segunda-feira, abril 25, 2005

Nunca diga "dessa água não beberei"
O destino (existe?) é engraçado e adora pregar peças na gente. Quando vc menos espera está lá, fazendo o que não queria, trabalhando com o que não gostaria, namorando uma pessoa que tinha jurado antes que não namoraria... A vida tem dessas coisas.
Eu, por exemplo, passei o feriado trabalhando. Na quarta, fiquei até umas 23 horas fazendo coisas do trabalho. Depois, tive que destrinchar um pesadíssimo e atrasadíssimo relatório e só acabei ontem...
Pois é.
Ando um tanto quanto sobrecarregada de coisas.
Coisas do trabalho, da casa, dos filhos, maridos & família em geral, e contas, contas e mais contas. Ganhar bem é algo totalmente relativo na vida de uma pessoa.
Teoricamente, ganho bem. Na prática, pago duas escolas, uma prestação de casa bem salgada, duas prestações de carro, uma empregada que mora do outro lado do mundo e tenho que pagar as conduções... muitas, muitas contas. Preciso de frilas pra poder pagar tudo. Sorte que o marido ajuda, é claro. E muito.
E a gente tá prestes a fazer "Bodas de Prata" - o duro é que eu não lembro direito do dia em que mudei. Acho que foi no dia 28. Então a data vai ficar sendo o dia 28.
Temos que comemorar!
Mudamos com a cara e a coragem pra uma casinha linda, na Vila Brasília (uma vila de dez sobradinhos em Pinheiros). Casa 7. Nossa, como aquilo foi bom. Eu tinha só 21 anos. Enquanto minhas amigas da faculdade pensavem em baladas, que naquela época tinha outro nome (discoteca??) eu queria só saber da minha casa, dos meus vizinhos, dos almoços com a vizinhança no pátio da vila, de passear no shopping Iguatemi com a filharada de todas as casas reunida.... Uma delícia. Tempo bom. Tô nostálgica hoje. Já deu pra perceber, né?
Eu tinha mais coisas pra escrever, mas o telefone tocou e eu perdi o fio da meada. Tchau!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para nós!