). Mas a contrapartida era o "coque" - um soco que os diretores davam na cabeça das criancinhas. Ainda bem que o ensino mudou! Hoje, o mesmo endereço (de triste memória, em termos pedagógicos) abriga o Equipe, referência em educação para toda uma geração. Além disso, tem a nossa história de amor. Vimos shows promovidos pelo Grêmio, dirigido pelo Serginho Groisman (que mais tarde faria o Programa Livre e acabaria na Globo). Vimos até um show do nosso ministro Gilberto Gil por lá. Eu, que chegava de uma escola de freiras, onde estudei durante 11 anos, levei um choque (cultural, comportamental) que mudou a minha vida, de forma definitiva. Vi um novo mundo, me apaixonei perdidamente pelo Guilherme, que tinha aqueles cabelos encaracolados, que lembravam os de um anjinho...

Ai, ai!

Mas voltando ao presente, ao dia de hoje, a reunião foi muito especial. Teve até alguns momentos emocionantes, que quase me levaram às lágrimas. Um pai, viúvo, contou que a filha, órfã de mãe aos 9 anos, foi acolhida pelo colégio de tal maneira, que ela conserva até hoje aquela memória afetiva muito boa. E que foi ela quem insistiu para a irmã (do segundo casamento do pai) estudar lá também.

E a Ausônia, que é a diretora muito especial do colégio, também quase chegava às lágrimas cada vez que falava do Maurício, professor de biologia e diretor o colégio, falecido há 3 anos. Aprendi que ensinar vem do latim "insignare" - que significa colocar um sinal, uma marca. A Marjorie vai ter aula com pelo menos dois professores (Zé Maria, de Matemática, e Gilson Rampazzo, de redação), que foram nossos professores também. Senti que estou fazendo a escolha certa de colégio para minha filha. Sei que esses 3 anos ficarão gravados para ela para sempre. São o período mais "delicado" da vida de uma pessoa, em que a personalidade dela será formada, de forma indelével. Claro que eu quero que ela passe no vestibular, que entre na USP. Mas quero mais que ela seja uma pessoa feliz, crítica, criativa. É isso que eu acredito que o Equipe pode proporcionar pra ela.

Ah, acho que falei muito. E Internet pede textos curtos, dizem por aí. Mas, enfim, eu queria dividir essa emoção e essa experiência com você, que gasta seu tempo pra ler minhas cibernéticas linhas. Dá licença, que agora eu tenho duas matérias de tecnologia pra escrever (não tá dando tempo de fazer tudo durante a semana...)

sexta-feira, setembro 15, 2006

Le Cirque!



Então. Como a minha querida filhinha pediu no comentário do post anterior, lá vai o post em homenagem ao très fantastique Cirque Du Soleil. Gente, foi demais. Fomos no domingo, às 4 da tarde. Que emoção! Eu sempre gostei muito do Cirque Du Soleil, com base no que vi na TV. Nunca fui a Las Vegas nem ao Canadá e nunca tinha tido a oportunidade de ver um espetáculo inteirinho deles todos. Comprei os ingressos mais baratos, afinal de contas, foram seis. Domingo, fomos nós 3 (Biba, Gui e eu). E em outubro vai o trio Rafa, Tom e a minha mãe (foi um presente de Dia das Mães p/ ela). E tinha uma coluna na frente da gente. Mas o importante é que estávamos lá. E que espetáculo emocionante!! O som ao vivo, as luzes, as maquiagens, os artistas de diferentes países, o profissionalismo... é bem difícil descrever, porque a gente volta a ser criança, e se encanta com tudo o que eles fazem, com os novíssimos palhaços, com a mímica, com a malabarista, a equilibrista, o trapézio duplo, com a pessoa da platéia que eles levam pro palco e que "atua" tão bem! Tem lojinha lá também, mas os preços das camisetas, máscaras, chaveiros, etc... são pra lá de salgados.

Durante o show, eu só pensava:

- Como eles fazem isso? Impossível... Impossível...

