domingo, julho 11, 2004

Tenho muito o que falar...
Bom, primeiro vou falar sobre o amor, de novo. Ah! O amor.
Muita gente comentou o post anterior e eu tenho que continuar falando no assunto que mais rende música, filme, tudo no mundo.

“Mas e quem disse que existe fórmula pra essas coisas? Paixão é paixão, seja ela como for”, disse a querida Ivis. É verdade, por isso falei que era uma opinião, uma coisa muito particular. Não existem fórmulas nem receitas infalíveis, nem mágicas, nem mandingas. O ser humano é muuuito complicado. Mas é só a minha opinião. O amor, esse da convivência de anos e anos, precisa ter a amizade como um dos ingredientes. Pode ser que a paixão venha antes, mas pra mim paixão só é muito pouco. A paixão é uma fase passageira. O amor e a amizade são sentimentos que têm outra natureza e podem durar pra sempre. Já a paixão... Quem quiser viver apaixonado provavelmente vai pasar grande parta da vida sozinho. Mas é só a minha opinião. Que também pode mudar (eu sou de gêmeos...)

O querido Dígito pensa justamente o contrário. "Pra mim, bom mesmo é paixão que se transforma em amor. Como as labaredas no começo, e depois, a brasa constante". Pode ser.
É outra opinião e eu respeito totalmente quem pensa assim.

Já a querida Lucy levou um susto: "sempre tive um medo incomensurável de ter qualquer relação extra-amizade com meus amigos. Sabe, aquele medão do "e depois?"... Pois é." Ué, de repente o depois vai ser ainda melhor! Já pensou nisso??

Também o meu mais novo leitor, o Rhedy, se manifestou: "por que nós homens temos tanta dificuldade em falar o que sentimos? É difícil explicar. Mas acho que a principal causa disso é nossa falta de desenvoltura para tratar dos próprios sentimentos, e pelo fato de não admitirmos com facilidade a existência deles. Aquele velha cultura que o homem sensível, o homem sentimental, ser "gay". Nossa. É verdade. A educação machista ainda faz estragos, por mais antiquado que pareça. Mas parece que as coisas estão mudando aos poucos. Agora alguns homens já conseguem enxergar que não é bem assim e que as mulheres se derretem cada vez mais com esse novo homem, mais sensível e quase "gay" sem ser. Isso até foi matéria de capa da revista da Folha um tempo atrás.

"Homem é um saco. Não se pode, de jeito nenhum, ficar atrás deles", diz a querida Maitê, sem papas na língua. Também concordo, mas devo confessar que andei atrás do "meu" muitas e muitas vezes, porque eu tinha certeza do que eu queria. Eu achava que a minha felicidade estava em ficar ao seu lado. E andei atrás, sim, e renunciei a algumas coisas só pra ficar com ele. Essa é a verdade. Eu sei que tem gente que acha que a gente não deve altrar nenhum milímetro o plano que temos para a nossa vida, em função de outro alguém. Mas eu acho (de novo, minha modesta opinião) que é provável que essa pessoa fique sozinha. Não que seja péssimo ficar sozinha. Pode até ser bom... enfim... a vida é feita de escolhas.

A Nana, sempre enigmática, deixou um sinalzinho que não sei se quer dizer se ela concorda, ou se ela ficou triste...

A minha querida, querida amiga Luciana perguntou "Por que a mulher não "pode" falar para não "assustar" o cara, porque ele pode ficar assustado, achar que sua liberdade está ameaçada?". Realmente, é complicado mesmo. Mas se o cara fugir, então é porque era o cara errado. Melhor falar e pronto. Concorda?

Gente, adoro conversar virtualmente com vocês sobre esse assunto!

Mas pensa que é só isso?? Nã, nã, ni, nã, não. Quero falar mais: contar que cortei o cabelo, pintei de novo da mesma cor, de uma cor de pinhão, segundo o Guilherme. Que o salão tem lá anotada a fórmula em uma agenda eletrônica pra não errar. E, suprema das vaidades, fiz escova e chapinha! Pela primeira vez na minha vida. Adorei. Fiquei linda (na medida do possível, é claro!). Mas o que importa é que me achei linda.

Ah! Lembra que eu me pesei no dia do meu aniversário? Eliminei dois quilos, já. Um saquinho de arroz, daqueles pequenos. Já é alguma coisa, né? Continuo firme na minha dieta dos pontos. Firmíssima.

Já gastei meia barra daquela da Lush que eu comprei outro dia.

Falo tudo isso, porque tudo isso pra mim é muito novo na minha vida. Mas tô gostando.

E tem mais: minha vontade de mudar de casa anda mais forte do que nunca. Você não pode imaginar o tempo que gasto aqui e aqui, quando estou na web. A gente não sabe se quer casa ou apartamento, se é aqui ou em Portugal. Assim, fica difícil, né?

Ontem, no programa Saia Justa, da GNT, estava a Marina, e elas comentaram sobre aquela letra de música:

"Eu espero
Acontecimentos
Só que quando anoitece
É festa no outro apartamento ".

É do disco Marina Lima, de 91.

O ser humano é assim, um eterno insatisfeito. Ou a gente quer mudar de casa, ou achar um namorado, ou emagrecer, ou encontrar o emprego ideal. Gente, por que a gente nunca fica feliz com o que tem, né? O pior é que quando a gente chega lá, vê que aquilo não nos trouxe a felicidade instantânea. Quem sou eu pra dizer o que alguém tem ou não que fazer pra ser feliz? Ser feliz e estar feliz, coisas diferentes... muito diferentes. Ah! Mas já falei muito hoje. Vou parar por aqui e outro dia volto a falar da felicidade.

Boa semana p/ você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para nós!