sexta-feira, agosto 29, 2008

Um pouco de ficção

Abre parênteses: obrigada pelos votos, a votação continua, mas vou colocar uma história de amor diferente aqui hoje. Fecha parênteses.

Uma família muito especial

Somos uma família de ratos. Vivemos no esgoto de São Paulo. Aqui tem muito alimento e é um lugar muito bom para se viver. Meu avô sempre diz que no tempo dele era diferente, os perigos eram maiores. Hoje em dia, vivemos no sossego do esgoto e ninguém é capaz de nos tirar daqui.

Nós, ratos, somos animais muito legais, não gostamos de incomodar o Homem. Nós nos escondemos porque cada vez que um de nós aparece é um deus-nos-acuda. O Homem sai correndo, a Mulher sobre em cima de uma cadeira e fica gritando. É sempre assim. Nós não gostamos de confusão. Queremos ficar no nosso canto, com os nossos restos de comida, não amolamos ninguém.

Nós só temos muito medo mesmo é de uma coisa chamada ... Ratoeira. Meu avô sempre diz que havia muitas Ratoeiras no tempo dele. Agora, há poucas. Eu mesmo, que ainda sou jovem, nunca vi uma em toda a minha vida. A minha avó não deixa a gente falar essa palavra. Ela diz que não pode, que atrai. Sei lá o que isso quer dizer. Ela diz assim: “aquela palavra que começa com erre...” cobrindo a boca pra ninguém enxergar e nem ouvir direito.

Na semana que vem vai ser o casamento da minha irmã. Ela demorou pra escolher o noivo. Ficava com um, depois com outro. Mas agora ela conheceu o rato que vai faze-la feliz, diz ela. Eu não sei, porque ainda sou muito novo pra saber sobre essas coisas de casamento. Só sei que ele parece ser um cara legal. Um dia me trouxe um pedaço de queijo de presente. Provolone, que eu adoro!!

No casamento da minha irmã a gente vai fazer uma grande festa e convidar todos os ratos do esgoto! Vai ter até DJ e a gente vai dançar a noite toda. Quer dizer, eu não, porque sou novo e tenho sono cedo. Mas vou ficar na festa o máximo que eu conseguir. Meu pai disse que eu posso porque é o casamento da minha irmã e nem todo dia é casamento da irmã da gente. Por isso vou poder ficar acordado até tarde. Vai ser o maior legal.

De comida, vai ter queijo de tudo quanto é jeito! Queijo branco, queijo coalho, queijo amarelo, queijo gorgonzola, queijo camembert, queijo mussarella, queijo provolone, queijo parmesão, queijo gouda, queijo prato, queijo garfo.... Existe queijo garfo? Não sei, mas acho que deve existir, sim. Se existe, vai ter no casamento da minha irmã. O noivo dela é muito rico.

A minha mãe tá histérica. Parece que é ela que vai casar. Ela disse que tem que cuidar de todos os preparativos, que vai vir até o prefeito e que tudo precisa estar impecável. Que nada pode dar errado, que o bolo de queijo tem que ser o mais bonito que já se viu no esgoto, que minha irmã não pode isso, não pode aquilo, que tem que jogar o buquê assim, assado... Ela fala tanto que eu fico até tonto de ouvir e vou fazer outra coisa. Até saio de perto quando ela fica assim atacada.

Minha irmã me contou que até os fotógrafos da revista Ratas vão vir pra fotografar o casamento dela. Depois do casamento, ela contou que vai ter lua-de-queijo. É assim: eles viajam pra um lugar bem legal, ficam lá uns dias e depois voltam. Ela me disse que eles vão viajar até o túnel do metrô, na Estação Paraíso. Com esse nome, deve ser bom, né? Diz que lá tem um monte de coisas gostosas pra comer e que tem passeio “com emoção” e “sem emoção” pra fazer. Se fosse eu, ia querer “com emoção”! Mas a minha irmã é medrosa e aposto que ela vai pedir pra ser “sem emoção”! Depois eles vão pra Estação Liberdade. Também deve ser um lugar legal. Mas ela falou que os ratos de lá falam outra língua, que não dá pra gente conversar assim normal com eles. Ela me disse que eles falam ratonês. Acho que é isso mesmo.

Depois, eles vão pra Estação Brigadeiro. Eu adoro brigadeiro! Sempre que tem festa de criança na casa que fica aqui em cima de onde eu moro, a gente vai lá. Porque alguma Criança sempre derruba um brigadeiro e a gente come. A gente vai de noite, depois que todos foram dormir. Dá um frio na barriga, porque eu tenho medo que alguém me veja e me cace.

Meu avô me falou que a gente precisa ter muito cuidado também com os Gatos. Que eles são do mal e que atacam a gente. Que não deixam sobrar nem um pedacinho da gente pra contar história. Eu, hein? Nunca vi um Gato. Mas meu avô me contou como eles são: são peludos, têm um rabo comprido e correm super rápido pra pegar a gente...

Mas isso não interessa agora. Quero contar mais da viagem de lua-de-queijo da minha irmã. Ela disse que vai trazer uma lembrancinha pra mim.