Todo mundo precisa de fantasia na vida. E fui decidida a trazer o catálogo pra casa, ainda que fosse caro. A gente fica até com a alma mais leve, depois de ver o Cirque Du Soleil. Eles têm esse poder... Quer saber?? Valeu o investimento. Diversão também é investimento. Concorda??

quarta-feira, setembro 13, 2006

Utilidade Pública

ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA AO PORTADOR DE ASMA – ADULTOS E CRIANÇAS

Docente responsável: Prof. Dr. Luzimar R.Teixeira (ele me ensinou a nadar, quando estudei na USP)

A aula é assim: metade do tempo é na piscina e a outra metade em quadra, com exercício respiratório. Mais informações neste link.

Legal, né???????? A Biba tá lá agora. Foi sozinha, de táxi. A mãe tá em Moema.

Programa
Atender crianças e adultos asmáticos através de um programa de atividades físicas adaptadas e palestras para orientações sobre manuseios e cuidados da asma.

Público-alvo
Crianças de 06 a 15 anos
Adultos a partir de 18 anos

Horários
Crianças de 06 a 15 anos: 2ªs e 4ªs das 15h00 às 16h45
Adultos a partir de 18 anos: 3ªs e 5ªs das 07h10 às 08h40

Inscrições
VAGAS DISPONÍVEIS PARA CRIANÇAS E ADULTOS

Os interessados deverão realizar teste de espirometria e agendar exame médico pelo 3091-3182. Os alunos que ingressarem a partir de setembro pagarão apenas 03 parcelas de R$ 43,00.

sexta-feira, setembro 08, 2006

Jantarzinho romântico


O Gui inventou que íamos jantar bobó de camarão. (Com leite de coco light, Estela!) Pegamos a receita no jornalzinho do Pão de Açúcar da praça Panamericana.
E não é que ficou bom? Com arroz branco, cerveja sem álcool e um pão ciabatta pra acompanhar. Só faltou a luz de velas...

quarta-feira, setembro 06, 2006

Sete de Setembro


Quando eu era pequena, a gente cantava assim:

"Sete de Setembro, tão querida data, foi a independência do cachorro vira-lata. É uma grande data, para o meu Brasi-il... (não lembro mais)"

A gente tinha que vestir o "uniforme de gala": saia pregueada branca, meia três-quartos branca, camisa branca de manga comprida, e boina! E ia pro colégio, cantar o Hino Nacional e ver hastear a bandeira. Ainda existe isso?

Agora, meu único desejo é viajar no dia da votação. É tão fácil justificar o voto! E o melhor é que não me comprometo com os rumos que a Nação for tomar, em conseqüência do voto (obrigatório) da maioria da nossa população. Alienada, eu? Pode ser. Acho que "descrente" é um termo que melhor define essa minha (falta de) posição política.

Bom feriado pra quem tem a felicidade de emendar!

E a Eliene vai pra Monte Verde! Que delícia! Quando eu crescer, quero ir também.

terça-feira, setembro 05, 2006

Novo blog!

E eu ajudei a batizá-lo!! Passa lá, que vale a pena, eu "agarantcho".
A Fabi tem talento. Essa menina vai longe!

Escada "rolântica"

Vim trocar o título do post de sexta, por sugestão da Vaca Zen.
Mas se eu deixasse lá mesmo ninguém veria... portanto, fica só o título e o post continua lá embaixo, pra quem ainda não leu.
Correria, correria paulistana.
Volto depois.

segunda-feira, setembro 04, 2006

Casamento

Ontem a Luciana e o Alexandre se casaram. Que lindo que foi! Pergunta se eu não chorei a borrei toda a maquiagem improvisada!

Desde que eu conheci a Luciana, lá no ano 99, acho... ela sempre foi muito romântica e o casamento era uma coisa que estava nos seus sonhos. É muito gratificante a gente ver uma amiga tão querida realizar um sonho! Com um menino tão legal quanto o Alexandre.

Ela estava linda, linda, num vestido branco, "comme il faut", com um buquê de flores igualmente brancas... A cerimônia foi civil, em um buffet, mas teve todos os protocolos possíveis e imagináveis. E música, e foto, e daminha, e família, e amigos, e todo mundo chique. Ela me disse que foi todo mundo que ela queria que fosse.

E quando ela entrou no tapete vermelho (não falei que era tudo "comme il faut"?), ela não me viu (será que ela viu alguém??). E eu estava muito ansiosa pra dar um abraço, pra desejar muita felicidades pros noivos, e tudo o mais. Uma hora, os fotógrafos deram uma folguinha e lá fui eu e a Biba (com o vestido preto de veludo com a pantera-cor-de-rosa atrás - by Cavalera) dar um abração nos noivos. Pronto! Quebramos o protocolo e eu tive direito a dois abraços!! hehehe.

