quarta-feira, dezembro 06, 2017

Nossos amigos portimonenses


Quando chegamos aqui a Portugal, com exceção do nosso "sobrinho" Ricardo, que foi nosso anjo da guarda nessa jornada além-mar, não fizemos tantos amigos portugueses, e muito menos portimonenses. Mas isso mudou! Graças ao meu querido marido extrovertido, travamos conhecimento com o sr. Fernando, tradicional alfaiate aqui da cidade de Portimão. A alfaiataria dele dá gosto de se ver. Um capricho sem igual. Chamou-nos a atenção a vitrine (que aqui se chama montra) toda bem montada e organizada. Entramos para bater um papo, sem compromisso, e fomos tão bem recebidos, que até nos comovemos. O sr. Fernando fez questão de nos contar que fez um colete para o príncipe da Inglaterra, além de trajes elegantes para outras pessoas, artistas de circo e contou-nos que ficou muito amigo de vários clientes. Mostrou-nos croquis e recortes de jornal.

Hoje em dia, ele trabalha porque não sabe fazer outra coisa. "Se eu parar de trabalhar, eu morro", costumava dizer à mulher, já falecida. Mas se algum amigo o convida para um café, a plaquinha “volto já” entra em ação e ele sai para tomar o café, sem culpa alguma. Teve que começar a aprender a cozinhar, depois que a esposa morreu. E tem se virado muito bem, sim senhor. O filho mais novo até leva marmitas, quando vem visitar o pai. O mais velho dirige o maior hospital de Lisboa. Com que orgulho ele fala dos seus filhos! Coisa bonita de se ver.


Essa conversa toda foi em uma sexta-feira. Como não soubéssemos o que são figos torrados, ele se prontificou a nos levar alguns na segunda-feira seguinte para experimentarmos. E lá fomos nós. Que surpresa mais agradável! O sr. Fernando não só tinha levado os figuinhos, como ainda levou cálices especiais para provarmos o medronho de Monchique, "o verdadeiro", que também nos serviu, para nosso deleite. Levou ainda queijo de figo, um saboroso doce típico português, feito com figo prensado. Iguarias saboreadas com muita prosa, porque o sr. Fernando é muito bom de prosa. Conversa vai, conversa vem, ele nos apresentou o amigo Florindo.

O sr. Florindo tem uma história muito bacana também. Trabalhou anos e anos na companhia telefônica e passou a colecionar aparelhos telefônicos que são um verdadeiro tesouro, guardado a sete chaves em sua casa, onde nos levou e nos apresentou à sua esposa, dona Ludovina. Sua coleção de aparelhos telefônicos tem exemplares raríssimos, que mereciam constar na coleção de algum museu dedicado ao tema, aqui em Portimão.

Também tivemos o grande privilégio de conhecer a casa do sr. Fernando, tão bem arrumada e linda quanto a sua alfaiataria.


Depois, tentamos retribuir tanta gentileza com o convite para um almoço domingueiro aqui em casa. Os três vieram, elegantíssimos, me deram presentes e nos contaram anedotas. O sr. Fernando me presenteou com flores vermelhas, o símbolo do Natal. E o sr. Florindo levou um vinho de 1999, uma relíquia, daquelas que se guarda para uma ocasião especial. E como estávamos a viver uma ocasião mais do que especial, abrimos o vinho e o servimos aos nossos convidados. O sr. Florindo levou também dois daqueles deliciosos queijos de figo, que havíamos provado e até declamou alguns poemas. 

Nosso cardápio foi composto por uma massa, servida com molho branco e molho vermelho, ao gosto do freguês, e de sobremesa um doce de abóbora feito com cravo e cabela,e uma goiabada brasileira. Acho que eles gostaram!

Estamos muito felizes com a nossa nova amizade e esperamos que ela se prolongue por muitos e muitos anos. A vida é feita de doces momentos como esses, que, com a idade e a distância de casa, aprendemos a valorizar cada vez mais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para nós!