Olha, eu não sei se a sua família é assim tão feliz quanto a minha, Espero que seja. Aqui no esgoto a gente se diverte muito.

Agora eu tenho que ir embora, que a minha mãe tá me chamando. Tá na hora de dormir. E do jeito que ela anda nervosa, é melhor não contrariar. Você quer ir no casamento da minha irmã? Me dá seu endereço que eu vou pedir pro meu pai botar um convite pra você no corrateio, tá?

sexta-feira, agosto 22, 2008

With a little help from my friends


Com a palavra a minha querida norinha do meu coração (vamos lá, please!!!):

É o seguinte, lá vamos nós novamente para a batalha do Boteco Bohemia, mas este ano tem um pequeno detalhe: nós VAMOSSSSSSS GANHAR!!! Assim, como a união faz a força, queria pedir uma super força.

O ano passado não deu para vcs me ajudarem mto, pois acabamos deixando para muito em cima, então segue o planejamento. Este ano acontecerá da seguinte maneira:

1) primeiramente o Portella participará de uma pré-eleição com mais 130 bares para disputar uma das 30 vagas concorrentes para o melhor petisco de São Paulo. Essa primeira votação começou na segunda-feira dia 18 de agosto, pelo próprio site do evento que é www.botecobohemia.com.br. Então peço que divulguem para todas as pessoas conhecidas, e-mail, Orkut, etc...

2) a segunda parte consiste na votação do petisco naquelas cédulas, mas depois a gente fala sobre isso. Vamos primeiro conseguir passar pela primeira votação que não vai ser fácil!!!

Agradeço de coração a força que vcs sempre nos deram e nos dão até hoje, amamos vcs demais, e obrigada por abraçar as nossas causas como se fossem de vcs. São mais que amigos, vcs sabem disso!

Obrigada!
Bjs
Rafa

quinta-feira, agosto 21, 2008

Passada a metade...


... de 2008, encontrei hoje um texto que escrevi quando o ano estava começando. Acho que é um bom momento de registrar aqui, para "agarrar" de novo aquela energia altamente positiva:

2008 promete! A soma dá 1 - a energia do início, do começo de uma nova fase! Para quem viveu intensamente cada momento até aqui, é bom chegar ao ano de completar 50 voltas ao redor do sol. O ano de ser uma escritora de verdade. O ano de colher o que foi plantado com suor e regado com lágrimas. O ano de realizar mais sonhos. O ano de escolher no "Catálogo do Universo" apenas o que for Bom! Bons sentimentos para compartilhar com os irmãos aqui dessa mesma jornada planetária inevitavelmente pontilhada de sofrimento e de dor. Cabe apenas decidir o que fazer com esses sentimentos negativos: transformá-los, transmutá-los, dissolvê-los e abandoná-los (alquimia).

E escolher a esperança, a alegria, o entusiasmo, o amor, a emoção!

Viver intensamente em 2008 para se destacar na multidão. Para que o sucesso venha naturalmente, sem esforço - coroar o êxito de uma filosofia de vida cuidadosamente traçada e vivida.

Os sentimentos negativos deixam a jornada cheia de obstáculos. Deixam o fardo pesado. São eles que impedem o nosso vôo para regiões mais altas e mais lindas, onde o perfume que as flores exalam funciona como um bálsamo para aliviar as dores dos nossos corações sofridos.

(Daí abriu o farol, ou melhor, semáforo)

quarta-feira, agosto 20, 2008

O que tem por debaixo da burca??


Eu sempre brinco com a minha filha (15 anos) que minha roupa preferida pra ela ir às baladinhas dela seria a burca. Lógico que ela não gosta nem um pouco da minha idéia. Mãe é assim, a gente quer proteger a filha da gente, que tá virando uma mocinha linda, dos olhares "gulosos"desses meninos cheios de testosterona pra dar, né?? Tenho uma amiga, OK, vamos chamá-la de Latifa, como ela quer ser chamada, que está traduzindo superbem o jeito como essa garotas enxergam os relacionamentos com os mocinhos. Aqui neste blog! Blog novo no pedaço!! Tomara que ela continue atualizando sempre. tá assim de gente que começa e logo termina os blogs. Espero que este nào seja o caso da minha linda e talentosa amiga. Ah! ela é (de verdade) campeã de dança do ventre.

O blog dela me fez ver como me distanciei da proposta original desse blog... As consultas sentimentais começaram a rarear, fazer o quê? Mas se vc tiver uma dúvida, e quiser o meu palpite, pode me mandar e-mail: sangerami@gmail.com.

Outro assunto: o que você acha do uso de pseudônimos p/ escrever um blog? Meu outro blog, o Efeito Pimenta, eu comecei a escrever com pseudônimo e depois desisti do artifício. O Lelec é outro exemplo de abandono do pseudônimo depois de um ano à frente do seu maravilhoso blog A Terceira Margem do Sena (que recomendo muito, se vc ainda não viu). E vc, o que acha dos pseudônimos??

segunda-feira, agosto 18, 2008

Atualização visual

Almoço de trabalho no sábado na padaria A Trigueira, no Campo Belo.