Totalmente leiga em casamentos, eu adorei também a tal da lista de presentes. Burra, não me liguei que a rede de lojas onde ela fez a lista tinha uma filial aqui no meu bairro. Gente, que coisa mais moderna! Um dos motivos pelos quais eu não me casei, lá no longínqüo 1980, foi porque eu não queria ganhar presentes "cafonas". Então, preferi não ganhar nada. OK. Eu era radical. Mas agora, a noiva fica sabendo na hora pela Internet quem comprou o quê, e tudo escolhido por ela. Maravilha! Facilita a vida da noiva e também dos convidados, que não precisam ficar quebrando a cabeça, tentando adivinhar se vai combinar com a maison, e coisa e tal. Dei uma bandeja de bambu estilosa e duas taças com os pés azuis. Um presente p/ o casal, para aqueles momentos deliciosos de intimidade, de comecinho de vida a dois. Lindo, né??

E o pai da Luciana já partiu para o plano espiritual. Então, seu tio falou um texto muito lindo, espontâneo, dando as boas vindas ao Alexandre ao seio daquela família oriental tão simpática e calorosa. Eu e a Biba ficamos nos divertindo observando as semelhanças (até nos gestos e expressões) entre a Luciana e a irmã dela. Tão lindas, as duas!!

E eu ainda tenho uma vantagem adicional sobre as outras convidadas. Sou a única pessoa que a Luciana conhece (acho...) que faz aniversário no mesmo dia que a mãe dela. Por isso, sinto que temos aquela ligação espiritual que não se desfez, mesmo depois de uns 7 anos, e continuamos nos falando, nos encontrando de vez em quando e tudo o mais, apesar de morarmos em São Paulo (o que explica muitos desencontros que as pessoas não desejariam...)

E peço aos anjos e ao Plano espiritual muita luz, muito amor e muita compreensão para esse lindo casal. Que eles sejam muito, muito felizes e abençoados.

E fui ver agora há pouco o Click, com o Guilherme, a Biba e a Gláucia (sobrinha). Adoramos!
Nossa, que bom que a gente não tem um controle daqueles, viu? No fim do filme, a gente entende que a nossa vida deve seguir o rumo e o ritmo natural das coisas. Por mais que a gente tenha vontade de "avançar" umas partes, elas todas estão presentes em nós e precisamos vivenciar cada momento para encontrarmos a verdadeira felicidade. Foi assim que eu interpretei o filme. Dá vontade de viver a vida da gente com mais intensidade, aproveitando a companhia e a presença das pessoas queridas que estão bem ali ao nosso lado e que às vezes não nos damos conta, não percebemos e nem mesmo valorizamos. Vamos abrir os olhos da alma e deixar de viver no "piloto-automático", enquanto ainda temos tempo, tá??

Boa semana! Ainda que com brigas, decepções, desilusões. Pois são esses momentos "down" que fazem com que aproveitemos melhor os momentos "up". Bola pra frente.

UPDATE: CORRIGI O QUE ESTAVA ESCRITO ERRADO (MINHA FILHA APONTOU MEUS ERROS GRAMATICAIS) E AINDA SOBRE O FILME, ELE TAMBÉM ME FEZ "ENXERGAR" QUE EU FIZ A OPÇÃO CERTA NA MINHA VIDA. POR ISSO É QUE EU ACHO QUE CHOREI TANTO. TODO AQUELE PAPO DE CIGARRA E FORMIGA, DE OUTRO DIA, DE ANÁLISES INTERIORES, ETC. CHEGUEI A UMA CONCLUSÃO. FOI BOM. FOI MUITO BOM MESMO.

sexta-feira, setembro 01, 2006

Escada rolante


O Guilherme (meu marido, se vc ainda não sabe) tem uma teoria: as pessoas se beijam nas escadas rolantes. Se for ao shopping no fim de semana, espia só. Sempre tem alguém se beijando na escada rolante. É batata!

Mas legal mesmo foi uma mulher lá no shopping Villa Lobos que berrou: EU TE AMO!! Ficou todo mundo olhando pra ela. Que doida. Mas eu acho mesmo que ela que tá certa. Que corajosa!

Bom fim de semana!!