terça-feira, novembro 28, 2017

Liebster Award (ou, ói como estamos chics)


A querida amiga (por enquanto ainda virtual) Sandra Santos, do blog Mineirinha n'Alemanha, me deu o prêmio da ilustração acima e me passou 12 perguntas, que respondo agora:

1) Seu nome e apelido.

Silvia Regina, na infância. Depois, só usei o Silvia quase a vida toda. Recentemente, decidi assumir o Regina de novo, que significa “rainha”, por indicação de uma amiga querida, a numeróloga e taróloga (e jornalista nas horas vagas, rsrsrs) Priscilla Tavollassi. Nunca tive apelido, mas meu marido me chama de Tina. A sobrinha mais velha dele, Andréa, foi quem me deu esse apelido, quando começou a falar. Era o mais próximo de Silvia que ela conseguia falar. E ficou. Mas se outra pessoa me chama de Tina acho esquisito. Não tem nada a ver.

2) Quais são seus hobbies?

Adoro cantar. Entrei no coro do clube há uns 4 anos e continuo a cantar agora no Coral Adágio, em Portimão, onde moro desde junho deste ano. Gosto de tricô, bordado, mosaico, e estou fazendo as pazes com a cozinha. Estou curtindo cozinhar. Sou feminista desde criancinha. Por isso, não gostava de cozinhar, porque interpretava como uma tarefa imposta à mulher pela sociedade machista. Mas agora não enxergo mais assim. Estou até gostando.

3) Qual foi o conselho sentimental mais marcante que você já deu no seu blog?

Essa é fácil. Tem um post meu que explodiu de acessos e até hoje é o mais acessado de todos os tempos. Ele fala sobre traição e perdão e se chama Confiança se recupera?? Deu pano para manga, rende até hoje. Tem muita gente que pula a cerca e depois se arrepende.

4) Você sabe quais são as pessoas que você conhece que eu também conheço, pessoal ou virtualmente? Caso saiba, quais são elas?

Pensei que você fosse amiga da Ingrid Littmann e da Jacqueline Luz, que conheci na mesma época, pelo blog. Mas vi no Facebook (colei... rsrsrs) que vc é amiga da Mirella e do José Ruy Gandra.

5) Depois de ter lançado o livro de tantas pessoas, como foi a experiência de escrever seu próprio livro?

Já escrevi alguns livros.... O primeiro foi uma participação em uma coletânea de contos, ainda antes da editora. Depois, escrevi o livro dos 60 anos da Seara Bendita, com a querida amiga Rosane Muniz. O primeiro livro solo escrevi em homenagem à minha comadre Vilma que, infelizmente, foi mais uma vítima do câncer. E o meu mais recente livro não é um livro, e sim um e-book, à venda na Amazon, chamado Destino Algarve. A emoção de lançar um livro é sempre muito boa, quer seja meu, quer seja de alguém que tem o sonho de publicar seu livro e tem que enfrentar a máfia das editoras, que eu aprendi a driblar.

6) Fale um pouco sobre seu livro, o Destino Algarve.

O Destino Algarve é um livrinho muito despretensioso sobre a nossa aventura (meu marido e eu) de nos mudarmos para Portugal, depois de termos passado a vida toda em São Paulo, aquele karma coletivo. Conta sobre meu espanto e alegria em descobrir uma nova cultura, novos sabores e até mesmo uma nova língua! Em geral, são os filhos que saem de casa em busca de novos horizontes. No nosso caso, foi diferente. O e-book custa menos de um euro e está à venda na Amazon.

7) Como é sair da muvuca de Sampa e ir morar em uma cidade litorânea do sul de Portugal?

É uma maravilha, um sonho tornado realidade. Às vezes não acredito e me belisco para ver se não estou a sonhar. Escolhemos Portimão, porque acho que se fosse uma aldeiazinha muito afastada, talvez a gente não se acostumasse. Aqui tem tudo o que se pode desejar de uma cidade. Fomos muitíssimo bem acolhidos, a cidade nos abraçou e nós a abraçamos de volta.

8) O que mais te impressionou até agora com relação à vida europeia?

