quinta-feira, março 15, 2007

Oh! Dúvida cruel

Quem não tem dúvidas, nessa vida? Não é mesmo? De vez em quando recebo umas consultas sentimentais. Não posso deixá-las sem resposta, é claro. Então, vou transcrever um diálogo via e-mail aqui, preservando a identidade da minha consulente. A consulta dela é quase uma poesia. Fiquei em dúvida se eu precisava responder uma a uma das suas colocações. Mas achei que não. Porque ele falava de cada particular e eu respondi no geral. A vida da gente é feita de lados, aspectos, setores e a gente quer a felicidade em todos eles, se possível, AGORA.
Aos poucos, a gent aprende que mais importante do que chegar lá é caminhas direito, como eu digo logo mais.

Consulta
Eis meu desabafo. Sei que estás muito ocupada, mas acho que vai poder me ajudar.
Acho que tou em crise da mulher de Nova ou na crise dos 30, tou perto de descobrir que "ou se tem chuva ou se tem sol".

Quero ter filho logo (realização pessoal e menos manha da enteada), mas estou tendo dificuldade de engravidar, estou indo a um especialista.

Quero ter a casa arrumada e pra isso tenho empregada, mas como todas as mulheres sabem (e os homens não) mesmo assim tenho coisas a fazer em casa.

Tenho que ir ao mercado semanalmente, marido vai as vezes, mas nunca acerta comprar minhas coisinhas, shampoo, por exemplo.

Tenho que ir ao salão semanalmente, mas vou de 15 em 15, não morro, mas me sinto feia, minha profissão exige salto alto, cabelo liso, unhas feitas e paletó.

Tenho que fazer atividade física, pra ficar uma velhinha saudável.

Tenho que emagrecer, pra ser sexy e facilitar a possibilidade de gravidez. E o chopp com o marido?

Tenho que dar atenção a meus pais, enteada, marido e raros amigos.

Tenho que estudar, quero ser mais inteligente, mas tem coisa que simplesmente não entra em minha cabeça...

Quero que meu tempo renda mais, mas tb quero dormir muiiiiiiito (adoro) e ter lazer.

Quero ser reconhecida na minha profissão, mas os prazos, monografias (1 MBA e 1 Pós-graduação concomitantemente) e reuniões consomem todo o meu dia, sem que eu tenha tempo de pensar em marketing pessoal.

Quero fazer ioga, voltar a inglês, fazer terapia pra me entender, ser mais calma.

Não quero ser modelo pra ninguém, mas quero ser imitada.

Quero um emprego melhor, não que o meu seja ruim, só que com ele não terei o dinheiro que meus pais e sogros tem (pra meu pai isso é péssimo, serei pior que ele), não posso ser sócia do clube, comprar paletós com caimento perfeito,, mas gosto do meu emprego, é desafiador, apesar de ser passível de privatização e eu não ter possibilidade de ascensão vertical (tb devido a minha inteligência e marketing - ausentes).

Acho que quero ser juíza do trabalho, mas direito do trabalho é tipo como um direito menor, pros burros, mas eu num consigo entender tributário... Poderia ser procuradora do trabalho, o salário é melhor, mas é tão repetitivo... Atentei e fiquei em crise (marido me chamou à realidade), como posso ser tantas coisas ao mesmo tempo? Sou tão cobrada, principalmente em relação a um emprego melhor; meus pais acham que me traria $ e status, os que vêem meu potencial, crêem que me traria status, eu queria $. Mas, eu cansei de estudar, já estudei tanto (e olha que eu amava estudar) e nada... já não sei se sou capaz de tanto esforço... Tou tão triste comigo mesma, sei que meu potencial é maior, mas me perco no dia-a-dia. A vida tem tantos lados.
Quanto tempo demandaria de dedicação até eu conseguir? Marido aceitaria minha ausência? Ele trabalha fins de semana e até tarde, mas e eu ? Não poderia? Quem conversaria com a mãe que morre de saudades e até ficou doente por isso? Quem cuidaria da casa? Quem tentaria educar a enteada, ajudaria no dever de casa e ouvia as conversas sobre a escola? A empregada quer ir embora às 18h, o marido tem aula até as 22h.

Por que nasci mulher?

Por que não estudei mais, quando podia?

Quem tem que abrir mão das coisas?

Tou perdida e, o pior é que barco que não sabe pra onde vai, a maré leva...

Resposta
Bom vou tentar responder.

Primeiro, obrigada por ter aberto o seu coração comigo!!

Sobre ter filho: tem que ver o que a Medicina diz, mas tem que confiar, sobretudo, em Deus, mesmo, que é Ele que manda!!

Sobre ser dona-de-casa: as feministas falavam na tal jornada dupla de trabalho, e ela ainda dura
até hj.

Deixa o marido ir ao super, mas não queira que ele compre o seu xampu. Melhor comprar só um xampu do que um super inteiro!!

Quanto aos outros itens, é mesmo muita coisa, tudo ao mesmo tempo agora, como parece que é o lema da nossa época.

Mas tenta fazer uma coisa de cada vez e o "caminho do meio", que Buda apontou, há um tempão atrás, o caminho do equilíbrio.

Mas tem umas perguntinhas que vc faz que eu não vou nem tentar responder, né?! Exemplo: por que nasci mulher?

Bom, aí já não sei, mas com certeza deve ter um motivo. Eu, que acredito em reencarnação, acho que nós, os seres humanos, temos que viver as duas experiências. Comparar a dor e a delícia de uma e de outra. Agora é a vez de ser mulher, em sua plenitude, com todos os conflitos e enigmas que só a gente pode mesmo resolver.

E nada como um dia depois do outro, um passo no caminho de cada vez, sabe o slogan daquele uísque? Keep walking. Pois é. O caminho e seus percalços é que nos fazem crescer e progredir.

Tenta fazer o seu melhor, que é a única coisa que podemos fazer, aos 14, aos 20, aos 30, aos 40 ou aos 50, em todas as idades!!

Ah! e tem o lado espiritual, que vc não citou. Mas precisa tentar encaixar em algum momento tb, qualquer que seja a religião escolhida!

Respondi????????????

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para nós!