Almoço no restaurante indiano na sexta-feira, p/ a Estela contar qual seria a "mudança radical".
(teve um jantar muito legal na quinta-feira, mas não teve foto)


Dia dos Pais na casa do Tom, com a família reunida.

Novo layout do meu espaço de trabalho

Voltei a andar na pracinha - mais conhecida como praça dos safenados (do lado do Santa Cruz)

Eis a prova: fiz o bolo de caneca e ficou uma delícia!!

quinta-feira, agosto 14, 2008

Linha do tempo


Um dos meus vááários trabalhos é fazer a linha do tempo de uma empresa. Isso me deu um clique e resolvi fazer a minha própria linha do tempo. É tanto tempo vivido. Já pensou em resumir cada ano em uma linha só? Tô fazendo isso com a minha vida e tá sendo uma experiência bem interessante!

segunda-feira, agosto 11, 2008

Tudo bem!

Foi tudo bem com a cirurgia. Tecnicamente perfeita. Não sinto absolutamente nada e nem tenho que tomar nenhum remédio. Vida 100% normal. Incrível.
Agradeço aos meus fiéis leitores que fizeram o imprescindível "pensamento positivo".
O procedimento se chama vídeo histeroscopia cirúrgica e o médico (professor do HC-USP) faz isso com o pé nas costas (os meus também, aliás... rsrsrs) Mas apaguei, não vi absolutamente nada, acordei em um lugar diferente, morrendo de frio, um monte de caras desconhecidas e eu sem óculos (isso sim foi beeem chato).
Mas enfim, saí do hospital no mesmo dia, na boa. Vou voltar lá no dia 1/9, quando vão me dar o resultado dos testes que estão fazendo lá com os tais pólipos que eu tinha no útero (há um tempão, aliás). Assim, quem tiver procurado isso no Google e que tenha chegado aqui por esse motivo, relaxa, que é uma coisa mega-simples.
Hoje já fui andar na praça e já estou dirigindo, etc e tal. Normal.

Dia dos Pais foi tudo bem também, com macarronada na casa do filho e presentes pro filho (que também é pai, né?)

Liguei pro meu pai, meio atrasada, pra registrar o meu agradecimento, que com o tempo a gente vai percebendo melhor. Só pelo fato de nossos pais nos terem dado a VIDA, a nossa dívida já é gigante.

quinta-feira, agosto 07, 2008

quarta-feira, agosto 06, 2008

A experiência masculina


Hoje a Rafa me manda um torpedo: “tou tão triste”...
Ligo imediatamente pra ela: “Mas o que aconteceu, Rafinha?”
Sabe aqueles dias em que o marido acorda de mau humor?
(Bom, meu filho seeempre acordou de mau humor, só melhorou um pouco depois que a Helena nasceu)
A briga clássica de marido x mulher envolve qual pergunta básica: “cadê as minhas cuecas?”
Pronto, bastou isso para a Rafa ficar triste. Ela respondeu alguma coisa como: "sei lá onde estão as suas cuecas, eu cuido das minhas calcinhas, você que tem que cuidar das suas cuecas, deve ter alguma no varal..." Ela ainda se deu ao trabalho de responder, tadinha!! Eu dou é risada quando meu marido pergunta isso. Foi-se o tempo em que a mulher tinha que cuidar das cuecas do marido, né?
Mas para a Rafa, que nunca conviveu com a figura paterna na infância, a cena foi totalmente inédita. E ela ficou chateada. Pensando em tudo o que ela faz pelo marido...
Só que é sempre assim: eles só vêem o que a gente não faz.
Uma mulher que trabalha e que divide as responsabilidades da casa com o marido NÃO TEM a obrigação de cuidar das cuecas dele.
Eu falei pra ela deixar pra lá, porque não era motivo pra tanto. E também falei que isso NÃO melhora com o tempo... Naqueles dias em que eles estão atacados (será que existe TPM masculina?), pode acreditar que vão perguntar sobre as cuecas (ou as meias, ou o cinto, ou o sapato, ou o que quer que seja...)
No fim, ela deu risada sobre a falta de experiência dela com esses assuntos estritamente masculinos... hahaha. Eu também me matei de rir e só tou contando aqui porque ela autorizou. Quem sabe essa historinha não ajuda os casais que estão casados há um ano, assim como eles, né??
E você? O que vc faz quando seu namorado, marido ou mesmo seu pai dão esses "pitis"??

Hoje saiu o ganhador

Já pensou? O mineiro felizardo, bem "mineiramente", esperou esse tempo todo (10 dias segundo a reportagem do Bom Dia Brasil) p/ se identificar. Até parece o Hurley...
Mas sabe que a grana tá todinha na poupança?
O que rende em um dia é mais ou menos o que eu ganho (ou melhor, ganhava*) em um mês.
Cara, é muita grana. Muita. Nem parece que existe tanto dinheiro assim, né?
Bom, é isso. Tô meio sem inspiração, como vc deve ter reparado.
Mas tem post novo lá no Efeito Pimenta, também.
Em caso de tédio, clica lá.
(*) explicação aqui