Nós já conhecíamos muito bem a Europa e Portugal. Mas uma coisa é passear aqui e outra é morar. Então, o que mais me impressionou não foi tanto algo externo e sim interno: aqui, eu me sinto muito mais relax do que em São Paulo. Eu sinto uma paz no meu peito indescritível. É uma delícia sair na rua à noite sem medo algum. Isso não tem preço. Claro que continuamos espertos, porque quem mora em São Paulo tem que ser esperto e isso a gente acaba levando com a gente. Mas sinto um enorme alívio no meu peito, uma paz, não corro mais para chegar a tempo nos compromissos, a ansiedade de enfrentar o trânsito, de ter que lutar contra o relógio, tudo isso ficou pra trás. Aqui a gente faz amizade com a paz.  

9) Desde que se mudou para Portugal, qual foi o lugar mais lindo que você já conheceu?

Nós ainda estamos a conhecer, mas a Ponta da Piedade é um lugar impressionantemente bonito. Amei também a praia da Marinha (a foto de lá está na capa do meu livro). O farol da praia da Rocha é belíssimo. O passadiço na praia do Alvor... Albufeira... A ria Formosa, em Faro.... Não dá pra escolher só um lugar. São tantos e ainda temos muito o que conhecer e explorar.

10) Qual é uma cidade ou país que quer conhecer em breve?

Quero aproveitar a proximidade com o Marrocos e ir lá comprar roupas e coisas para a casa. Acho que será uma viagem muito inspiradora.

11) Qual é sua música predileta e por quê?

Essa é muito fácil também: Imagine, do John Lennon. Estou a esperar que o mundo seja do jeito que ele descreveu e acredito que será. Não sei se estarei viva para ver. Mas tenho fé que o planeta Terra vai melhorar (aliás, acredito mesmo que já melhoramos muito),

12) Se você tivesse um único pedido para fazer para o gênio da lâmpada, qual seria esse pedido?


Essa é difícil. Aprendi que o nosso gênio da lâmpada somos nós mesmos. Somos nós, a nossa mente, que temos o poder de realizar tudo aquilo que quisermos e sonharmos. Mas, para entrar na brincadeira, pediria ao gênio da lâmpada uma velhice lúcida e saudável, sem dar trabalho pra ninguém, para que pudesse ter uma passagem suave e tranquila para o plano espiritual. Acho muito tristes a velhice e a decrepitude. Embora eu vá completar 60 anos no ano que vem, não me considero uma idosa. A nossa viagem para Portugal foi a nossa fonte da juventude. Continuamos a estimular nossos neurônios e sinapses para ficarmos saudáveis mais tempo possível. Mais do que pedir, eu quero mesmo é agradecer. Por tudo de bom e de ruim que aconteceu na minha vida e que culminou com a chegada a esse paraíso na Terra. Como diz uma amiga brasileira que mora aqui há mais de 20 anos: “não foi preciso morrer para chegar ao paraíso”. É isso que eu sinto também. 

Para não acabar aqui a brincadeira, vou indicar o único blog que ainda conheço, embora seja um blog de viagem, em que não sei se cabe um post desse tipo, que é o Casal Mikix, da Mirella. 

Caso ela tope participar, seguem as perguntinhas: 
1) Nome e apelido
2) Em quantos países já morou?
3) Desses países, de qual mais gostou?
4) Qual foi a coisa mais doida que aconteceu em uma viagem? 
5) Qual foi a comida mais esquisita que comeu nessas viagens?
6) E a mais gostosa?
7) Onde ainda quer voltar?
8) Qual será a próxima viagem?
9) Onde não voltaria jamais?
10) Onde não quer ir de jeito nenhum?
11) Quando virá me visitar?
12) Quais seriam seus 3 pedidos para o gênio da lâmpada? 

Mirella, aqui estão as Regras do Jogo:

– Inserir no post a imagem com o selo Liebster Award.
– Escrever 12 fatos sobre você
– Responder as perguntas de quem indicou a TAG.
– Fazer 12 perguntas p/ os blogs que você indicar.
– Linkar de volta quem te indicou!

2 comentários:

  1. Vou brincar disso! Gostei! 😁
    Obrigada por pensar em mim para as próximas perguntas!
    Amei suas respostas, como sempre... sou sua fã, vc sabe, né?!
    Bjooo

    ResponderExcluir
  2. Adorei tbém! E me senti como se estivesse batendo papo com vc! Obrigada por ter participado! Bjs Sandra

    ResponderExcluir

Sua participação é muito importante para nós!