terça-feira, novembro 27, 2007

Os jovens e as drogas

Algo me diz que preciso colocar aqui no blog umas informações sobre drogas.
A questão é que as drogas TÊM sim um lado positivo.
E não tem como combater a influência negativa delas, ignorando esse fato.
Bom, pra começar, vou colar um texto aqui sobre o assunto, que eu peguei no site da Seara Bendita.

Neste link aqui tem muito mais informação, se for o caso.

As Drogas
As drogas estão mais próximas e acessíveis, mas os jovens se mostram mais esclarecidos quanto aos efeitos negativos do uso de tóxicos, classificando o usuário como alguém preguiçoso, chato e sem futuro. Essas são algumas das revelações da recente pesquisa encomendada ao Ibope pela Associação Parceria Contra Drogas, em comemoração do primeiro ano de campanha na mídia.

Nesta segunda rodada da pesquisa - a primeira aconteceu em abril de 96, antes do início da campanha "Drogas nem morto", foram ouvidas 700 pessoas, entre 9 e 21 anos, residentes em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Salvador e Campo Grande. O objetivo do estudo é orientar as próximas ações da APCD e avaliar o que foi feito até agora. De acordo com os dados coletados, tudo indica que a Parceria está no caminho certo. As campanhas tiveram alto índice de aceitação: dos 84% de entrevistados que declararam ter visto alguma propaganda de prevenção ao uso de drogas, 44% lembram-se de mensagens da Parceria.

A pesquisa indicou um aumento significativo no grau de exposição às drogas na faixa dos 9 aos 12 anos, com um aumento de 6 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior. E a ausência do assunto "drogas" na família também apareceu na pesquisa. 29% dos jovens declararam que ainda não mantêm diálogo sobre drogas com os pais. A expectativa do presidente da APCD, Paulo Heise, é de que esse número caia: "Os comerciais da campanha podem servir também como pretexto para a conversa entre pais e filhos que estão na mesma sala assistindo à televisão; um comentário sobre o filme pode quebrar a barreira e indicar o início de um papo informal, mas que ainda é tabu nas famílias brasileiras."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para nós!