segunda-feira, maio 02, 2016

Viva a globalização!!!!

Eu e a Adriana: parceria & amizade

Desde que decidi ter uma editora de livros, a Reality Books, em 2010, sempre tive uma amiga, excelente profissional, na parte gráfica para me ajudar com os meus projetinhos, a Adriana Viana, que conheci em um dos meus muitos empregos vida afora.

A gente se deu super bem desde o primeiro projeto, ainda dentro daquela fatídica empresa. Pra você ver... mesmo dentro das situações mais desfavoráveis, alguma coisa de bom fica - no caso, a Adriana!

Ela fez um trabalho primoroso na capa do livro que eu escrevi para a minha comadre: "Vilma, os anjos vão embora mais cedo".

Mais tarde, ela veio morar na rua de cima da minha - éramos vizinhas. Mais projetos aconteceram, estava tudo indo muito bem.... até que, um belo dia, ela me conta que estava de partida para a Europa! Pensei que perderíamos o contato... mas não! Bendita Internet! Acabamos de fechar um novo projeto em conjunto e eu estou muito feliz!

Empreender, para mim, significa trabalhar apenas com amigos/as. Simples assim. Só quero ao meu redor gente do bem, gente com quem a gente possa se entender, sem brigas, discussões, atritos.

O mundo já é um lugar tão complicado, tão cheio de guerrinhas abertas ou não, declaradas, ou por baixo dos panos, que eu quero é paz. Meu objetivo maior não é ficar rica, e nem ganhar em cima de ninguém. Cada qual merece ganhar um pagamento justo pelo seu trabalho e eu mereço também.

Eu só quero viver em paz. É tudo o que eu mais quero. Quando me disseram (em duas oportunidades): "Ele/ela não é seu amigo/a", aquilo soou muito mal para mim. Não quero trabalhar com pessoas que não sejam minhas amigas.

Quero juntar trabalho e amizade, quero que o mundo seja um lugar de paz e de amor. Por isso tenho até uma tatuagem com esse símbolo.

Não posso fazer algo que esteja contra a minha natureza. Não posso contrariar meus princípios, vestindo uma carapuça que não me caiba, só para agradar pessoas que não são minhas amigas no trabalho. Eu até admiro muito quem consiga. Mas eu não consigo. Meu "defeito" é ser transparente demais. Não consigo disfarçar. Não sou boa em fazer política, em puxar o saco. Será que é por isso que não consegui construir uma carreira tão sólida assim?? O fato é que tenho 57 anos e estou na luta. Não tem nem sombra de aposentadoria por aqui.

Preciso lutar, preciso me esforçar, preciso ser criativa, conseguir mais clientes, mais trabalho. Eu e a torcida do Corinthians, né?? A tal da "crise" - detesto essa palavra - chegou aqui também. Vamo que vamo....

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para nós!