quarta-feira, setembro 23, 2015

Querido dinheiro


Querido Dinheiro,

Tivemos várias fases no nosso relacionamento ao longo da vida. Quando eu era menina, você nunca faltou. Minha família vivia numa casa confortável, eu estudava em um colégio particular e minha mãe até ganhava joias nas ocasiões mais especiais. Estava tudo bem. Mas muitas ideias me foram inculcadas pela família, como “dinheiro é sujo”, “precisa se esforçar muito para ganhar dinheiro”, “precisa economizar para os casos de necessidade”, “precisa pensar na aposentadoria e no dia de amanhã”, “o importante é ensinar a pescar e não dar o peixe”, etc...

Cada uma dessas ideias preconcebidas e desses preconceitos arraigados na mente e no coração tiveram de ser desconstruídos ao longo da minha vida, para que o meu relacionamento com você, Dinheiro, fosse ganhando outros contornos. Esses contornos sempre foram definidos por mim, uma mulher que sempre se achou inteligente (era boa aluna e não precisava me esforçar muito para ganhar boas notas). Mas sempre fui péssima com números. E dinheiro é número. Dinheiro é matemática. Outro ponto frágil na nossa relação.

Eu sempre pensei que, como era tão fácil ganhar boas notas na escola, seria igualmente fácil que eu tivesse um bom emprego (sinônimo de um bom salário). Mas não foi isso que a vida me apresentou.

Fui obrigada a fazer uma escolha: profissão ou família? E eu escolhi a família. Dessa escolha, eu nunca tive dúvidas. Automaticamente, você ficou em segundo plano, Dinheiro. Sempre achei que dinheiro não compra a felicidade. E priorizei a felicidade, os valores espirituais mais elevados e o antimaterialismo.

Aqui entram todas aquelas coisas da Bíblia: “é mais fácil um camelo passar por uma agulha do que um rico entrar no reino dos Céus”, “doe todos os seus bens e me siga”, e por aí vai... Estudei durante onze anos em um colégio de freiras franciscanas, veja bem, Dinheiro...

Mas eis que a vida dá voltas e mais voltas. E consegui enxergar que existe sim um valor em você, Dinheiro. Pois descobri você pode me proporcionar não coisas (que de verdade eu não valorizo tanto), mas experiências – como viajar, por exemplo.

Eu e o meu marido sempre misturamos muito os nossos dinheiros. Construir uma família representou unirmos nossos dinheiros em torno desse objetivo comum. Toda a vida foi assim. Nunca houve uma briga por você, Dinheiro (só por outras coisas).

Agora, meu marido está bem de Dinheiro, porque meu filho teve uma ideia de negócio que fez com que ambos prosperassem. Ótimo! Mas ainda assim, eu quero ganhar meu próprio Dinheiro, pois o Dinheiro me permite fazer escolhas, me dá Liberdade, e eu quero ser uma microempresária bem-sucedida.

Hoje, sou uma fadinha que realiza um único desejo das pessoas: o de lançar um livro. Muita gente sonha com isso, E eu sei como fazer. E fico muito feliz por poder ajudar. Mas você, Dinheiro, está envolvido na realização desse sonho das pessoas.

Por outro lado ainda (de quantos lados estamos falando aqui, hein??), a economia mundial está desmoronando. O emprego formal está morrendo. Hoje se fala em financiamento coletivo, em economia criativa, em receber por projetos. E eu estou nessa!! Quero encontrar formas legais e bacanas de ganhar dinheiro. Como disse a artista Amanda Palmer, no TED, não se trata de perguntar como tirar dinheiro das pessoas, mas de como permitir que elas nos deem dinheiro. (clique no link quando você tiver 18 minutos para se surpreender com o que ela fala). 

Vamos permitir, vamos aprender a receber. O Universo está prontinho para nos atender. Por isso, Dinheiro, hoje eu faço as pazes com você. Eu associo você a palavras como abundância e prosperidade. Não vou mais me sentir culpada, caso você queira fluir também aqui perto de mim. Entendo que você é a moeda corrente, precisa correr, precisa seguir esse fluxo – afinal, você, Dinheiro, nada mais é do que uma energia criativa, que pode ser usada de acordo com o que se passa na alma de cada um. E eu sei que minha alma é boa e que quer manifestar, por seu intermédio, Dinheiro, apenas um desejo para a nossa sofrida Humanidade: o desejo de Paz e Amor.


Assim seja! 

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Parabens Pelo Post... Gostei de Sua Performasse ao Escrever... Gostei do Seu Blog e Passarei Aqui Por Mais Vezes... Continue Assim e Mais Uma Vez, PARABENS

    ResponderExcluir

Sua participação é muito importante para nós!