domingo, março 25, 2018

Porque não posso mais ser sua amiga



Oi, Carla Pontes, tudo bem?

Fui toda feliz e contente nesta tarde ver o seu concerto de voz & acordeão, acompanhada pelo talentoso Gonçalo Pescada, no Convento São José, em Lagoa, no primeiro horário.
Agora, enquanto derramo essas palavras aqui no computador, você deve estar concentrada para entrar no palco pela segunda vez. E enfeitiçar o público de novo. Assim como fez comigo.
Quando cheguei ao teatro (ex-igreja?), os lugares estavam todos ocupados e tive que me contentar em sentar na última fila. Justo eu, que sempre gostei de sentar na primeira.
Mas mesmo lá longe a sua mágica me alcançou, me atingiu em cheio. Imagino o que você não deve ter feito com aquelas pessoas que estavam bem pertinho de você.
Quando você entrou no palco, com seu vestido encarnado, pura emoção, já entendi que aquela apresentação seria especial.
O encarnado cintilante do seu vestido simbolizou todo o amor com que você impregnou aquele ambiente. Dizer que sua voz é angelical seria permanecer no lugar-comum.
Fui ver uma amiga cantar. Mas o que vi foi uma diva, uma deusa, uma fada. Sua voz preencheu cada espaço vazio, cada coração. O repertório traçou uma trajetória em que só estavam autorizadas as músicas de alta qualidade. Quer fossem estrangeiras ou portuguesas. Tudo com uma naturalidade e uma delicadeza comoventes. Parecia tão fácil para você entoar aquelas canções. No entanto, sua voz me transportou para fora daquele espaço, me fez viajar. Eu flutuava acima do meu corpo, no ritmo das músicas. Meus olhos me enganavam, criando uma aura de luz ao seu redor e ao redor do fantástico músico que a acompanhava no acordeão.
Seu sorriso, no intervalo entre as músicas, explicando tudo em português e em inglês, em respeito ao público multicultural que a aplaudia entusiasticamente, nos conduzia de volta ao espaço charmoso do Convento São José.
Porém, como disse no título deste post, infelizmente não posso mais ser sua amiga. Minhas amigas habitam o mesmo Universo que eu. Confuso, corrido, real. Mas você não. Assim como a bailarina, da “Ciranda da Bailarina”, do Chico Buarque, você mora em outro mundo, outro plano, um Olimpo reservado apenas a poucos. Como posso continuar a ser sua amiga? Não vai dar.... Agora, sigo na condição de fã. Gratidão pela sua arte que nos comove, e nos move. Isso sim foi show. Gratidão por ter iluminado minha tarde de domingo! Envio vibrações de muita LUZ e muito SUCESSO na sua trajetória. 

Um beijo.

Da sua ex-amiga,

Silvia  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para nós!